A Minha primeira traição

Engravidei e casei com Anderson. Sempre nos demos bem na cama, ele tem um pinto bonito e me sempre me comeu bem gostoso. Mas ele só tem um pinto, e eu queria mais. Eu passei os 3 primeiros anos de casada fantasiando que estava sendo fodida por outro homem quando ele vinha me comer. Tive 2 filhos nesse período, e fiquei ainda mais gostozona. Nessa época eu trabalhava numa empresa de

informática e eu prestava serviço numa empresa pública. Ficava no centro de São Paulo, perto de um lugar onde prostitutas faziam ponto. Conheci um rapaz naquela empresa que era bonitinho, mas eu me sentia atraída por ele. Sempre que eu passava perto dele, ele vinha cheio de amor pra dar pro meu lado, dizia que eu era uma gordinha linda, que ele sempre preferiu mulheres assim, coisas do tipo. Até que um dia por conta de uma forte chuva acabou a energia do prédio e fomos dispensados. Mas como já disse estava chovendo e acabamos por nos refugiar em um

bar próximo. Lá estavam algumas colegas, alguns colegas e meu objeto de desejo, não era um super desejo, mas meu relacionamento com meu marido estava tão papai e mamãe que qualquer cantada que me levaria fácil fácil pra cama alheia. Naquele final de tarde, São Paulo estava às escuras e chovia muito. Eu estava lá no fundo do bar quando Ricardo chegou perto de mim e disse pra mim se eu queria que ele me enxugasse pois eu havia me molhado um pouco durante o trajeto até o bar. Sorri e ele se sentou ao meu lado, e ficamos conversando amenidades. Ele passou o braço pelas costas da cadeira onde eu estava sentada e pousou a outra mão nas

minhas coxas. O bar estava lotado e eu estava ficando excitada com aquela situação. Os olhares que trocávamos eram olhares cheios de vontade, cheios de tesão. Levantei-me para ir ao banheiro e como estava escuro, ele disse que me esperaria na porta, pois tinha medo que eu me perdesse, mas quando cheguei na porta do banheiro, ele me empurrou pra dentro e fechou a porta. Começamos a nos beijar e ele procurava meus seios por baixo da blusa. Eu ávida por um caralho diferente passava a mão por cima da calça dele mesmo. Ele baixou as calças dele até o meio das pernas e eu me abaixei para chupar o pau dele, e que pau gostoso ele tinha. Ele dizia coisas do tipo “vai minha gordinha puta, me chupa… como você chupa gostoso… que boca maravilhosa vc tem”. Eu gozava só em escutá-lo dizendo aquilo pra mim. Levantei-me e baixei minha calça até o chão e fiquei de joelhos, pois seria o único jeito dele me comer naquele lugar apertado, e para a minha surpresa ele passou a língua no cuzinho e na buceta. Eu pedi que ele entrasse logo que eu queria

gozar num cacete diferente o meu maridinho, que estava prestes a se tornar corninho. Ricardo colocou o cacete na entrada da bucetinha e foi socando aos poucos até que senti que tinha entrado tudo. Dei gostoso a buceta praquele homem e ele me comeu muito bem a xaninha. Antes de gozar ele me perguntou se podia comer meu cuzinho, eu disse que sim e ele tirou da minha buceta e enfiou o caralho

no meu cuzinho. Que delícia que foi ele me fuder no rabo. Ele bombava com vontade e eu gozava muito. Ele disse que ia gozar e gozou com vontade no meu cuzinho. Levantamos daquele chão, ele ajudou a me limpar e saímos daquele banheiro. Por um bom tempo, sempre que saíamos do trabalho trepávamos num hotelzinho bem fuleiro ali perto. Mas eu disse a ele que seria bom termos outro cara junto pois eu gostava de ser duplamente fodida, mas ele não quis e acabamos o nosso relacionamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *