Do call center para o motel

Tudo começou em 2014 trabalhei numa empresa de call center em Madureira, quem já trabalhou nesses lugares sabe a quantidade de oportunidades que aparecem para um sexo casual gostoso, durante o meu tempo nessa empresa fiz amizades com muitas pessoas mais a Cristiane foi quem, mas se destacou.

Ela não era o tipo de mulher padrão, era até um pouco feia, mas super simpática logo pegamos amizade.

Baixinha 1,60 de altura peitos pequenos, usa um, óculo fundo de garrafa, peitos pequenos e boceta magrinha mega apertada.

Passamos os dias conversando e falando sobre sexo como é de costume nessas empresas.

Um dia durante um intervalo estávamos reunidos num grupo onde contando comigo, éramos 3 homens contra 6 mulheres.

A putaria rolava solta entre gargalhada, quando a Cristiane comenta: provavelmente o Léo é fraco de cama!

Todos riram da provocação, e o assunto logo morreu.

Porém, como um bom macho que sou fiquei com o meu ego ferido e descido fui atrás da Cristiane.

Estava decidido a comer aquela mulher!

Depois de dias de conversas e provocações fiz um acordo com a Cristiane: Ela aceitava ir para o motel comigo e veríamos se eu era ou não fraco na cama como ela dizia. Com um sorriso safado ela responde que se eu não apagasse o fogo dela, todos na empresa ficariam sabendo. Mas se fosse o contrário eu poderia fazer qualquer coisa com ela…

No dia marcado fomos para UM MOTEL na Intendente Magalhães.

Assim que entramos no quarto já agarrei ela pelos cabelo e fui beijando a sua boca, enquanto tocava todo o seu corpo doendo aquela boceta e arrancando gemidos de tesão dela.

A Cris gemia enquanto me provocava dizendo que de negão eu não tinha nada. Disse que passaria a chamar-me de neguinho.

Isso só aumentou meu (tesão).

Fiz ela ajoelhar na marra e fodi sua boquinha como uma boceta carnuda fazendo ela engasgar no processo, logo em seguida joguei ela na cama chupando demoradamente a sua boceta fazendo ela chorar de tesão.

Chupei a sua boceta metendo dois dedos dentro fazendo ela gozar consecutivamente na minha boca.

Logo em seguida coloquei ela de 4 socando fundo a piroca, enquanto batia em sua bunda perguntando: agora fala cadela quem é seu macho?

Ela gozava e dizia, é você negão, é você negão.

Tinha dominado a situação de tal modo que ela estava entregue rebolava e chorava dizendo que nunca mais ia duvidar.

Mas não estava satisfeito a minha intenção era judiar dela o máximo, queria que ficasse marcado no seu corpo e mente, comecei e a bater naquela bunda, enquanto metia fundo e sem pena.

Uma hora socava bem devagar na outra rápido, mas sempre metendo o mais fundo possível arrancando gritos de prazer.

Terminei dando um banho de porra na cara da safada.

No dia seguinte ela era só sorrisos quando questionaram ela disse que tinha visto um passarinho preto.

[email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *