Minha namorada terminou comigo e eu me vinguei com duas safadas

Nós namorávamos a anos, e de repente ela resolveu terminar comigo. Não vou mentir, sofri e chorei muito, mas, no fundo, eu estava animado para comer outras mulheres. E logo eu estava no Facebook mandando mensagem para toda mulher que eu me interessava, para ver se alguma mordia a isca. Consegui fazer sexo virtual com duas amigas, recebi nudes, mas no fim das contas não passava disso.

Até que, quando eu menos esperava, uma me responde. O nome dela era Fernanda, e para a minha sorte, minha namorada odiava ela. Eu tinha 20 anos, e ela 21. Minha namorada é branca, tem peitos grandes e a bunda pequena, sem muitas curvas. Fernanda, no entanto, é negra, cabelo crespo, magrinha, e usava roupas mais discretas. Até então, eu desconhecia de suas curvas.

Comecei a contar que terminei o namoro, para ela entender o que eu queria, e em pouco tempo ela já estava se insinuando para mim. Marcamos de nos encontrarmos na praça. No começo eu estava meio travado, mas dei um beijo para quebrar o gelo, e chamei ela para dar uma volta. Era apenas uma desculpa. Entrei com ela em uma rua escura, quase um beco, e começamos a nos beijar.

Eu empurrei ela com força contra a parede, passei a mão nela, chupava sua língua como se estivéssemos prestes a fuder. Continuamos por muito tempo, até passou um carro e gritou para a gente, e ela nem ligou. Infelizmente, ela teve que ir correndo pegar o ônibus. Que beijo! Logo, marcamos de “assistir” algo aqui em casa. Tinha certeza do que ia acontecer. Ela chegou, e já a levei para o meu quarto, onde a televisão estava ligada, e já veio deitando comigo na rede.

Estava de vestido, e quando comecei a chupar sua língua, o vestido subiu, e ela falou: – Olha só! Minha roupa já está lhe ajudando. – Tirei o vestido, e já caí de boca em seus peitos. Eram peitos durinhos, firmes e grandes; uma delícia. Sua cintura era fininha, muito magrinha, e ela rebolava muito gostoso por cima da minha roupa, em cima de mim.

Então tirei a roupa e a coloquei de joelhos. Já tirei o pau para fora, colocando na sua cara. Ela nem exitou, e já foi engolindo a minha piroca. Tenho um pau de 18 cm, e para ela que devia ter 1,50 m, quase não cabia na sua boquinha. Não demorou muito, já coloquei de costas contra a parede, e meu Deus do céu! É a maior bunda e mais redonda que já vi na cama! Como que essas roupas escondiam isso? Comecei a meter nela em pé, então fomos para a rede para ela cavalgar no meu cacete. Levei ela para minha cama, e me deitei por cima dela fudendo com força.

Foi uma delícia jogar todo o peso do meu corpo contra o dela, deixando ela totalmente sob o meu controle. Metia fundo enquanto olhava para sua cara de putinha, e chupava sua língua. Então a coloquei de lado e comecei a fuder com raiva, e batendo em sua bunda, puxando seu cabelo. Gosto de dominar. Gozei na sua bundinha, e ainda a chupei muito. Fudemos muito mais, e ela veio para minha casa mais vezes, depois daquele dia.

Quando penso que não podia melhorar, vejo no meu Facebook outra notificação, umas duas semanas depois. O seu nome era Lívia, e ela tinha 15 anos. Bem branca, com cabelo levemente encaracolado, e diferente de Fernanda, claramente via suas curvas. Tinha peitos grandes, cinturinha, coxas grossas, e uma bunda gigante e maravilhosa. Sem falar que usa óculos de nerd, o que a deixa com mais cara de safada ainda. De cara, ela marcou de nos encontrarmos, adivinhem… para “assistir” também, e em sua casa.

Ela mora só com sua mãe e seus dois irmãos. Nessa noite, para minha alegria, sua mãe e seu irmão mais velho estavam fora de casa, e ela ia ficar sozinha com seu irmão mais novo. Fui correndo para lá, e sem muita enrolação, já fui agarrando aquela vagabunda. Que boca deliciosa, seus peitos, apesar de serem muito grandes, eram bem duros e firmes, fiquei um bom tempo chupando, chupei sua buceta, e então me deitei na sua cama para ela chupar meu pau.

Um boquete sempre é bom, mas… Meu amigo! Nem se compara com o boquete da Fernanda, aquela boca é maravilhosa. Enquanto com Fernanda eu fui muito breve, eu queria aquela boca no meu pau a noite toda. Ela engolia ele inteiro, já estava quase gozando na boca dela, que delícia, e o que me dava mais tesão era saber que era uma novinha, de 15 aninhos, e eu era o macho dela, que o que mandasse ela obedeceria.

Era de madrugada já, e eu estava na casa de uma menina de 15 anos, que eu tinha acabado de conhecer, ela tava engolindo meu cacete, e a mãe dela nem estava em casa. Não tinha como ficar melhor, mas me enganei. Ela ficou de 4, me chamando, e quando olhei para aquele rabo… A maior bunda que eu já vi na vida! Muito maior do que as bundas que costumam aparecer nos pornôs. E era de uma adolescente, de 4 para mim, pedindo a minha rola. Já não queria saber mais de nada, aquela puta ia ser minha. Ia treinar aquela menininha, e transformar na minha puta. Nós não estávamos mais nem nos preocupando com o menininho no quarto ao lado, a cama rangia muito. Eu pegava aquela vadia de 4, metia minha rola com raiva, e comecei a bater muito nela.

Logo percebi que era uma vagabunda que ama levar rola apanhando. Batia com muita força naquele rabo, dava tapa em sua cara, puxava seu cabelo com força, e ela gemia muito alto, pedindo mais. Fudemos a madrugada toda, quando fomos para o sofá. A mãe dela já tinha chegado, e deve ter ouvido a putaria toda, eu judiando da sua filhinha. A mãe dela passou por mim e deu um oi, e não falou mais nada.

Bom, mesmo eu com minha mais nova putinha novinha, bem treinada, Fernanda para minha surpresa, continuou me mandando mensagem, falando que meu pau é enorme e gostoso, e me chamando para fuder ela de novo. Claro que não falei que estava saindo com outra, e continuei comendo as duas por um bom tempo. Durante uns dois meses comi as duas, e quando menos esperava, minha ex começou a me procurar para fuder também.

Fiquei uns dois meses comendo as três putinhas, e nenhuma das três suspeitaram. Hoje eu e minha namorada voltamos, contei que saí com as duas, mas não dei muitos detalhes. Minha namorada é uma puta de primeira, chupa, dá o cu e é muito safada. Ela não transou com ninguém, mas eu fiz sexo virtual, troquei nudes, e comi duas gostosas várias vezes. Valeu a pena! Se ela terminar de novo, já tenho uma lista enorme de quem comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *