Sendo Corno por acaso

Olá Me nome e Lucio e sou casado com Rita, uma mulher maravilhosa a mais de 20 anos
Nas férias de Julho por indicação fomos conhecer Monte Verde Procurei na Internet e achei um Hotel Chalé muito aconchegante, fiz as reservas e no sábado pela manhã partimos para Monte Verde.
Chegamos por voltas das 10,00Horas, deixamos nossas malas no Chalé e fomos conhecer o centro da cidade depois entramos num pequeno restaurante para almoçar.
Na mesa do lado, sentou um senhor de uns 48 anos bem afeiçoado, nos cumprimentou e puxou conversa nos falando do vinho que a casa tem ser uma delícia e com aquele friozinho a gente iria gostar, agradeci e como goto de conversar estiquei o papo.
Quando acabamos de almoçar já ficamos mais conhecidos, seu nome era Paulo, estava no mesmo Hotel que nós, era viúvo com duas filhas e tinha algumas lojas em Belo Horizonte.

Sexo Telefone

No caminho me disse que lá pelas quatro, iria voltar para a cidade para assistir ao jogo do Brasil, minha esposa perguntou por que não assistir no Hotel e ele disse a ela que o quarto que ele estava devido estar na baixada não pegava a globo, minha esposa disse que no nosso Chalé pegava perfeitamente e se ele quisesse poderia vir assistir comigo e eu afirmei se ele quisesse poderia vir e com muita educação perguntou se não iria atrapalhar e dissemos que não.
Quando foi por volta das 15,40h ele bateu na porta, minha esposa estava dormindo entrou sem fazer barulho e se sentou em um sofá na lateral da cama e eu sentei junto com ele.

O jogo começou e entretido no jogo não percebi que minha esposa se virou de costas para nós e deixou aparecer suas pernas e um pedaço da bunda, mais o Paulo percebeu e começou olhar discretamente e só percebi quando ele ficou excitado e começou passar a mão no seu pau, que estava bem duro, comecei a olhar meio discretamente e me contemplei com ao tamanho do seu cacete, ele percebendo que eu estava com tesão começou a mexer mais e eu não consegui me segurar, comecei a fazer o mesmo, ele levantou sua mão apertou meu pescoço desceu a mão para o meu braço e como viu que eu não reagi, pegou na minha mão e colocou no seu mastro me fazendo apertar, depois desabotoou sua calça colocou para fora e me deixou apavorado imaginando minha esposa acordar mais ele insistiu, pegou um travesseiro colocou em seu colo e me fez punhetar aquele cacete grosso e imenso, olhando para as cochas da Rita.

Quando estava bem hesitado levantou do sofá deitou- se na cama ao lado de minha esposa começou a acaricia-la e em um determinado momento colocou aquele cacete no meio de suas pernas e ela percebendo que não era eu quis se desvencilhar e ele a segurou com as duas mãos em sua buceta e como ela começou me chamar e pedir para solta-la ele a largou e ficou apavorado, ergueu sua calça e saiu apressadamente.
Quando ele saiu minha esposa começou me xingar me chamando de covarde viadinho, como eu poderia deixar e não reagir e me mandou sair do quarto.
Não sabia o que fazer, sai e fui até a frente do Hotel e logo chegou o Paulo se desculpando do que ele tinha feito e que estava morrendo de vergonha pois era uma pessoa descente e que gostaria de pedir desculpas para minha senhora para depois encerra a conta e ir embora

Voltei para o quarto, perguntei se ela estava ainda nervosa e expliquei o que havia realmente acontecido, que ela havia virado de lado de costas para nós deixando suas coxas e sua bunda descoberta, isso deixou ele excitados, ela me disse que mesmo assim eu deveria ter a defendido, mais eu disse que vi o tamanho da ferramenta dele encostando em você e me deixou paralisado ela deu uma risadinha e admitiu que realmente sentiu que o cacete do Paulo era grande e grosso, disse a ela que ele estava arrumando as malas de vergonha do que fez e queria se possível se desculpar antes de ir.
Rita riu para mim me chamou de corninho, disse que aceitava as desculpas do Paulo e pediu para eu ir chama-lo. Fiquei super contente da decisão da minha esposa para acabar com o acontecido.
Quando Paulo chegou, minha esposa perguntou se ele estava arrependido do que fez e Paulo disse que estava envergonhado, mais não arrependido, pediu desculpas para Rita e esticou sua mão e Rita puxou ele para ela e lhe deu um puta beijo que me fez morre de ciúmes.
Imediatamente ele começou acaricia-la passou a mão na sua bunda depois em seus seios ela abriu sua calça puxou para fora seu cacete e começou a masturba-lo ate ficar duro, eu não acreditava no que estava acontecendo tirou sua roupa jogou ele na cama e e começou a querer penetrar em sua bucetinha, mais ele não conseguia fazer entrar ela sentia muita dor, mais aos poucos foi entrando e minha esposa quase desmaiou e depois de acomoda-lo começou rebolar naquela pica como uma cadela depois ele a virou de posição de frango assado e fodeu muito forte
Minha esposa gemia naquele cacete e gozava como doida, até ficar toda molinha ele de um urro muito forte e gozou como um toro e desfaleceram juntos, mais ele não tirou seu cacete de dentro dela.
Vi tudo aquilo sem falar uma palavra
Quando se recomporão ele comentou com a Rita que hoje ela tinha feito sexo com um homem de verdade, Rita olhou para mim e me fez concordar e ele começou a bombar novamente e o tesão dos dois voltaram até ele gozar novamente e só assim saiu de dentro dela.
disse que adorou ter comido minha mulher que ela era muito gostosa e precisava de um cacete de macho mais que tinha certeza que ela me amava muito, se trocou e foi embora.
Assim que fechei a porta minha esposa me chamou me disse que me amava muito e que isso seria insubstituível que eu era um homem maravilhoso, ela pegou no meu pau e começou e masturbar bem devagarinho e eu enfiei a mão entre sua pernas, senti o quanto ela estava melada do esmem do Paulo e aquilo me deu um baita tesão que tirei a mão e chupei meus dedos todo melado. Rita ficou admirada e me perguntou se eu havia gostado, balancei a cabeça que sim, beijei tanto minha esposa adorei fazer amor com ela toda larga.
A noite saímos para passear e tomarmos um lanche e encontramos o Paulo andando no centro e logo veio ate nós como se nada tivesse acontecido e acabamos tomando um vinho juntos e quando voltávamos para o hotel ele me pediu se poderia leva a Rita para dormir com ele, fiquei sem voz e a Rita me perguntou que só iria se eu deixasse, perguntei se ela estava a fim e ela balançou a cabeça positivamente.
Ainda no Chalé perguntei para Rita se ela realmente queria e ela me disse que adoraria dormir com ele mais se eu estivesse arrependido ela não iria e foi tomar um banho, não dei a resposta na hora para ela quando saiu do banho deitou na cama e pegou no sono.
Eu por sinal não conseguia tirar da minha cabeça o Pedido do Paulo e quando deu 22,30 tomei minha decisão, acordei minha esposa e falei que iria leva- la para o Paulo, quando ele abriu a porta envolveu ela em um abraço e me disse que a entregaria ela as 9,00h para tomarmos cafe juntos
A noite não passava, eu imaginava ela entrando novamente naquele cacete enorme as no quando el chegou estava desconcertada, ne disse que ele fez de tudo com ela e ate começou forçar comer seu cuzinho mais que não conseguiu, disse a ela que foi bom pois ela não iria aguentar aquilo tudo no rabo.
Se trocou e fomos aproveitar o café do Hotel e la estava o Paulo todo feliz, ao sairmos dali fomos para um jardim e o Paulo já saliente abraçou minha esposa e me disse que ate na terça feira ele iria dormir com ela pois precisava terminar o que havia começado, isso me assustou mais Rita me implorou para deixar e nos três últimos dias eu levava minha esposa até seu quarto e na quarta-feira pela manhã quando ela voltou me disse que ele havia quebrado seu cabaço anal que doeu muito mais foi maravilhoso.
Ele foi embora e Rita me perguntou se foi verdade que eu bati uma punheta para ele no dia do jogo e eu afirmei que sim.
Nos ultimos dias de nossas ferias nos amamos muito, mais ela começou me chamar de corninho viado em todas as nossas transas.

2 Replies to “Sendo Corno por acaso”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *