Fodida Deliciosamente No Baile Funk

No meu aniversário de 18 anos resolvi que queria ir a um baile funk comemorar, me jogar no mundo. Tomei um banho, coloquei uma mini saia bem sensual ( não me dei o trabalho de colocar uma calcinha), uma blusinha simples de alcinha, me maquiei e fui pronta para dar muito e me divertir. Sou morena, cabelos lisos na altura do pescoço, uma beleza considerável que sempre chamou atenção na vizinhança.

Aumento Peniano

Fui, com uma amiga, até uma comunidade aqui do RJ que ela disse ser muito boa e ao chegar lá fui direto dançar. Havia um pequeno palco montado dentro de um clubezinho. Entramos, compramos uma cerveja e eu fui para próximo do palco dançar e rebolar a raba enquanto um rapaz moreno, atlético e gostoso se aproximou, me disse que seu nome era Rafael, mas não posso afirmar com certeza e ficamos dançando um pouco

Demos uns beijos ali mesmo e ele me puxou para um canto e continuamos a nos beijar e propositalmente apalpei o pau dele por fora da roupa. Ele aproveitou a oportunidade e pediu uma chupadinha fiquei meio constrangida a principio, mas colo já havia visto outras meninas fazerem o mesmo com os caras eu decidi aceitar. Ele deu uma boa gozada na minha boca e eu engoli tudinho, mas não parou por ai pois ele disse que queria me comer e ficou falando umas safadesas no meu ouvido ao passo que me deixava molhadinha.

Na emoção do momento ele me puxou para o banheiro dos homens e continuamos a nos pegar apesar do lugar feio, fedido, e dos caras nos olhando, à vontade do sexo era maior. Ele me colocou de costas para uma parede e sem cerimonia começou a me foder. Alguns caras paravam para olhar e saiam, outros começavam a se masturbar e isso só aumentava meu tesão, comecei a me sentir uma atriz porno. O Rafael começou a foder meu cú, primeiro só a cabeça do pau, mas depois foi forçando tudo mesmo com meus gemidos de protesto.

Alguns olhares se tornaram passadas de mão da qual eu estava adorando, mas o Rafael não demorou a gozar no meu cú e levantou as calças e foi saindo. Um rapazinho disse que queria me comer, ele devia ter uns 16 ou 17 anos mas um pau grande e grosso o qual não pude recusar mais uma foda, ainda mais que o Rafael nem me fez gozar. Depois do garoto perdi o controle e os caras que lá estavam começaram a me foder um atrás do outro, ignorando todos os meus protestos. Fizeram de tudo comigo, comeram minha buceta e meu cuzinho, fizeram DP até que certa hora eu queria fazer xixi, mas o cara que tava me comendo não queria parar então acabei fazendo xixi no pau dele.

Eu já estava cansada e sentido dores no corpo e nas partes sexuais, para minha sorte os caras começaram a entrar em conflito, um puxava o outro dizendo você ja comeu demais ou deixa um pouco para mim. Um negão se aproximou e começou a me foder, o pau dele era maior que o da maioria dos que já haviam entrado, e esse sim me fez sofrer mais que os outros também. Eu estava arrombada, cansada, machucada e com medo. Depois de alguns minutos mais chegou um rapaz, não muito alto, branco, olhos claros e não sei como conseguiu me tirar de lá.

Só sei que de algum jeito fui parar na casa dele, não era muito grande, era na verdade bem pequena e aconchegante. Tinha um rapazinho no sofá da sala da casa, quando nos viu a primeira coisa que falou foi Vai comer ela irmão? e o rapaz respondeu apenas que sim. Lá na casa ele me deu um banho, algo para comer e beber, mas disse que só me levaria para casa e me devolveria minhas roupas se eu fosse para a cama com ele, o que era mais um se já estava arrombada? Aceitei, mas perguntei sobre o rapazinho, bom fiquei sabendo que meu salvador se chamava Flávio e que o rapazinho era o Elton, que tinha 15 anos de idade e era irmão mais novo que estava morando na casa do Flávio.

Depois do banho fomos para o quarto, e ele colocou para chupa-lo e eu o fiz, depois de uns minutos ele começou a foder minha boceta que estava bastante dolorida. Meus gemidos foram quase gritos, mas o Flavio não se importou, alguns minutos depois o Elton apareceu na porta e ficou olhando a gente foder. Depois de algum tempo eu sei que apaguei, acordei horas depois.

O Flávio devolveu minhas roupas, eu quase não conseguia andar, ao passar pela sala o Elton olhou para o Flavio e disse Tu é o cara mano e o irmão respondeu apenas com um sinal de positivo. Flávio me levou para casa, anotou seu numero de telefone num papel e me deu. Fiz o mesmo para ele, no fim terminamos com um abraço de despedida e ele se retirou. Fui ver o estrago e minha mão estrava facilmente no cú ou na buceta, eu estava completamente arrombada nada que uma hipoglos e uma semana de descanso não dessem jeito.

Depois disso, me tornei grande amiga e amante do Flávio, mas depois conto nossa história com mais detalhes. Beijos amores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *