Meu aluno bom de rola

Valentina era professora e muito querida pelos alunos, em especial por Eric, que nutria uma paixão platônica por ela, até pelo fato que ela nunca deu liberdade a nenhum aluno.

Ele por sua vez não conseguia se interessar por nenhuma outra mulher.

Faltando um pouco mais de quinze dias para encerrar o período letivo ela anuncia para a turma que aquele seria seus últimos dias de aulas ali naquela universidade.

O pessoal fez muito barulho, mais ela calmamente explica que era necessário essa mudança em sua vida, e que pelas circunstâncias deixaria de ser professora deles, porém nunca de ser uma amiga.

Os dias se passam normalmente, até que chega o último dia de aula, os alunos se reúnem para comemorar e fazem questão que ela vá, pois seria sua despedida também, ela aceita, quando a aula termina todos se reúnem no pátio para decidir quem vai com quem, pois nem todos tinham carro, com ela fora um casal e duas garotas.

Lá no barzinho beberam, comeram, curtiram bastante, até quase duas e meia da manhã, quando por fim se despedem. Com ela pega carona o mesmo casal, só que dessa vez Eric também, no caminho deixa o casal e Eric segue ao seu lado, quando desaba um temporal, e eles seguem conversando e quando ela para em frente ao prédio dele, ainda chove horrores, ele faz mensão de saltar, quando ela põe a mão em sua coxa, e diz: Deixa cessar mais, pra que você se arriscar pegar um resfriado, eu espero afinal amanhã é sábado, e rir para ele, que retribui e olha para a mão dela ainda sobre sua perna, e resolve perguntar: Porque mesmo você vai nos abandonar? Ela explica que no alto dos seus 36 anos não poderia deixar escapar uma proposta de emprego que supria todas suas necessidades e expectativas, ele então diz: Você não parece ter 36 anos, no máximo 27, ela então complementa dizendo: Tenho ainda um outro bom motivo pra não recusar essa proposta, tenho uma filha adolescente que é de minha total responsabilidade, pois sou mãe solteira desde os 19 anos, do mais logo vocês se acostumaram com minha substituição, ele a interrompe e diz: Eu não mesmo, e nesse momento ele pergunta se ela teria mais alguma coisa que o surpreende-se.

Ela num arroubo passa a mão por trás de sua nuca e encaixa um beijo ardente nele o deixando excitado, quando nota fala rápido: Salta Eric que a chuva parou, ele não quer ir mais ela quase o empurra para fora, sem alternativa ele desce e ela arranca com o carro.

Ela chega em casa se recriminando pelo que fez, porém depois de tomar um banho ela desaba na cama e dorme profundamente.

Quando ela acorda por volta do meio dia e liga o celular vê que tem 8 ligações dele, e como eram muitas resolve retornar, quando ele ele atende diz que não pregou olhos pensando nela e que precisava encontrá-la, ela pede que ele esqueça aquele beijo foi um arroubo de adolescente, que ele levasse em conta que ela tinha bebido, ele implora para ele que o encontre, ele insiste tanto que ela pra se ver livre fala pra ele ir a sua casa, já que sua filha estava com os avós, assim eles poderiam conversar e ele entender melhor o que houve, que ele fosse as 8hs.

As 8 em ponto a campanha toca, ela abre a porta e faz um gesto para que ele entre, quando fecha a porta e passa a sua frente, ele a envolve com seus braços e a encoxa por trás começando a beijar seu ombro, nuca, pescoço o que fazia as pernas dela tremerem com isso seu corpo perde a resistência, ele gira o corpo dela para que fique de frente e lhe encaixa um beijo cheio de volúpia e amor, e nesse momento ela esquece o mundo e se entrega a ele.

Abraçados caem no sofá ele por cima dela sussurrando no seu ouvido o quando a deseja e ama, quando ela percebe suas mãos com movimentos apressados, ele libera o pênis e puxa a calcinha dela pro lado, coloca o pau forçando em seu lábios carnudos e quentes, ela também sente o calor dele em suas partes íntimas vai abrindo as pernas e facilitando sua entrada em sua bocetinha, que mais parecia um vulcão expelindo lavas em forma de mel, e ali mesmo ele a possui com urgência e sofreguidão.

Quando aos poucos eles se recuperam, fala pra ela do tempo que a ama em segredo e que a quer na vida dele para sempre.

Ela com certa tristeza diz para ele que não daria certo, pois ele só tinha 25 anos, não tinha como da certo, ele tapa a boca dela com um beijo, e em seguida a pede que se case com ele, que promete fazê-la feliz, ela ainda atordoada pede pra que ele vá embora, que ela precisa pensar em tudo aquilo que tava acontecendo.

Passado alguns dias ela não consegue esquecer aquele jovem que parecia ser mais homem que muitos que ela já conhecerá.

Então ela liga para ele e marcam um encontro, dessa vez fora de sua casa, depois de terem ido a um restaurante, eles vão a um motel, onde conversam mais um pouco e decidem ficar juntos, e pra comemorar eles pedem champanhe, depois de alguns goles eles resolvem tomar um banho com ela, aquela champanhe parecia ferver nos seus corpos quentes.

Eles nus abraçados ela podia sentir o seu membro duro pulsando enquanto precionar a sua xana, ele então começa a chupar e morder seus biquinhos de peito, enquanto ela geme, num prazer absurdo, ele desci beijando sua barriga até que chegou em seu sexo quente que exalava um odor inebriante, ele dá um beijo de língua em sua bocetinha, como nunca ela tinha ganho, quando ela começa a falar coisas desconexas, ele troca a língua pelo seu cassete que já babava e latejava, querendo invadir as entranhas daquela deusa, então ele conduz seu magestoso pau ao vulcãozinho dela, e com estocadas contundentes, eles vão ao delírio de um gozo delicioso, ainda tremendo pelo efeito da gozada, ela começa a engolir sua jeba, ela tanto chupou e lambeu que ele explode numa gozada que mesmo ela tentando engolir tudo escorria pelo canto da boca, ele nesse momento olha para ela e diz: Eu sabia que você era a mulher da minha vida, e ela diz: Eu nunca me entreguei desse jeito a nenhum outro, tanto que quero sair daqui hoje toda fudida por você meu macho, então vem come meu cuzinho goza gostoso nele, aí sim serei toda sua de fato.

Nesse momento ele mal consegue acreditar, e ao ouvir isso seu pau ao já fica teso, ele coloca ela de quatro e lambe seu anelzinho, enfia a língua e lhe dá um beijo grego, pra lá de delicioso, e com muito carinho vai enfiando o dedo com muita cautela para que não seja doloroso e sim prazeroso, ela fica toda entregue a ele que faz uma siririca bem gostosa para distraí-la dos movimentos de seus dedos, e quando já cabiam dois dos seus dedos, então era hora de viajar para dentro do seu buraquinho quente, sua cabeça em formato de cone parecia ser o instrumento perfeito para abrir aquele caminho apertado ainda virgem, mais com muito carinho ele consegue penetrar tudo, e num vai e vem, sempre segurando em suas ancas, ele dá e tem um prazer indiscritivel, ambos caem na cama ofegantes mais em estado de graça, seus corpos se sentem plenos e satisfeitos.

Eric não via a hora de poder dormir e acordar todos os dias ao lado de sua amada e encher ela de amor e prazer todos os dias.
By Katy

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.