Transa muito alucinante

Meu nome é André tenho 38 anos, sou servidor estadual, e vou contar a história que se passou comigo nessa semana. Sou casado, trabalho de escala 12/36 e dia sim dia não estou em casa! Tenho uma colega de trabalho que se chama Thais, ele tem 39 anos, casa, com uma filha de 12 anos. A Thais não é muito bonita de rosto, mas é muito gostosa, uma bunda gigante, seios médios, mas bem durinhos. Ela mora perto da minha casa, seu marido trabalha o dia todo, e sua filha estuda à tarde! Olha só o que aconteceu, que sorte a minha! Estava eu em casa, quando recebo uma mensagem no WHATSAPP dela, toda desesperada me pedindo ajuda, pois não sabia mais o que fazer. Ela havia entrado no banheiro para tomar banho e a porta não sei por que se trancou e ela não conseguiu abrir por dentro, e depois de tentar de tudo para abrir e ligar para outras pessoas, sem sucesso ela se lembrou de mim, pois como eu disse ela mora perto de mina casa!

Minha esposa estava viajando e eu não estava fazendo nada, então prontamente me propus a ajudar, mas eu a questionei como faria para entrar em sua casa, e ela me disse que o portão de fora ficava aberto e a porta da sala era só pegar a chave que ficava dentro de um vaso de flor na varanda, quando seu marido saia para trabalhar, ele trancava a porta e deixava a chave lá escondido. Então fui ajudar minha amiga, chegando lá à chave estava no que ela havia falado, e entrei na casa e fui direto para o banheiro, tinha levado minha caixa de ferramentas, e percebi que porta tinha quebrado a chave lá dentro, forcei um pouco a porta e consegui abrir, foi que para minha surpresa estava lá, Thais completamente nua enrolada na toalha, quando vi essa semana fiquei com muita excitação e meu pai endureceu na hora, ela me agradeceu e disse que ia ao quarto colocar uma roupa, aí eu segui e segurei em seu braço e pedi a ela pra me deixar ver ela nua, ela hesitou e pediu para eu sair da casa dela, eu sabia que não podia perder aquela oportunidade, então soltei seu braço e fiz uma cara de triste e disse que estava há muito tempo sem sexo, pois minha esposa não estava querendo fazer sexo comigo, eu quando eu a vi senti muito excitação por ela, fui falando o quanto ela é

gostosa. Pude perceber que ela sentiu pena de mim, mesmo assim me disse que era casada e que não poderia trair o marido, que só me mandou mensagem porque não sabia mais o que fazer. Mas eu insisti, deixa eu pelo menos te ver? E tirei meu pai para fora, que estava completamente duro, eu arregalou os olhos e disse: Vai embora, seu não eu vou gritar. Eu disse a ela: Não precisa gritar, somos amigos, eu não vou fazer nada que você não queira, só quero te ver e chegar em casa bater uma pensando em você, ela ficou com pena e me disse: Então fica ai. E ela sentou na cama, e deixou a toalha cair sobre seu colo, mostrando seus lindos seios, fiquei com muito mais excitação, vendo minha colega de trabalho nua. Sem pensar muito, me aproximei e disse, você é muito linda, e tentei tocar em seus peitos, mas ela resistiu mais uma vez, e eu já estava de frente pra ela, que estava de cabeça baixa, toquei em seu queixo e levantei sua cabeça e disse. Ajuda-me a aliviar esse tesão. Ela sem falar nada levanta a mão e pega no meu pau duríssimo e começa a alisar, fazendo leves movimentos de vai e vem com a mão, numa punhetinha maravilhosa, ela olha pra mim e

diz: Tudo que acontecer aqui tem que ficar entre nós, promete? Eu disse, claro mesmo porque também tenho esposa. Na mesma hora ela abre a boca e enfia de vez meu pau, e começa a chupar fazendo um delicioso boquete, me levando as nuvens, então levei minhas mãos novamente em seus peitos e comecei a acaricia-los, e ela me chupando e dando uns gemidinhos baixinhos, hum… hum… hhum vi que ela estava ficando com tesão deitei ela na cama, e cai de boca em sua buceta, que não demorou muito já estava toda melada, fui subindo, beijando sua barriga, umbigo, até chegar aos peitos, passando a língua e sugando aqueles lindos seios, e ela se contorcia na cama que gemidos um pouco mais altos, já estava posicionado por cima, abri um pouco suas pernas e penetrei, ela ficou em silencio alguns segundo, mas logo depois começou a gemer, eu fui metendo, bombando algumas vezes rápido e outras mais lentas, quase tirava de sua buceta e enfiava novamente, e ela gemias e falava: Humm, humm, humm mete, mete mais ai ai ai, que delicia, eu fui metendo cada vez mais forte e mais rápido e ela ai ai ai, hum, trocamos de posição, agora ela por cima e de frente pra mim, e foi sentando, cada vez mais forte, e gemendo ai ai hum hum. Comecei a passar a mão em sua bunda levando o dedo em seu cuzinho, e ela gemendo e se contorcendo e sentando forte em mina pica, aproveitei que ela estava no ápice do tesão e fui enfiando o dedo em seu cuzinho, ate ela me agarrar forte e forçar buceta que engolia todo o meu pau, e ela gozou com meu dedo em seu cu e o pau na buceta. Ela deitou do meu lado e meu pinto ainda pulsando de excitação, eu disse no seu ouvido, bem baixinho, me deixa comer seu cu. Ela só olhou se levantou abrindo a porta do armário e

pegou um K-MED e me disse: só uma vez em 15 anos de casada, meu marido comeu meu cu, vou deixar você, porque foi muito bom, e há muito tempo não sentia tanto excitação e gozava como hoje. Coloquei ela quatro e lambuzei muito K-MED no seu cuzinho rosado e lindo, e antes de tentar a penetração comecei a chupar novamente sua buceta, deixando ela bem excitada, me posicionei de joelhos atrás dela e pude ver aquele bundão empinado na minha frente, que loucura, e tentei forçar a penetração, mas não foi fácil, mesmo com o lubrificante, ate que entrou, e ela deu grito de dor, esperei um pouco e com as mãos fui acariciando seu clitóris, e à medida que mexia em sua buceta forçava um pouco mais, ate que entrou tudo, esperei mais algum tempo fazendo pequenos movimentos de vai e vem, bem lento mesmo, e mexendo na sua buceta, queria que fosse bom pra e pra ela também. Aumentei o movimento e fui fudendo aquele delicios

o cuzinho, e ela gritando, nessa hora não sei dizer se era de prazer ou de dor, só sei que aproveitei e soquei muito naquele cuzinho, ela de bunda empinada com o rosto no colchão e meu pau batendo uma sua bunda fazendo, ploft ploft, ploft e ela gritando, eu fui mais rápido ploft, ploft, ploft ate da um berro e enchendo o cu dela de porra, me desfalecendo sobre o corpo dela, ficamos ali naquela posição, alguns minutos, eu sobre ela com o pau dentro do cu dela e ela embaixo de mim, ambos desfalecidos com uma relação amorosa alucinante. Nos levantamos e eu me vesti, ela pegou a toalha no chão e se cobriu e pediu para eu ir embora, com uma cara que fez uma coisa muita errada, mas que gostou muito. Depois disso, cantei ela varias vezes, mas ela sempre diz não e me evita ao máximo. Mas está bom pelo menos na minha lembrança e agora aqui fica viva aquele dia inesquecível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *