Novinho Safado Passou a ser meu amante

Me chamo Leila (fictício), tenho 26 anos e escrevo este conto mais como um desabafo, pois mantenho um segredo que não posso contar nem pra minha melhor amiga. Casada a pouco mais de um ano, sempre meu marido Jorge (também fictício) gostava de passar alguns dias em nosso sítio, e algumas vezes ele gostava de fazer churrasco e convidar principalmente dois casais de amigos. Um dia estávamos fazendo churrasco e aproveitando a piscina, quando avistei na cerca que dividia nosso terreno com outro sítio, um garoto (João)de mais ou menos 17 anos nos

olhando. Sabia que ele era filho do caseiro do sítio ao lado e já o tinha visto algumas vezes através da cerca ajudando seu pai na lida. Falei com meu marido e ele logo chamou o garoto pra se aproximar, sentar e degustar um pouco do churrasco com refrigerante. Ele comeu pouco e me perguntou se podia levar o que ainda tinha no seu prato pra sua mãe e pro seu pai. Fiquei comovida com a atitude do garoto e pedi pra ele chamar seu pai e sua mãe pra vir comer um pouco do churrasco com a gente. Veio apenas a mãe, uma senhora bem humilde e toda acanhada. E o que me chamou a atenção e do meu marido era o carinho que o garoto demostrava pela mãe,

ajudando-a a se servir na mesa. Na outra vez que fizemos novamente churrasco, meu marido novamente chamou o garoto e pedindo pra ele chamar também seus pais, e o pai apareceu também. Meu marido foi puxando conversa com o pai do garoto, e dias depois fez uma proposta do garoto ajudá-lo no sítio, fazendo limpeza no terreno, na piscina e é claro ganhando pra isso, pois estávamos sem caseiro. João passou a ser uma pessoa muito dedicada, aprendendo rápido com meu marido a limpar até a piscina. Tempos depois, meu marido foi promovido a diretor na firma e passou a viajar muito a serviço, e eu sentindo falta da piscina do sítio, convidei

minha amiga Beth pra passar o final de semana comigo. No sábado, estávamos na piscina e cheguei a ver o João regando as plantas ao lado da casa. Beth usava um biquini tão pequeno que mal cobria os bicos dos seus seios e sua xoxota. Fui até a cozinha pegar uma cerveja, quando escutei sons estranhos vindo do quintal. Saí pela porta dos fundos e vi João em atitude suspeita, escondido e olhando na direção da piscina. Quando chamei pelo seu nome, ele ao tentar correr levou um tombo por estar com a bermuda toda arriada. Quando vi que o safado devia estar se masturbando olhando pra minha amiga Beth que estava praticamente nua.

Rapidamente fui ajudá-lo a se levantar e acabei vendo que aquele moleque tinha um pau grande e grosso… Praticamente o dobro do seu marido. Só quando ele conseguiu ficar de pé é que foi puxando a bermuda pra cima e todo apavorado.
– Perdão Dona Leila; não conta pro meu pai não!…
Eu olhando-o com dificuldade de guardar seu pinto que ainda estava duro.
– Calma João, calma! Só quero saber o que você estava fazendo!
– Nada! Nada!…

– Você estava se masturbando, olhando minha amiga, não estava?
– Ta… ta… tava sim Dona Leila; mas não fala pro meu pai, por favor!
– Tá bom; não vou falar nada, ok?
– Nem pro Sr. Jorge?
– Pode deixar que vai ser um segredo só nosso; tá bom?
E João foi juntar alguns lixos pra colocar pra fora do sítio e fiquei ali com a imagem daquele pinto enorme da minha mente. Voltei pra piscina e quando ví João voltando pedi se ele podia pegar mais uma cerveja na cozinha. Ele ao me entregar a cerveja, deitada na espreguiçadeira notei o olhar dele no meio das minhas pernas… Apesar do meu biquini ser bem mais discreto do que o da Beth, dava pra notar o contorno da minha buceta desenhada no tecido.

– Está tudo bem João?
Ele procurando desviar os olhos.
– Sim! Sim dona Leila… Precisa de mais alguma coisa?
– Não João, obrigada!…
Fomos embora no domingo à tarde, e em casa passei novamente a lembrar do pau do João e de repente comecei a sentir vontade de transar… Não via a hora do Jorge voltar da viagem e me dar aquilo que eu estava precisando: – Uma boa foda!
Mas na segunda-feira, Jorge me ligou dizendo que ia ter que ficar mais duas semanas pra resolver alguns problemas na filial da firma. Pensei comigo: – “Puta que pariu; vou ter que ficar sem transar até ele voltar”. Levei o dedo na minha buceta e senti um fogo ir me consumindo, e me fazendo novamente lembrar da pica dura do João. Chegava o outro final de semana e eu estava subindo pelas paredes com vontade de ter um pau na minha buceta. No sábado cedo resolvi ir sozinha pro sítio sem conseguir tirar a piroca do João da minha cabeça. Na piscina, ao ver o João, o chamei e pedi pra ele sentar do meu lado.

– Você tem namorada João?
– Na… Não Dona Leila!
Ele não tirava os olhos do meu corpo e aquilo estava me dando prazer. Percebendo que ele começava a ficar de pau duro, pelo volume na sua bermuda.
– Você gosta de se masturbar?
– Ahm? Mas dona Leila?????
– Bobo; comigo você não precisa ficar com vergonha de falar!…
João ficou todo embaraçado e acabou dizendo que precisava falar alguma coisa com o seu pai e saiu com um volume visivelmente grande na sua bermuda. Duas horas depois, sai da piscina, tomei um gostoso banho de chuveiro e resolvi jogar apenas um vestido um pouco curto sobre meu corpo nu. Tirei um cochilo e acabei tendo um sonho com meu marido me fudendo…. Só que o pau do meu marido era grande como o do João. Levantei, e ao ver o João varrendo ao lado da piscina resolvi chamá-lo pra me ajudar a mudar minha cama de lugar. Após arrastarmos a cama, de propósito fiquei de quatro sobre ela fingindo arrumar o lençol justamente quando João ficou atrás de mim… Sabia que meu vestido ia subir o suficiente pra ele ver que eu estava sem nada por baixo. Demorei um pouco nessa posição e quando me virei notei o João todo sem jeito querendo esconder a frente da sua bermuda.
– O que foi João?…
Ele com as duas mãos na frente pra esconder sua excitação.
– Nada! Nada não!…
Só que ao sentar na cama, meu vestido continuou não cobrindo minha buceta e fingindo ter percebido somente naquele momento, e sem me preocupar em me ajeitar.

– Noooossa? Você viu alguma coisa João?
– Sim… Sim… Mas foi sem querer dona Leila!
– O que você está escondendo com as mãos? Tá excitado João, tá?
– Desculpa dona Leila, é que eu não consigo evitar.
Na realidade ele continuava vendo minha buceta. Sentei na beirada da cama e puxando suas mãos.
– Deixa eu ver!…
Ele estava um pouco assustado, e ficou mais ainda quando comecei a abrir sua bermuda até puxar seu pau duro pra fora.
– Nossa João, você está assim por minha causa?
– Tô… A senhora é muito bonita!
Eu segurando seu pau, olhei pro seu rosto.
– Você promete que não vai contar pra ninguém?
– Prometo dona Leila!…
Fui colocando a boca naquela linda piroca e sem um pingo de vergonha comecei a mamar fazendo João gemer de prazer.
– Ooooh! Ooooh que gostoooso dona Leila!…
De repente fui ficando novamente de quatro sobre a cama com meu traseiro virado pra ele.
– Enfia na minha buceta João, enfia!…
E João sem perder tempo, encostou seu pau e foi empurrando até o fundo. Eu que achava que ele não tinha nenhuma experiência, me enganei. João começou a socar com força na minha buceta que em menos de um minuto eu estava gozando feito uma cadela no cio.
– Vaaaaaiiiiii! Meeeeeete! Meeeeete Joooooãooooo!!!!
Eu estava com tanto tesão que nem estava preocupada dele gozar em mim. Mas ele mesmo depois de dar mais várias socadas na minha buceta, tirou e foi gozando esfregando seu pau na minha bunda. Corri pro banheiro pra me limpar e ele foi junto comigo já sem a bermuda. Tirei a roupa e entrei debaixo do chuveiro com ele sempre me olhando… Só lavei a bunda e me secando João me agarrou me deixando perplexa com sua atitude. Ele com um braço em torno das minhas costas e com a outra mão apalpando meus seios.
– O Senhora é muito gostosa!…
Foi quando comecei a ficar preocupada vendo que aquele garoto não tinha nada de bobo.
– Pelo amor de Deus João, meu marido não pode nem desconfiar, tá bom?
Ele continuando me abraçando e passando a mão na minha bunda.
– Pode deixar dona Leila, prometo que não vou dar nenhum motivo pra ele desconfiar de alguma coisa.
Fui ficando toda entregue naquele abraço e passadas de mão na minha bunda e nos meus peitos, quando João tirou a mão do meu peito, segurou meu rosto e me lascou um beijo ardente na minha boca… Até isso ele sabia fazer muito melhor do meu marido.
– Não João, nos não podemos… Sou uma mulher casada.
– Foi só um beijo dona Leila!
Acabei oferecendo minha boca pra ele me beijar novamente, e ele pegando minha mão me fez segurar seu pau que estava novamente duro igual uma pedra.
– Deixa eu te comer de novo, deixa!
– Tá bom seu safado!…
Me apoiei na pia de costas pra ele abrindo as pernas e deixando enfiar novamente na minha buceta… Fui sentindo aquela maravilhosa piroca invadindo minhas entranhas, e quando senti seus pentelhos encostando na minha bunda ele começou novamente a socar com até uma certa violência fazendo meu corpo todo estremecer… Em menos de vinte minutos, aquele garoto tinha me feito ter os dois melhores orgasmos da minha vida. No domingo, sabendo até que os pais do João tinham ido até a cidade, chamei-o pra dentro de casa e logo estávamos pelados na cama. Depois que dei uma gostosa e rápida mamada naquela deliciosa piroca, João novamente me surpreendeu enfiando a cara no meio das minhas pernas chupando minha buceta com vontade. Ele lambia, chupava e cutucava a ponta da língua na minha buceta que acabei gozando e lambuzando toda sua cara. Fiquei de quatro, João enviou na minha buceta, e depois de dar várias socadas reclinou sobre minhas costas com seu pau todo enfiado e parado dentro da minha buceta.
– Deixa eu colocar na bunda dona Leila?…
– Ahan? Não João, não! Ele é muito grande!…
Ele tirou da minha buceta e encostou no meu cuzinho que fazia mais de três anos que não via um pau.
– Se você não aguentar eu tiro!…
– Você promete?…
– Claro dona Leila!…
Apesar dele ter seu pau todo lambuzado com meu liquido vaginal, colocou a boca sobre meu cuzinho e soltou um pouco de saliva antes de voltar a encostar e começar a forçar pra entrar. Fui sentindo a borda do meu cú se abrindo e seu pau ir entrando.
– Ai! Ai! Aaaaaiii! Doooi mas tá goooostoooso! Envia! Enfia tuuuuudo!…
Parecia até que ele ia me dividir ao meio… Enfiou até eu sentir seu saco encostando na minha buceta e começar a fazer um vai-e-vem cada vez mais forte me fazendo gritar de dor e prazer. João ficou me socando por quase 10 minutos que mesmo sem encostar nada na minha buceta fui tendo um outro orgasmo no mesmo momento que eu ia sentindo ele gozando dentro do meu ardido cuzinho. Jorge voltou e o convenci de pagar um bom salário pro João ser o nosso caseiro definitivo. E João passou a se dedicar nos cuidados do sítio e a cuidar do meu corpo sempre que meu marido viajava e eu ia ficar no sítio com o seu consentimento. Ter um amante novinho como o João com sua piroca sempre pronta pra me fuder, é a melhor coisa para uma mulher que gosta de fazer sexo com mais frequência do que seu marido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *