Dupla traição

Ele me agarrou com força pelo braço e me empurrou contra a parede, apertando meu pulso em minhas costas. Senti o calor de seu corpo se aproximando e o hálito de cigarro em meu rosto, quando sussurrou em meu ouvido:

– O que estava vendo no meu telefone, hein?

– Vi que você compartilha fotos da minha mãe com seus amigos, seu puto! – Eu disse tentando parecer corajosa, mas estava com medo que ele me machucasse de verdade. Rogério era o nome dele e era namorado de minha mãe. Ela ficou dois anos sozinha, viúva, e agora estava feliz namorando com um cara que na verdade era um grande safado.

– O rosto dela não aparece! – Ele sussurrou enquanto passava a outra mão sobre meu shorts e apertava minha bunda. – Só o meu aparece. E o meu pau! Gostou de ver meu pau? Eu saquei qual é a tua! Cê é bem putinha mesmo, não é?

Ele disse isso já cheirando e beijando meu pescoço e também movendo o quadril como se tentasse me penetrar por trás, o que me lembrou que ele estava só de toalha, saindo do banheiro de minha mãe, quando me flagrou bisbilhotando o celular dele.

Forcei para me soltar, o que foi fácil, mas ele logo me segurou novamente e me empurrou mais uma vez para a parede, mas agora eu estava de frente para ele.

– Eu vou contar tudo para ela. – Eu disse tentando novamente me soltar, movendo o braço que ele não segurava e também minhas pernas. Na confusão acabei derrubando a toalha que estava presa na cintura dele, fazendo sua rola meia bomba bater em minha barriga.

– Se queria ver ao vivo, era só pedir! – Rio baixinho e se abaixou para me beijar à força. O gosto de cigarro veio junto com sua língua, que encontrou a minha quando tentei mandá-lo ir à merda!

Por mais absurda que fosse, a situação me deixou com tesão. Rogério era um coroa gostoso, em forma e sua rola ficando dura entre minhas pernas iria acabar me deixando molhadinha. E na real, ele não estava com raiva de mim, devia ter medo que eu o dedurasse para minha mãe. Acho que por isso quis me tornar cúmplice de nossa traição. Então acabei cedendo e me entregando ao beijo e nossos braços envolveram nossos corpos, num abraço apertado.

Deixei que ele puxasse meu shorts para baixo, se abaixando na minha frente e dando uma lambida sobre minha calcinha. Quando ele começou a puxá-la também, fiquei um pouco preocupada, olhando para a porta do quarto, pensando que logo minha mãe estaria em casa, voltando da padaria.

Me distraí com meu medo e quando me dei conta já estava sendo chupada por Rogério. E que chupada! Ele penetrava sua língua em minha boceta e depois sugava com força meu grelinho, deixando minhas pernas bambas enquanto eu segurava seus cabelos grisalhos com força. Levantei minha camiseta e a visão de meus seios o inspirou ainda mais. Com uma das mãos ele se masturbava, deixando a rola cada vez mais dura, preparando-a para o que poderia ter vindo logo depois.

Mas então o telefone tocou. Medo e desespero. Paramos rapidamente o que estávamos fazendo. Vesti às pressas meu shorts e fui correndo atender. Era minha mãe avisando que o portão do prédio estava trancando novamente. Ela precisou deixar o carro lá fora, antes de subir e encontrar o namorado assistindo tv na sala e a filha no quarto pensando no quanto toda essa situação foi perigosamente excitante e com gostinho de quero mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.