Loirinha safada viciada em anal

Conheci CP em 2016, no aniversário de uma amiga em uma baladinha. Já na fila nos apresentaram, conversamos bastante e acabamos ficando. Por mais algumas semanas nos víamos e a curtição terminou em namoro! Ambos com 18 anos, na primeira oportunidade de ficarmos sozinho já rolou aquele sexo gostoso. CP é loira, cabelos lisos e longos (quase branco), rosto de boneca, pele branca bem clara, bunda e coxas grandes e firmes (ex-bailarina) e seios médios que eu achava uma delicia até colocar silicone. Além de mimada, CP era uma pouco chata na hora da transa. Não curtia sexo oral, reclamava de dor quando colocava na sua bucetinha, ficava com cara de paisagem quando estávamos transando e parecia nunca ter prazer, e para piorar não me deixava encostar nos seus seios depois que colocou silicone.

Quando já estava ficando de saco cheio da situação, ela resolveu me contar que era viciada em anal. Subi pelas paredes querendo comer aquele cuzinho que nunca tinha nem tocado, pois sempre transávamos no quarto escuro e debaixo das cobertas. Em um feriado, ela me convidou para viajar com os pais para a casa que eles tem no interior do estado. Como a mala da irmã dela não iria, sabia que teria chance de foder bastante já que os pais sempre passavam o dia fora.

Me colocaram para dormir na suíte de visitas e ela ficaria no quarto ao lado. Após a primeira noite na casa, acordei com a porta se abrindo por volta das 5h30 da manhã. Ainda estava escuro e achei que fosse a cachorrinha deles. Nisso CP deita na cama comigo e me manda não fazer barulho. Deitamos de conchinha, meu pau subiu na hora com aquela bunda deliciosa roçando em mim e ela percebeu. Abaixou minha cueca e ficou me punhetando. Aproveitei para colocar a mão na bucetinha dela e apertar seus peitos, brincando com os biquinhos já entumecidos. A xoxotinha dela babava nos meus dedos. Sentia aqueles poucos pelos na minha mão e adorava. Queria muito chupar ela, mas sabia que não ia rolar… Coloquei um dedo na porta do cuzinho dela e fiquei bolinando que começou a rebolar e apertar meu pau com muita força. Não sei como não gozei em tudo.

Ela abaixou o shortinho rosa e enfiado no rabo com o qual dormia, tirou a regata do pijama, colocou a calcinha de lado e disse: “Não faça barulho, e não force, deixa que eu controlo. Nessa posição vai entrar mais fácil e não vou sentir dor, só fique me masturbando desse jeito gostoso”. Ela abriu um pouco aquela bunda deliciosa, guiou meu pau até a entrada do cuzinho e veio empurrando para trás com bastante calma. Quando senti a bunda dela grudar em mim não acreditei que ela iria colocar meu pau inteiro. Senti o corpo dela se arrepiar, ficando com a bundinha pipocadinha e quente. Colocava o dedo dentro da buceta mesmo com 3 dedos meus já lá dentro, chupava seu mel, colocava de novo e colocava na minha boca. Apertava cada vez mais forte seus seios enquanto CP rebolava como uma maluca e abafava os gemidos no travesseiro.

Depois de meia hora ela começou a tremer, tirou meus dedos de dentro da sua bucetinha, virou pra mim e ordenou “Goza agora dentro do meu cu”. Beijou minha boca, socou cinco dedos bem fundo na buceta e rebolava. Explodi dentro dela, soltando litros de porra naquele cuzinho e acho que sai do corpo. Passados alguns minutos, acordei com um tapa dela me mandando esperar e não sabia o motivo. Ai percebi que meu pau amoleceu e estava escapando, ela sentiu dor no rabinho… Levantou correndo e foi para o banheiro. Dormir de novo com ela deitando ao meu lado, dizendo que se limpou e entrou no banho. Perguntei o motivo da demora e ela disse que estava se masturbando mais uma vez com a água forte e quente do chuveirinho. “Experimente, você vai gostar também…”. Fui tomar meu banho, e no banheiro estava a calcinha dela, toda melada e cheirosa. Fiquei mais uma vez de pau duro, me masturbando enquanto sentia o cheiro daquela bucetinha maravilhosa e gozei no chuveirinho que ela tinha socado na xoxotinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *