Imaginando ser corno

Adoro fantasiar que minha mulher está sendo possuída por outros homens. Imagino negros com cacetes enormes fodendo ela com velocidade enquanto ela grita de dor e de prazer. Imagino dois agricultores incultos (tenho nível superior e ela está fazendo seu curso agora) se divertindo, comendo-a por todos os buracos e esporrando feito animais em sua cara, enquanto ela me chama de corno.

Minha esposa é deliciosa: tem 1.60m, meio morena, de cabelos longos, um rabo de parar o trânsito, uma xereca carnuda, com lábios vaginais que ficam pendurados (dá até para morde-los com os dentes), é dengosa e puta na cama. Infelizmente ela não me dá mais o cu; diz que não suporta levar minha vara de 16cm (não é pelo tamanho, é pela espessura; confesso que sou meio ajumentado neste quesito) no rabo. Mas eu sonho com um homem mais avantajado do que eu penetrando seu cuzinho com fúria, enquanto ela grita e diz que não dá.

Só leio e comento os contos que tratam de assuntos assim. Sei que jamais vou desejar ver isso na prática, apenas na fantasia.

Quantas vezes vejo filmes pornôs e imagino que ela é a personagem fodida por outros homens. Torço para que ela imagine o mesmo (se não me trair na prática, pode me trair na imaginação).

Já pensei em confessar isso para ela (que sou um corno virtual), mas não tenho coragem.

Amigos que lêem a Casa dos Contos, comente este texto e me digam se chegarei à prática, ou seja, entregar minha gostosa de bandeja pra outro só para vê-la gemer em outros cacetes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *