A madastra do meu amigo

Felipe e eu éramos amigos de longas datas e praticamente crescemos juntos, mantivemos uma boa amizade, eu ia sempre em sua casa pois costumávamos jogar PC. Felipe vivia em casa com sua madrasta Sra.Denise, uma coroa muito bonita.Mesmo com sua idade, ela manteve uma figura esbelta e sempre chamou a atenção por onde passou. Seu marido Carlos, pai de Felipe é um representante que ganha um bom dinheiro e viaja bastante. Meu tesão por Denise já vem de muitos

anos, ela sempre se vestia de forma muito sensual e com roupas curtas, coladas e com meias finas, meia calça ou meias 7/8.Perdi as contas das vezes que me peguei vidrado tentando conseguir ver o que havia por baixo daqueles pedaços de pano, sem contar das tantas vezes que me utilizei do banheiro de sua casa para me masturbar com suas meias que encontrava nos cestos. Foi a partir daí que desenvolvi um fetiche por lingerie e meia calça, não sei se por fruto do meu desejo mas no auge

dos meus 20 anos e cheio de energia eu fantasiei muitas vezes transando com sua madrasta. Fiquei sabendo que Felipe estaria viajando por dois dias e sua madrasta ficaria sozinha em casa então tive a idéia de ir em sua casa com o pretexto de consertar seu computador, como costumava ir lá não seria problema minha presença e tentaria me deliciar espiando mais lances de sua madrasta gostosa. Cheguei em sua casa e Denise me recebeu, falei que Felipe pediu para dar uma olhada em seu computador, prontamente ela muito educada me convidou a entrar. Ela estava

exuberante, devia ter voltado da academia, vestida com um macacão branco e rosa todo colado ao seu corpo, ainda era visível sinais de seu suor deixando algumas partes úmidas.Lambi os lábios enquanto admirava todo aquele corpo e tudo que eu conseguia pensar era como seria bom ver aquela bunda e poder toca-la Fui para o quarto de Felipe, fiquei dando um tempo e por vezes saia disfarçadamente para ver Denise na pia da cozinha lavando os pratos enquanto balançava sua bunda deliciosa ao ritmo da música, eu a observava com muito desejo enquanto apertava meu pau duro como pedra.

Eu disse a ela que tinha que usar o banheiro!! Encontrei uma calcinha dela e não pude evitar, levei até meu rosto e senti o cheiro inebriante do seu sexo, meu pau pedia para sentir aquela minúscula peça envolta dele e eu não resisti e esfreguei em movimentos lentos, apreciando o momento. Foi então que ouvi Denise ao telefone,

ela teria um encontro logo mais e parecia bem empolgada, descobri que ela estava traindo o pai de Felipe, ela disse que iria tomar um banho e se vestir e que o encontraria em um local que fica bem afastado do bairro. Meu coração gelou com meus pensamentos, meu pau pulsava forte, era a oportunidade de vê-la sem roupa ou melhor em seus trajes íntimos mas meu medo era não conseguir controlar minhas ações.

Em poucos minutos Sra Denise entra no seu quarto e vai para o banheiro, escuto o som do chuveiro.

Meu coração iria sair pela boca, eu teria alguns minutos para entrar no seu quarto e conhecer mais de perto sua intimidade, corri para seu quarto e comecei fuçar as gavetas de sua cômoda, encontrei vários pares de meia calça e calcinhas minúsculas, roubei duas delas e uma meia calça preta e guardei no meu bolso, em alguns minutos me deliciei com cada peça daquela imaginando em seu corpo, meus

instintos e desejos acumulados não permitia que meu prazer se resumisse apenas a conquista de sua peça íntima, eu precisava de muito mais.O chuveiro para e escuto o som do box se abrindo, eu tinha poucos segundos para decidir. Corri e me escondi no guarda roupas, foi o lugar mais prático que encontrei, deixando assim apenas uma pequena fresta para minha apreciação.

Alguns segundos depois, ouvi Denise entrar em seu quarto, ela caminhou até sua cômoda, ligou um interruptor e uma luz do teto acendeu.Eu assisti pela fresta da porta quando Denise começou a pentear seu cabelo. Depois de uma eternidade ela finalmente terminou. Em seguida, se levantou e abriu seu roupão. Minha boca quase

bateu no chão do armário quando a vi nua pela primeira vez. No auge dos seus 38 anos, ela estava muito bem em forma. Meus olhos continuaram a escanear seu corpo nu da cabeça aos pés. Sua bunda era tão sexy quando ela se sentou em sua cama.Observei quando ela estendeu a mão para a cômoda e pegou um pequeno frasco do que parecia ser algum tipo de loção.Ela derramava apenas uma gota em seu dedo. Ela levantou a mão para o seio e começou a massagear o creme em seus seios. Enquanto eu olhava para seus mamilos duros para cima, notei que eu tinha algo que estava começando a ficar duro também.Denise levantou e caminhou até

sua cômoda. Enquanto eu continuava a espiar, vi que ela tinha algum material preto na mão. Mais uma vez observei enquanto ela colocava os braços em um corpete de renda preto. Ela se olhou no espelho por alguns instantes. Ela se virou de lado e olhou para seu perfil. Esta posição me deu uma boa olhada em sua bunda sexy. Meu pau estava latejando e eu não queria nada mais do que me liberar e me masturbar.Em seguida, observei Denise vestir uma cinta liga, posicionando o material para que ficasse alto em seus quadris esbeltos e sensuais. Novamente ela se sentou. Ela levantou um pé e enfiou o pé em sua meia. “Uau”, pensei comigo mesmo enquanto a observava colocar um par de meias. Ela enrolou o material transparente em suas pernas sensuais e as prendeu em suas ligas. A visão desta cena e daquelas meias sensuais quase me fez explodir uma carga em minhas calças.

Denise novamente se levantou e começou a vestir sua calcinha. Eu assisti enquanto a pequena tira de material desaparecia em sua bunda. Em seguida, observei ela se levantar e caminhar até seu lado do guarda roupas. Nessa hora eu já queria me jogar em seu corpo e sentir cada pedacinho dele.Ela voltou e tirou uma blusa azul royal de um cabide, deslizou seus braços esbeltos pelas mangas e começou a abotoá-lo de baixo para cima. Ela deixou apenas o botão de cima desabotoado. Em seguida, pegou

sua minissaia da cama e comecou a vestir. “Ahhh, delícia” pensei comigo mesmo. “Ela é tão fodidamente gostosa.” Meu pau continuou a pulsar enquanto eu a observava enfiar a saia. Não quero mais assistir, é hora de foder essa cadela. Dei um passo silenciosamente e antes que ela pudesse fechar o ziper da saia, agarreia-a por trás.Denise congelou e se virou. “Que porra você está fazendo?

-Cale a boca ou eu conto tudo para seu marido. Há anos que sonho com esse momento.

“Eu te odeio, seu filho da puta.” Denise gritou.

-Eu costumava me masturbar pensando em você abrindo suas pernas sensuais pra mim, sempre adorei essas suas meias finas.

Seu tarado, me solta!

Eu a puxei para sua cama, tireia a meia do meu bolso e amarrei seus pulsos.Eu abaixei minha cabeça em seu pescoço e empurrei seu cabelo para o lado e beijei seu pescoço.”Por favor, não faça isso” Denise implorou.Eu lentamente aproximei minhas mãos de seus seios. Eu segurei sua blusa em cada mão e puxei bruscamente até todos os botoes se soltaram.Novamente estendi a mão e segurei seus seios. Eu podia

sentir seus mamilos através do material puro. Eu os senti endurecer na palma da minha mão.Movi meus dedos em direção ao gancho de seu corpete que estava localizado na frente entre seus seios magníficos. Eu desabotoei lentamente.Em seguida, deslizei minhas mãos por sua barriga e depois sobre seus quadris. Senti as meias macias que cobriam suas pernas sensuais. A respiração dela estava se tornando mais profunda enquanto eu continuava a acariciar sua coxa. Deslizei

minhas mãos por suas pernas por cima de suas meias e sob sua saia sentindo sua carne quente que estava exposta acima de suas meias. Eu deslizei minha mão em sua bunda apenas brevemente.Eu lentamente deslizei minhas mãos para baixo para seus quadris e depois para suas coxas. Continuei a deslizar minhas mãos por suas pernas, até que eu estava de joelhos na frente dela.”Baby, você tem pernas tão sexy.” Eu disse.

Dei um passo para trás e levantei a saia de Denise. Sua tanga estava em sua bunda, então eu dei um tapa na bunda dela com força duas vezes, ela ficou em silêncio, mas eu podia ouvir sua respiração agora irregular.Lentamente me abaixei e agarrei a bainha de sua saia e puxei facilmente, eu beijei suas coxas quando cheguei atrás delas para acariciá-las. Coloquei minhas mãos de modo que alguns dedos tocassem os topos de renda de suas meias enquanto alguns dedos tocavam sua carne quente. Eu agora estava beijando a parte interna de sua coxa. Eu podia sentir seu cheiro

almiscarado enquanto olhava para sua boceta coberta com a pequena tanga. Eu abaixei entre as pernas de Denise, sua calcinha estava encharcada e mal podia esperar para foder ela todinha.Eu gentilmente, puxei sua calcinha para o lado e passei a lingua levemente por sua boceta lisinha fazendo-a gemer disfarçadamente. Eu chupava todo seu sulco e ela se contorcia.Estendi a mão, agarrei sua tanga e rasguei o fino tecido como papel.Eu apreciei completamente o gosto da buceta de

Denise.Apertei e acariciei a bunda gostosa dela enquanto passava minha língua lentamente por seu clitoris e Denise comecou a gemer mais alto. Seu corpo inteiro tremia enquanto eu lambia avidamente e cavava profundamente minha língua dentro de sua buceta.

-Unnngghhhhh…Isso!Continua lambendo todinha, oh… que delícia. Sra. Denise já estava entregue, perdendo toda relutância inicial.

Lambi, chupei, deslizei a língua para cima e para baixo, apreciando cada gota da sua buceta quente.

-Oh caralho, isso é muito bom, eu preciso gozar! Ela implorava!

Enquanto Denise estava lá com as mãos amarradas sobre a cabeça, ela estava indefesa prestes a chegar ao climax. Eu podia sentir os lábios da boceta dela se contraindo e apertando minha língua. Eu podia ouvir sua respiração irregular enquanto seus sucos continuavam a fluir pelo meu rosto e pela parte interna de sua coxa.

Levantei-me e caminhei atrás de Denise. Eu puxei minha camisa sobre minha cabeça e rapidamente tirei minha roupa. Meu pau também já não aguentaria mais. Foi tão bom liberar meu pau dolorido. Eu me movi atrás de Denise e estendi a mão para segurar seus seios. Seus mamilos estavam tão duros. Coloquei meu pau entre suas pernas para que meu eixo se separasse dos lábios de sua boceta e minha cabeça estivesse saindo na frente dela. Eu podia sentir Denise prender a respiração enquanto enfiava meu pau latejando na sua boceta molhada, ela tremia e gemia enquanto eu mantinha o ritmo de estocadas. Oh, Oh, me fode todinha! Denise gritava! Não para, não para. Segurei seu cabelo e metia com força, era a melhor sensação de minha vida. Com a outra mão eu esfregava o clitóris de Denise, ela gritou loucamente enquanto gozava. Denise tremeu violentamente enquanto eu continuava bombear mais forte sua boceta até que não resisti mais, pude gritar meu alívio e senti meu esperma jorrar profundamente dentro dela.A sensação era inexplicável, desabamos na cama enquanto eu a beijava e ela me chamava de safado, que nunca tinha gozado daquele jeito. Desamarrei seus braços e trocamos algumas carícias na cama, seu telefone tocou e ela desmarcou o encontro, disse que esse era o nosso segredo.

Falei pra ela: -Sem problemas mas olha só como eu já estou, aquele gozo não foi o suficiente para matar o desejo acumulado de tanto tempo. Só estamos nós dois aqui e este é o momento de aproveitar todos meus desejos por você!

-Seu tarado, o que quer que eu faça

Vem cá que eu te mostro, fui até sua gaveta de lingeries e peguei uma meia calca preta. Toma, veste pra mim, sonhava em te fuder vestida só de meia calca e esse é meu momento.

Ela pegou a peça e sorriu maliciosamente pra mim, lentamente ela sensualizava enquanto vestia aquele objeto de desejo de tantos anos, agora estava ela a minha frente, vestida em nada mais que essas meias finas e transparentes que emolduravam aquele corpo sedutor, desejável, essa era a única barreira entre meu pau que já latejava sentindo o esfregar sob seu corpo. Parti pra cima de seu corpo, apalpei sua bunda, sentindo o fino tecido de sua meia calca, tateando e admirando cada detalhe, minhas mãos deslizaram por toda extensão de sua bunda e pernas, acompanhado de diversos tapas e apertos mas seria impossível suportar mais um minuto sem voltar a sentir sua buceta abraçando meu pau.

Então eu lentamente movi minhas mãos em direção a sua virilha e rasguei um buraco em sua meia-calça. Ela sorriu e sabia o que estava por vir, porque se deitou com as pernas bem abertas e esperou que eu entrasse nela.

Aproximei-me dela, sentei-me de joelhos e muito gentilmente inseri meu pau duro em sua vagina. Novamente, era tão suave, macio, sedoso, quente, úmido e ainda um pouco apertado.

Eu pressionei mais forte nela e então lentamente entrei em um ritmo de fodê-la tão duro e tão intenso quanto eu podia. Seus seios estavam saltando um pouco para cima e para baixo. Ela enrolou as pernas da meia-calça em volta de mim e me deu essa sensação incrível que me estimulou ainda mais.

Por fim, ela caminhou novamente com os pés no meu corpo, sobre minha barriga, peito, pescoço, até chegarem no meu rosto. Ela sabia o quanto eu gostava dessa experiência! Eu empurrei cada vez mais forte dentro dela e a cama balançou um pouco com a nossa ação.

Mas eu não poderia finalizar de outra forma senão metendo com força por trás e sendo contemplado pela visão de sua bunda maravilhosa, foi então que coloquei Denise na posição com aquele rabo empinado, terminei de rasgar parte da meia que cobria sua bunda e meti com muita vontade enquanto ela gritava de prazer.

Então, em um instante repentino, nós gozávamos quase exatamente ao mesmo tempo, eu atirando muitas cargas de esperma dentro dela e ela esguichando uma grande carga suculenta no meu pau.

Era um misto de alívio, prazer, alegria dos dois lados, nos entrelaçamos e ficamos deitados na cama por um tempo. Depois disso, tomamos um banho juntos, ela preparou um lanche delicioso para nós e aproveitamos o final de semana da melhor forma possível já que Felipe só chegaria dois dias depois.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.