Primeira traição consentida

Meu nome é Julio e vou contar a história absolutamente verdadeira que aconteceu comigo com minha namorada Laura. Laura e eu estamos juntos há um ano. Nós nos conhecemos na universidade porque estamos na mesma faculdade de direito, nós dois temos 20 anos e somos um belo casal, como muitas vezes nos dizem.

Ela é morena clara, mede 1 metro 68, é bem magra, tem lindos olhos azuis, lindos seios e um belo par de nádegas. No nível sexual, imediatamente nos demos bem, fui seu primeiro homem e ela rapidamente se tornou viciada em sexo.

Naquele dia, fomos ver um jogo de hóquei, um importante jogo de play-off que eu não queria perder por nada no mundo. Laura não gosta muito de vir ao jogo comigo, “um bando de homens estúpidos cheios de testosterona que apoiam uma dúzia de lenhadores patinando atrás de um pedaço de plástico”, diz ela, então ela veio com relutância, ou melhor, para sair comigo, porque é verdade que naquela época não tínhamos muito tempo para nós mesmos, por causa das aulas.

Então pegamos o trem, depois o ônibus para a pista de gelo onde o jogo estava acontecendo. Laura estava vestida com calças pretas abraçando suas belas nádegas e um suéter de gola alta porque estava um pouco frio na pista de gelo. Devo dizer que ela era muito sexy e muitos homens olhavam para ela.

Ao nosso lado estava um homem na casa dos cinquenta e sua filha que devia ter mais ou menos a nossa idade, ambos pareciam ser fortes apoiadores. O homem parecia já ter bebido um pouco pelo entusiasmo com que falava com a filha, mas sem estar bêbado. Laura, por sua vez, havia bebido suas 3 cervejas em cerca de 10 minutos e o sorriso estava voltando para ela bem.

Demos um beijo carinhoso e o bom humor voltou. A partida começou, nosso time dominou e o público ficou muito agitado. Depois de dez minutos de jogo, chegou o primeiro gol, os torcedores estavam torcendo, as pessoas se abraçavam, pulavam, estávamos comprimidos uns contra os outros e foi aí que vi o homem roçar as nádegas da Laura. Ele certamente não fez isso de propósito, digo a mim mesma. Perguntei a Laura que me disse que também achava que ele não tinha feito isso de propósito. Nos beijamos e o jogo recomeçou.

O segundo gol veio logo após o primeiro, o que desencadeou uma nova paixão. Fomos jogados um contra os outros novamente. Vi o homem novamente roçar as nádegas de Laura como se fosse involuntário, mas desta vez ele fez isso várias vezes seguidas. Não havia mais dúvidas, não era totalmente involuntário. Fiquei um pouco ciumento, mas muito excitado com a situação, senti meu pênis crescer nas minhas cuecas.

Laura olhou para mim e disse:

-“podemos trocar de lugar, o velho toca mesmo na minha bunda de propósito”. E é aí que eu não sei por quê, a excitação e o álcool eu acho, mas eu sussurrei em seu ouvido:

-“Não, fique!” isso me excita”, essas palavras saíram da minha boca sozinhas como se tivessem escapado, eu não podia acreditar no que tinha acabado de dizer. Laura olhou para mim um pouco estranhamente, mas permaneceu em seu lugar.

A partida havia recomeçado, ainda com o mesmo clima do público. Eu, do meu lado, tive dificuldade em me concentrar na partida porque não conseguia tirar os olhos das nádegas do meu querido. Imaginei as mãos do “velho” pousando novamente sobre essas duas formas.Nunca antes pensei que ver Laura sendo manipulada me excitaria e mais ainda.

Um torcedor fez seu caminho para ir aos banheiros, o que levou a um pequeno movimento da multidão na nossa altura.

Olhei para as nádegas de Laura, e então vi a mão do velho pousar claramente no traseiro da minha namorada. Não durou muito, mas desta vez ele fez mais do que tocar, ele amassou a sua bunda. Sua mão inteira pousou nas calças apertadas e houve até um pequeno movimento de seus dedos.

A nádega direita de Laura ficou então ligeiramente deformada sob o toque dessa mão estrangeira. O homem trinta anos mais velho que Laura, agiu como se nada tivesse acontecido e até falou com a filha, que não tinha visto nada, assim como o resto do público em outros lugares. Laura me olhou direto nos olhos, eu sorri para ela, ela sorriu de volta e nos beijamos.

Observei o homem, acompanhei a trajetória de seus olhos. Ele estava assistindo ao jogo, mas de vez em quando seus olhos se afastavam do jogo para mergulhar na bunda da minha amada. O homem não tinha a menor ideia de que eu tinha notado seu joguinho, eu não aguentava mais, meu pênis estava comprimido nas calças, ele tinha que estar pelo menos no mesmo estado que eu.

O primeiro intervalo estava se aproximando, faltavam apenas alguns minutos. O homem de 50 anos ainda estava ao lado de Laura, tive a impressão de que estavam colados um ao outro, na verdade não estavam mais colados a ele e a ela do que eu a ela, estávamos todos colados ao nosso vizinho de fato . Sua mão estava pendurada ao lado de Laura, ela estava se aproximando cada vez mais desse terreno agora familiar.

Esse pervertido aproveitou que todos estavam atentos nos últimos 30 segundos – inclusive sua filha – para colocar a mão novamente na nádega direita da minha namorada, dessa vez ele a deixou por alguns segundos e amassou delicadamente. Laura, ela se soltou e assistiu ao jogo. Após 10 segundos desse tratamento, Laura baixou a mão e acariciou a do velho com um leve movimento para significar para ele desta vez de certa forma sua concordância. A campainha tocou para a pausa e o homem rapidamente tirou a mão.

Laura me beijou novamente e decidimos ir buscar algo um para o outro beber e principalmente conversar sobre o que havia acontecido. Tomamos mais 1 cerveja cada, sem dúvida para apimentar um pouco mais esses momentos.

“Eu tenho uma ereção como um louco” eu disse a ela.

“Você viu como ele tocou na minha bunda” ela jogou para mim animadamente, eu acenei para ela e ela acrescentou

-“Estou tão molhada meu querido, acima de tudo, não leve a mal. Podemos parar tudo e ir assistir ao jogo em outro lugar, se você quiser.

Mas a situação realmente me excitava.

-“Você sabe que a situação me excita também e eu não levo a mal, afinal fui eu quem quis o que aconteceu eu te amo” finalizei.

Eu a peguei pela mão e a levei de volta para onde estávamos antes. O velho ainda estava lá com sua filha. Rapidamente bebemos nossas cervejas e a partida recomeçou. Durante os primeiros 10 minutos as mãos do homem permaneceram quietas onde estavam e, além de alguns olhares furtivos, nada aconteceu. Fiquei decepcionado e pensei que o joguinho tinha acabado. Laura olhou para mim e me deu um tipo de sorriso que, eu só percebi depois, significava “você quer que a gente continue jogando? Eu devolvi. Pouco depois vi minha querida fazer uma espécie de pequeno movimento da pélvis e discretamente esfregar as nádegas nas pernas estendidas do homem.

Ele reagiu imediatamente e, sempre discretamente, começou a acariciar a coxa direita de Laura. A garota, que estava do outro lado do homem e assistindo o jogo, ainda não viu nada. Eu do meu lado, olhei do canto do olho para não ser visto. O velho não parava de levantar a mão um pouco mais alto e agora alcançava a braguilha da calça de Laura…..fazendo pequenos movimentos circulares.

Laura fechou os olhos e seu rosto expressou prazer, ela mordeu o lábio. Vi que Laura fazia pequenos movimentos para a frente para intensificar ainda mais o prazer do tratamento que aquele pervertido lhe fazia sofrer. Os dedos do velho estavam pressionando a frente da calça e esta teve que pressionar o clitóris de Laura porque a cada movimento dos dedos ela tinha um leve espasmo. O passeio deles estava começando a ficar um pouco conspícuo e é provavelmente por isso que o homem de 50 anos retirou a mão.

Naquele momento minha cabeça ia explodir, essa enxurrada de ciúmes e excitação me levou ao fundo dos meus nervos….. tudo aconteceu de forma extremamente rápida. Tão rápido que nem tive tempo de me perguntar se o que aconteceu depois era realmente o que eu queria.

O homem disse algo para sua filha e deu um tapinha na bunda de Laura ele caminhou em direção à saída onde ficavam os banheiros Eu já tinha entendido completamente seu plano, mas antes que eu pudesse pensar se eu realmente queria isso, minha doce metade já havia saído para os banheiros sem nem me consultar, pior, sem nem olhar pra mim. Eu estava paralisado, meus músculos estavam paralisados, minha cabeça não estava mais funcionando, havia tantas perguntas passando por isso. O que eles iam fazer? Fiquei excitado, mas imaginando minha namorada de joelhos, chupando um homem muito mais velho, ela estava me deixando tão duro.

Eles desapareceram por mais de 10 minutos. Escusado será dizer que os minutos pareceram horas e que já não estava muito atento ao jogo. A filha do velho que ainda assistia ao jogo tinha a mesma paixão e não parecia se importar com a ausência do pai.

Eu vi Laura voltar, o velho ainda não estava lá. Ele voltou apenas alguns minutos depois com duas bebidas, no caso de sua filha perguntasse onde ele tinha ido. Laura veio ficou na minha frente, então eu a peguei em meus braços.

Eu tinha que descobrir rapidamente, finalmente descobrir o que ele tinha feito com minha namorada. Sua boca veio para grudar na minha, nossas línguas se encontraram. Senti sua língua girando em torno da minha como se minha língua fosse um falo. Paramos de nos beijar e fingimos assistir ao jogo. Baixei a mão até a entrada da calça de Laura, com a outra abaixei sua jaqueta o máximo possível para esconder a penetração da minha mão em sua calça.

Chegando lá dentro, primeira surpresa, Laura não tinha mais o string. Eu então entro 2 dedos em sua pequena fenda molhada para encontrar qualquer vestígio de penetração, sua buceta estava encharcada, mas não me parecia que ela estivesse dilatada o suficiente para que ela tenha sido penetrada. Não podendo mais duvidar, então sussurro em seu ouvido:

-“Você chupou? “. Ela então balança a cabeça negativamente. Então decido verificar a terceira possibilidade sem acreditar muito, passo a mão para trás, enfio os dedos entre suas nádegas e suas calças. Meu dedo indicador pousa em seu cuzinho, noto que estava molhado, então empurro alguns centímetros e noto que o ânus de Laura estava dilatado, dilatado como nunca esteve.

Meu dedo não teve problemas para entrar fundo na bunda da minha namorada, o canal estava pegajoso e dilatado até as profundezas….fiquei louco !!!!!

Laura me contou mais tarde ao chegar a casa que o velho a esperava do lado de fora do banheiro. Que eles entraram juntos sem falar….depois de ter fechado a porta ele a chamou de vagabunda e a despiu brutalmente. Ele então a apalpou com força que a fez estremecer de tesão. Ele então introduziu um dedo na sua fenda, mas não demorou muito.

“Ele só estava interessado na minha bunda, ele só queria foder o meu cu”, ela me disse… Ele então a colocou de quatro e lambeu seu ânus rapidamente e perfundamente fazendo delirar a minha namorada com esse tipo de caricia ,sem demora Ele então se sentou no vaso sanitário e pediu a Laura que se sentasse nele, enquanto abria as suas nádegas.

Laura me confessou que o pau enorme do velho (como ela chamou) tinha dificuldade para entrar, por isso ele ficava pressionando as mãos na minha namorada para forçá-la a sentar no pau dele apesar da dor que a atravessava.

Aquele velho pervertido literalmente perfurou o seu cu. …a minha namorada confessou-me que sentiu dor no inicio,normal o seu cararalho era bem mair que o meu mas o álcool ainda fez o seu efeito e a ajudou a apreciar essa sodomia brutal…passados uns segundos o Seu ânus estava bem dilatado e ela começou apreciar e a gemer. Naquele momento ela se sentiu cheia como sempre, ela realmente teve prazer.

O homem se contorceu e Laura sentiu seu ânus encher até o fundo. Ela nunca tinha experimentado uma dose tão grande de porra invadindo-a. O pênis que estava no fundo dela, a impulsionou uma dúzia de jatos que foram para alinhar as paredes de seu reto. Depois de alguns segundos de descanso, Laura se levantou, retirou-se do pênis já meio macio. O velho se vestiu, pegou a calcinha de Laura no bolso e saiu sem dizer uma palavra a ela.

-amor voçê quer ver o estrago que ele fez??!!,

– sim estou morrendo de desejo…

– vem aqui amor deita aqui na cama, deitei e ela me disse:

– vou por na tua boquinha, subiu na cama, ficou de joelhos, foi pra cima da minha cara, e encostou a bunda dela bem na minha boca…

– ahhhhh amor o meu cuzinho està cheinho de creme de leite, bebe, ahhhh sua lingua està uma delicia…

,,, e ela continuou a esfregar o seu cuzinho na minha cara e a falar…

– lambe, chupa, bebe o creminho de leite é todo seu.

Eu estava com tesão a mil, chupei à vontade por fora , depois meti a lingua,aos poucos a porra foi saindo à medida que ela forçava lambi e bebi tudo… enlouqueci e ela também, ela gozou fortemente na minha boca, fui às nuvens.Lambi e bebi toda a porra da foda dela com o velho….

– ai amor voçê me matou….nunca pensei fazer isso um dia!!!!

– levar no cuzinho com um caralho que não o meu?

– não…confesso que adorei ser estrupada naquele banheiro mas foi o facto de tu lamberes o meu cuzinho cheio de porra que me excitou mais…..eu sempre tive essa fantasia!!!voçê gostou do gostinho?

– não é assim tão ruim….mas o importante é o teu prazer…

-sabes amor, eu gostava de fazer uma coisa louca….

Começou a bater uma punheta bem lenta e enquanto batia me beijava ,ja não estava aguentando mais e disse a ela que iria gozar, ela então abriu a boquinha perto do meu pau e no primeiro jato de porra ela colocou a boca toda no meu pau e foi chupando lentamente até sair todo o meu leite.

Ela olhou pra mim com a boca cheia deu um sorrisinho e veio em minha direção e me beijou, nossa foi incrivel, eu ali beijando ela, sentindo a sua lingua e a boca toda molhada com a minha porra, até escorria pelos lados, foi muito bom ! Apartir daquele momento a gente acaba sempre as nossas fodas da mesma maneira , nos beijando partilhando a minha porra!!!!

Não me considero gay… quando ao beijo com esperma acho que todo homem deveria fazer isso se sua mulher topar, vejo homens por assim que tem nojo de beijar a sua mulher depois de serem chupados, acho o fim do mundo isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.