A primeira vez com a MILF

Meu nome é Gustavo, tenho 1,70, porte atlético, pele morena clara e olhos castanhos claros. Essa história que irei contar aconteceu quando eu tinha acabado de completar 18 anos. Essa história é a continuação do conto anterior.

Recebi no meu celular uma mensagem inusitada, olhei pela barra de notificação e até então era de um contato desconhecido. Movido pela curiosidade abri rapidamente a mensagem e para minha maior surpresa, era uma foto dos dedos melados da Bianca e com a seguinte legenda: isso é culpa sua, trate de resolver isso.

No mesmo instante meu pau ficou extremamente duro, ainda mais porque sempre fui louco pela Bianca, mesmo ela sendo 28 anos mais velha que eu e era justamente por ela ser tão mais velha que eu tinha tanto tesão nela. Posicionei o celular, tirei a camisa a fim de exibir meu abdômen sarado e gravei um gif abaixando um pouco o short, mostrando o volume e bem pouco do meu pau, quase nada e encaminhei com a seguinte legenda: estamos quites, você também está com um problema nas suas mãos.

Bianca mostrava um lado que jamais tinha imaginado existir, sempre foi muito comportada e nossa interação era apenas o básico. Já tinha fantasiado mil coisas com Bianca, mas nunca tinha imaginado aquela vertente que ela estava apresentando.
Em resposta ao meu gif, Bianca enviou um áudio falando que jamais havia imaginado o que estava acontecendo, mas que estava amando e que não queria ter um problema nas mãos, queria ter o “problema dentro dela”. Retribui com outro áudio falando o quanto imaginava a gente transando e que me masturbei inúmeras

vezes pensando nisso. Meu áudio atiçou mais ainda Bianca, o papo se estendeu por mais de hora e durante esse tempo apenas falamos do quanto estávamos desejando um ao outro, do tesão que estávamos sentindo e trocamos mais algumas provocações. Decidimos que a noite eu iria pra casa dela, já que, sua filha só iria para a casa do pai no final da tarde.

Antes de ir para casa da Bianca, tomei um bom banho, fiquei extremamente cheiroso e vesti uma roupa de tecido mole, para que marcasse meu corpo de certa forma, mas que principalmente marcasse o meu pau. Durante o banho pensei em me masturbar e abandonei a ideia quando lembrei que ela havia comentado que nunca tinha engolido porra, que quando pode sentir o gosto, foi porque pegou um pouco da porra de seu marido que acidentalmente respingou nela.

Cheguei ao meu destino e quando a porta foi aberta vi algo que nem chegava perto dos meus melhores sonhos. Bianca estava com uma camisola transparente branca, sem sutiã e uma calcinha fio dental que ficava um pouco socada na sua buceta, mas que ficava completamente perdida no meio daquele rabo. Não fizemos cerimônia, a porta se fechou e começamos a nos beijar, um beijo quente, intenso e molhado.

Deslizei minha mão para sua buceta e ela estava muito molhada, mesmo por cima da calcinha era possível sentir a umidade que havia ali. Coloquei a calcinha de lado e introduzi dois dedos na sua buceta encharcada, ela por sua vez, deixou sua saliva escorrer na mão, tirou meu pau pra fora e começou a me masturbar, ela pegava com vontade, como alguém que ansiava por aquilo, meus dedos alcançaram seu ponto G e ela gemeu timidamente, falei que não precisava daquilo, que poderia gemer como

quisesse, então ela gemeu com vontade, gemeu alto, me masturbou com vontade e eu senti sua buceta ficar mais lubrificada, ela se jogou no sofá e abriu bem as pernas, comecei a chupar aquela bucetinha lisinha como se aquilo fosse a ultima coisa do mundo, passava a língua em cada centímetro, mas ela me guiou para o seu clitóris e mandou que eu enfiasse os dedos ao mesmo tempo que chupava, continuei chupando e com meus dedos lá dentro, procurei seu ponto G, achei e o massageei

com meus dedos enquanto minha língua massageava seu clitóris, ela puxou meu cabelo, prendeu minha cabeça com as pernas, gemeu alto e enquanto se contorcia de prazer, eu senti o gosto do seu mel pela primeira vez, o gosto de uma buceta que ansiava por um sexo de verdade. Enfiei dois dedos em sua buceta e coloquei em sua boca para que ela sentisse o próprio gosto, em seguida tirei os dedos de sua boca e a beijei, um beijo mais intenso que o anterior, meu pau roçando na sua bucetinha melada e nosso beijo ficava mais quente, estava pronto pra invadir aquela buceta, mas rapidamente ela se levantou, tirou sua pouca roupa e tirou a minha, me jogou

no sofá e falou que eu poderia ter sido chupado muitas vezes, mas o boquete que ela faria, jamais nenhuma novinha chegaria aos pés, porque naquele dia eu faria ela de minha putinha, mas que ela me ensinaria a transar com uma mulher de verdade. Abocanhou meu pau, colocando ele todo dentro da boca, senti ele batendo no fundo da sua garganta, tirou e lentamente começou a lamber todo o pau, segurando o saco já molhado da sua saliva, vez ou outra chupando as bolas, colocando as duas na

boca, lambendo cada centímetro do meu pau e lentamente passando a língua na glande, vez ou outra dava uma sugada na glande e engolia tudo de uma vez, ela realmente sabia o que fazer e eu gemia de prazer. Precisava gozar, segurei sua cabeça com meu pau todo dentro de sua boca e fodi sua boca como se fosse uma buceta, pouco tempo depois estava jorrando porra, muita porra, aproveitei pra dar um pouco na língua dela, ela delirou ao sentir o gosto, engoliu tudo com prazer e me beijou.

Graças a minha jovialidade, em pouco tempo estava pronto de novo, então mandei ela ficar de quatro e comecei a meter forte, sentia meu pau batendo lá no fundo, uma não puxava o cabelo e a outra judiava daquele rabo, metia forte e ela gemia como a lutinha que era, pedia pau, pedia que fosse mais rápido e eu atendi ao pedido, batia e xingava aquela milf que a partir daquele dia era minha putinha, a cada tapa e xingamento ela gemia mais alto, fiquei ofegante e comecei a desacelerar, ela percebendo o meu estado mandou que eu ficasse deitado e começou a cavalgar,

rebolava no meu pau como se fosse um touro mecânico, ela rebolava devagar para me provocar, para eu sentir cada movimento e eu sentia, senti tanto que avisei que iria gozar, mas que queria gozar dentro dela, ela ficou louca quando escutou isso, começou a rebolar mais rápido e a pedir para que eu a enchesse de porra, levantei e enquanto ela rebolava no meu pau, eu beijava sua boca e tocava seus seios, não aguentei e gozei dentro dela, ao sentir cada gota do meu esperma preencher sua buceta, ela gozou.
Deitamos no chão e adormecemos exaustos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *