Buceta de casada é uma delícia

Uma das coisas que mais fiz desde que iniciei na vida de putaria foi comer mulheres casadas, na grande maioria das vezes com a permissão do marido. Com 19 anos já tinha uma “namorada” fixa casada, com consentimento do marido, que fodia ela junto comigo as vezes. Depois disso, foram várias, frequentando chat, fórum, redes sociais de swing, sempre tinha algum corno afim de ver a esposa dar pra um mais novo.

Me orgulho de ter colocado chifre em corno de todo jeito possível, sozinho, em menage, em gangbang, na rua, festas… Onde oferecesse a buceta da esposa, eu comia. Com o tempo a sacanagem era tão grande que eu nem ligava da participação do marido, fosse na punheta, lambendo a esposa ou mesmo “interagindo” comigo. Achava até excitando quando botavam a camisinha no meu pau ou lambiam minhas bolas quando faziam 69 com a esposa.

Uma das vezes mais memoráveis foi quando conheci pela UOL o Fernando e a Cíntia (nomes fictícios). Conversamos bastante putaria, até que começamos com as chamadas de vídeo. Primeiro só com ele, punhetando juntos pra um porno. Depois só com ela, assistindo uma boa siririca. Por fim, os dois juntos na cam, acabando numa gozada a três.

Um tempo depois eles me convidaram pra sair e aceitei. Me buscaram de carro e o plano era curtir uma praia a noite, então fui de short e camiseta. Logo no carro, Cintia ja pulou pro banco de trás e me enchia de beijos, enquanto erguia a saia preta curta, sem calcinha. Acabamos começando a festa ali mesmo, com ela pagando um bom boquete enquanto fernando dirigia com a piroca de fora.

Chegamos na praia já com o tesão no máximo. Sentamos nas pedras, bem afastados de outras pessoas, em um local bem deserto e recomeçamos a sacanagem. Eu revezava com ele pra beijar ela, dividíamos doses de bebidas e já estavamos bem alterados. Desafiamos Cintia a ir até o mar nua e voltar. Ela prendeu os cabelos pretos cacheados, tirou o top e a saia e deixou na areia, indo correndo até o mar. Se molhou um pouco e depois retornou rebolando, com os peitos deliciosos balançando. Eu e Fernando com as mãos dentro do short, mexendo nos caralhos duros.

Decidimos ir pra um motel ali perto mesmo, os três.
Caminhamos até o quarto e Cintia se jogou na cama, arreganhando as pernas pro corno. Ele caiu de boca sem pensar, enquanto eu tirava a roupa e colocava meu pau no rosto da puta. Ela mamava minhas bolas e ordenhava o caralho com uma punheta bem lenta. O corno do fernando me deu espaço e foi sentar na cadeira no canto do quarto, e eu pude cair de boca naquele grelo também, lambendo toda extensão daquela xota. E depois de ter dedado cu e buceta e ter chupado aquele grelo e aquele melzinho da xota da Cintia, posso dizer sem duvida que buceta de casada é uma delícia mesmo!

Ficamos um longo tempo no 69 e quando paramos o fernando se aproximou com uma lata de cerveja na mão. Ele bebia e dividia comigo, enquanto com a mão livre ele ajudava Cintia a abrir sua bunda de quatro na cama. Coloquei a camisinha e comecei a primeira trepada na xota da cadelinha casada. Ela gemia no cio e o corno punhetava do lado. Deitei ela na cama, com o corno massageando seu grelo e eu metendo firme.
Depois ela veio por cima, montando pra cavalgar e eu mamava nos peitos daquela puta. Quando estava socando firme, abrindo a bunda dela, ela começou a gemer alto. “O corno tá com a lingua no meu cu!” ela disse. Eu também gemi. “tá lambendo meu saco agora, filho da puta!”
“Além de corno é boqueteiro, chupa a piroca do meu macho, corno!” Cintia rebolava e dizia. Não deu tempo de fazer nada, fernando abocanhou meu pau assim que escapou melado da entrada da buceta e pos na boca. Mamou um tempo, punhetou e recolocou na xota da esposa.
Continuamos a meter, até que ela pediu a porra nos peitos. Não fiz de rogado e esporrei aqueles seios grandes dela inteiros. Claro, o corno veio em seguida e lambeu a gala, cuspindo na boca dela em seguida.
Nós demos uma descansada assistindo canal de putaria e bebendo cervejas, tudo na conta do corno, claro. Cada vez q meu pau endurecia um dos dois abocanhava e mamava. Ainda trepei mais vezes com ela, que liberou até o cuzinho deitada de lado na cama, cena que fez o corno esporrar no chão duas vezes.
Assim foi até de manha, quando me deram carona pra casa, os três exaustos e satisfeitos.

Espero que tenham gostado do conto de hoje, lembrem de votar e gozem bastante na punheta/siririca por aí, até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.