Aconteceu no clube de Swing

Olá, sou Ronaldo e minha esposa se chama Silvia, temos 40 anos. Somos casados á 16 anos temos um casal de filhos. Moramos na região de Campinas/SP.
Silvia é uma gata linda, tem cabelos/olhos castanhos, um corpo gostoso.
Há mais de 5 anos nós fantasiamos em nossas transas, uma terceira pessoa , sempre um homem que lhe agrade, fazendo-a gozar.


No principio ela não gostava da idéia, dizia que nunca teria coragem de fazer amor com outro que não fosse eu. Porem, eu nunca desisti, sempre falava sobre assunto.
È uma tara minha, ver ela transando com outro, gozando, sentindo um membro diferente em sua buceta., chupando. Só de pensar eu gozava.

Com o tempo ( por insistência minha ) ela começou a se masturbar e gozava me fazendo corno, eu comprei um consolo e um vibrador, com isso ela fazia a festa.
Em janeiro de 2005 nós criamos coragem e fomos num clube de swing , na via anhanguera.
Chegamos e nos deparamos com uma bela casa, um bar, tipo inferninho transado, excelente para dar uns malhos… Pista de dança central, várias mesinhas, pouquíssima luz, uns casais aqui, outros ali. A recepcionista fez um “tour” conosco – esta é a sala só para casais, esta é a prive, aqui fica para os casais que querem se exibir e esta, ao fundo, é para sexo grupal. O labirinto era o máximo.

Vários casais dançavam na pista central, alguns já estavam trocados. Algumas mulheres se exibiam a procura de parceiros. Desta vez não fizemos nada, apenas ficamos tarados, voltamos pra casa e transamos, com ela fantasiando que estava com outro.
O desejo era tanto que resolvemos retornar. Voltamos a casa decididos que nãp sairíamos de lá sem uma transa. Os demais casais já estavam enturmados, e nós não sabíamos como tomar a iniciativa. Até que resolvemos ir ao labirinto, e começamos a nos beijar deixando sua bundinha linda exposta num buraco.
Não demorou muito ela percebeu que alguém estava tocando sua buceta por trás, ( era a primeira vez que outra pessoa além de mim fazia isso ) ela me falou, “Alguém está te fazendo um corno, você quer continuar ?” eu respondi “É o que mais quero…”.

Era maravilhosa a sensação de beijar sua boca enquanto outro, a fodia com o dedo, ela não agüentou e colocou a mão por traz e começou a masturbar o macho que a estava possuindo.
Ela me disse baixinho. “-Eu to pegando no caralho dele, é maior que o seu”. E ela gemia no meu ouvido.
O novo macho dela disse que queria possuí-la. Ela me perguntou – “Você deixa ele me comer ? “ – Claro”, respondi .
Ela foi ao encontro dele. Eu fiquei mais atrás.
Os dois se beijaram, ela ficou largada nos braços dele, e eu me arrepiei.
Fomos para uma sala grande onde havia uma espécie de cama redonda ( neste espaço transam os casais que querem se exibir ).
Ele colocou Silvia deitada, tirou a blusa, levantou a saia, tirou sua calcinha ( uma calcinha rosa linda, que ela tinha reservado para isso), começou a beijar sua boca, chupar seus seios. Ela estava delirando, e correspondia a todas suas caricias. Quando chegou na buceta, Silvia quase goza, Ela olhou pra mim, me mandou um beijo, e depois só sentiu o cacete de seu novo macho penetrá-la, Ela gemia enquanto sentia as estocadas fortes nas suas entranhas.
Eu não agüentei e fui beijá-la ela correspondeu e me disse; “- Te amo meu corno.”
Eram estocadas fortes, balanceadas, gemidos. Enquanto ele a fodia, um casal veio a meu lado e a garota começou a me chupar. Foi maravilhoso. Outros machos davam o cacete para minha esposa chupar.
Ele tirou o cacete de sua buceta e deu para Silvia chupá-lo, Ela mais que depressa abocanhou aquele caralho enorme, ( depois ela me disse que sentiu sua porra na boca, nesse momento ela gozou ). Enquanto eles faziam um 69, sua buceta estava encharcada.
Silvia gozou duas vezes, a primeira com a língua e a outra com o caralho na buceta.
Ele terminou não gozando. Mas foi uma experiência maravilhosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *