A buceta cheirosa da minha mulher

Minha mulher, Ana, e a sua buceta suada e gostosa.

Somos casados há 10 anos. Minha mulher, Ana, e eu vivemos muitas emoções. Somos eternamente apaixonados.
Ana sempre tem muito cuidado com seu corpo. Sempre cheirosa, perfume francês e estas coisas de uma mulher caprichosa.
Em 1996, passamos um final de semana em um hotel fazenda no litoral do estado do Rio.   Num passeio ao mine zoológico do hotel, ficamos admirando um cachorro selvagem lambendo e cheirando a buceta da fêmea com muito prazer. Exalava da cadela selvagem um forte cheiro de sexo.


Assistimos com total interesse, rimos e falamos sobre os perfumes e cremes caríssimos que Ana usava.
Saímos do mine zoológico com a intenção de experimentar o sexo selvagem.         Procuramos um mato escondido e tivemos nossa primeira aventura com nossos corpos suados, sujos. Ficamos excitadíssimos. Foi lindo.
Daí para frente, fomos aumentando as “brincadeiras”. Cada vez mais, praticamos sexo selvagem, sem pudor, sem nojo, sem frescuras. Na nossa intimidade, perdemos todo e qualquer tipo de nojo, um pelo outro.
Ontem foi mais um dia especial que preparamos para nós:
Pela manha, Ana saiu de casa depois de ganhar uma lambidela na buceta e prometer ficar bem selvagem até a noite.

Durante o dia quente de verão do Rio de Janeiro, recebia vários telefonemas onde Ana falava sobre o sabor e o cheiro da sua buceta em cada momento.
No final do dia, para caprichar ainda mais, Ana foi para a academia de ginástica e malhou durante uma hora. Da academia para casa, ela foi a pé para chegar bem cansada e suada. Fiquei em casa, esperando por ela, acompanhando cada passo pelo celular.
Chegou em casa com seu cheiro exalando como uma fêmea selvagem no cio. Iniciamos assim nosso acasalamento apaixonado. Comecei lambendo o suor do seu braço, pescoço e rosto sujo e salgado.
Tirei seu tênis de ginástica, o pezinho molhado de suor foi saborosamente lambido.
Ferozmente, tirei sua camiseta e sutiã, seu corpo ainda bem molhado de suor foi lambido de forma selvagem.   Seus peitos, sua barriquinha, suas costas. Foi delicioso sentir o verdadeiro gosto da minha mulher amada.
Eu me apressei e tirei sua calça de malha de ginástica. Junto tirei a sua calcinha e esfreguei o fundinho da calcinha na cara da Ana. Ela com sorriso me falou que nunca sua buceta tinha ficado com cheiro tão forte. Disse que preparou tudo para nós.
Iniciou assim o melhor da festa. Meu pau neste momento foi direto para a boca da Ana. Eu comecei a lamber suas pernas e já sentia o forte cheiro que exalava da sua buceta, lambi as suas virilhas, molhadas e salgadas de suor. Um forte e selvagem cheiro exalava da sua buceta, antes de lamber, enfiei o nariz, o cheiro de um dia todo de calor, suor, xixi, tudo misturado com seu caldinho lubrificante, o cheiro forte e excitante foi um convite para a primeira lambida.
Minha mulher, como sempre, soltou gritinhos, gemeu, se contorceu e neste momento, se abriu toda, segurando seus joelhos junto ao peito, tudo arreganhado, o cheiro era forte, muito excitante. A primeira lambida iniciei no seu umbigo, fui descendo enfiei a língua toda dentro da sua buceta melada e continuei descendo até encontrar a pontinha da minha língua com o seu cuzinho delicioso. Ana urrava de prazer. Parecia uma cadela no cio e continuava pedindo mais: “Chupe o meu caldinho, meu suor, meu sexo amargo, sinta o meu cheiro de fêmea selvagem, chupe tudo. Quero mais…” lambia ferozmente seu caldinho, chupava tudo…
Fui interrompido quando ela me puxou para um beijo.   Era o primeiro beijo na boca da noite. Ela adorou lamber meu rosto melado com o seu caldinho. Ela diz coisas do tipo: “minha buceta esta suada”, “senti este cheiro o dia todo”, “você é um macho selvagem”.   Ana gozou na minha língua e em seguida, gozei dentro da sua buceta.
Ela ficou de joelho, com a buceta em cima da minha boca. Recebi de volta minha porra, misturada com seu caldo forte. Enchi minha boca de porra, caldinho, suor e ate xixi da minha linda mulher. Acabamos num delicioso beijo.
Sou apaixonado por ela e vice-versa, adoro o seu cheiro, seu gosto e outras intimidades.

somos felizes, muito felizes.

1 Reply to “A buceta cheirosa da minha mulher”

  1. Cara, que relato esse seu! Sempre fui tarado pelo cheiro natural de uma mulher, especialmente aquele que brota do entre-coxas. Ohhhh, cheiro bom! Gosto de xota limpinha mas, com cheiro natural é muito, muito mais gostosa! Minha mulher, no início do nosso casamento, se recusava a abrir as pernas pra mim quando estava sujinha, com aquele cheiro do dia inteiro. Com o tempo ela foi se soltando e hoje transamos mais quando ela está suja, suada, com cheiro de fêmea selvagem. Adoro enfiar a cara no meio das pernas dela antes dela tomar banho, sentir aquele cheiro característico de buceta suja! Ohhh, cheiro bom! Tem dias que eu, pra provocar, mando um zap pra ele dizendo que estou muito cansado e que não vou dar nada a ela, digo pra ela nem pensar em abrir as pernas que eu não vou aguentar. E ela responde: deixe comigo, quando chegarmos em casa vou sentar na sua cara e esfregar minha buceta suja, suada, melada do dia inteiro com aquele cheiro forte que você tanto gosta e aí o seu pau vai endurecer rapidinho! Risos. Ela é muito puta! E basta entrarmos no carro que ela, que sempre usa saia ou vestido pra trabalhar, tira a calcinha e esfrega no meu nariz pra que eu sinta no forro o cheiro da buceta gostosa. Ahhhh, aquele cheiro! Fecho os vidros e ela abre bem as pernas e começa a se acariciar liberando o cheiro forte da fêmea no cio enchendo o carro com seu cheiro de mulher, cheiro de buceta suja sem lavar. Ao chegarmos em casa tiramos nossas roupas, ela me empurra pra cama, me deito de costas e ela vem por cima. Inicialmente fica em pé pra que eu possa apreciá-la de baixo pra cima assistindo a bela bunda que ela abre e mostra o cuzinho… aprecio a buceta que se mostra úmida e ela provoca: quer sentir o cheiro da minha buceta suja, quer? Respondo: quero sim, vem. Ela: quer que eu sente na sua cara e esfregue minha buceta suja no seu rosto? Eu: vem, piranha, rebola essa buceta suja na minha cara… deixe seu cheiro no meu rosto, vem, senta putinha. E ela se abaixa, e senta, e esfrega aquela buceta melada, babada, de cheiro forte e gostoso na minha cara me fazendo sentir o caldo de buceta escorrendo na minha boca. E assim transamos quase sempre gozando um na boca do outro. Ahhh, como é bom vê-la vindo pra me beijar com a boca cheia da minha porra, aquele sorriso maroto como quem diz: vou dividir com você a sua porra, você vai engolir sua própria porra. Ohhhh, delícia!
    Bem, é isso, adoraríamos trocar mensagens via e-mail com vocês, falar das nossas taras, fantasias. Caso queiram aí vai nosso e-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *