Ela virou putinha de outro

Eu sou muito afim de uma mulher casada, 1,66cm mais ou menos, branca do cabelo preto que trabalha comigo. Ela não tem muita bunda, mas tem um belo par de coxas, quadril largo e seios que eu acho perfeitos. Na empresa tem um cara negro de 1,80cm de altura mais ou menos, que não trata ela muito bem. Zoa ela na frente dos outros, mas ao mesmo tempo dava em cima dela (acho que ela percebia e fingia que não).

Ela reclamava bastante dele, e sempre que estávamos conversando independente do assunto e ela o via chegando ou passando no ambiente mesmo que não muito perto, ela calava na hora, era notório que ficava desconcertada.

Um dia falando sobre alguma das babaquices que ele tinha feito com ela, eu acabei soltando sem maldade, que ele deveria ter muito tesão nela e que tinha vontade de comer ela, que aquilo era só a forma dele de se aproximar dela. Percebi que ela perdeu o compasso, engoliu seco e pensou em alguma coisa rapidamente, já me retrucando que eu tava viajando, que aquilo era nojento. Quando percebi que ela tinha ficado emocionada, me arrependi de ter dito aquilo pra menina que eu gostava.

Alguns dias depois, ela não foi trabalhar segunda e terça. Achei estranho, pois ela nunca faltava. E num desses dias, ouvi o tal cara comentando que tinha comido ela o final de semana inteiro e que a culpa era do corno que só ficava viajando. Meu coração acelerou na hora, engoli seco sentindo muito ciúmes. Pra piorar, ele acabou contando que no domingo, ele conseguiu foder a bundinha dela que era virgem. Que no começo parece ter doído, mas que em pouco tempo ela cavalgava igual puta com a rola atolada no cu.

Eu não acreditava, meu pau não endureceu na hora, mas quando cheguei em casa, meu tesão era só esse. A mulher nem era minha, mas eu me masturbava muito pensando nela dando pra ele.

Quarta ela voltou pro trabalho, completamente diferente, ela que era muito alegre e brincalhona, estava muito sem graça, toda vez que via ele, não reagia, quando ele vinha com zoação, nem pedia pra parar, só ficava de cabeça baixa envergonhada.

No intervalo, quando ficamos sozinhos, perguntei pra ela o que tinha acontecido. Ela sem graça disse que tinha feito uma besteira e que estava muito arrependida, mas preferia não contar. Insisti que contasse. Eu estava um pouco excitado, e mesmo já imaginando o motivo, eu queria ouvir da boca dela, talvez até na esperança que ela contasse outra coisa.

Ela me abraçou e chorando me pediu ao pé do ouvido que não contasse pra ninguém, e que o motivo era que ela tinha ficado com o cara que ela tanto reclamava.

Fiquei com muuuito tesão ao ouvir aquilo da boca dela. Perguntei desde quando e ela disse que tinha sido o final de semana inteiro, pedindo de novo por favor pra eu não contar a ninguém.

Falei que pensava que ela odiava ele, ela disse que realmente odiava, mas não entendia o que tinha acontecido. Não quis me contar detalhes, mas isso eu fiz questão de imaginar do meu jeito quando cheguei em casa. Imaginei aquela moça que eu queria tanto pegar, se entregando pro cara que tratava ela mal no trabalho e posso dizer a vocês que foi um tesão absurdo.

Isso foi no início do ano e até hoje, ela me conta que eles se pegam. Ela fala que queria parar, mas que está muito dominada e que não consegue fazer nada. Um dia ela me disse que ele tinha obrigado ela a ir trabalhar com um plug anal, olha que absurdo. Chego em casa e sempre bato uma pensando nos dois. O marido dela até hoje não desconfia de nada, os dois sempre se encontram quando o corno tá viajando, o que é constante, já que seu trabalho é esse.

Sim meus amigo eu vi de perto um predador ignorante, fazer aquela princesa que eu gosto tanto se transformar em sua puta particular. Já senti vontade de ver ele comendo ela, abrir a bundinha dela pra ele socar e tudo mais.

Eu nunca tive coragem de falar pra ela sobre meu interesse em ficar com ela. Me contento com o tesão que o caso dos dois me proporciona.

Acessem https://ocornomansoo.blogspot.com/?m=1

E-mail [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *