O dia que minha amante me dominou

Olá, me chamo Flávio, sou casado, 53 anos, um homem comum… Comecei a me relacionar com uma mulher que é um furacão na cama, ela é completa sem frescuras. No início eu estava meio travado e ela também, sabe como, se conhecendo, sem afobação, descobrindo o que o outro gosta, as fantasias ainda não realizadas… Então resolvemos um realizar a fantasia do outro sem pudores…

Ela me falou que gostaria de comprar uns acessórios para brincarmos durante nossos encontros, eu deixei a escolha dos objetos a cargo dela, pois queria ver até onde ela gostaria de chegar.

Determinamos que em um encontro ela faria tudo que eu mandasse e do jeito que eu mandasse, eu seria o Alfa da relação e ela a submissa, e no outro eu seria totalmente submisso a ela.

No meu dia de Alfa, eu colocava uma coleira (de sex shop) e a fazia andar comigo puxando-a, enfiava um plug com um rabo de cavalo em seu anus e a chamava de minha cachorra, dava uns tapas na cara dela, chamava-a de minha putinha, cachorra, safada, ficava de pé enquanto ela chupava minha pica olhando para mim… Comia sua bocetinha em todas as posições, terminava sempre comendo seu cuzinho, quando não gozava dentro do seu cuzinho, gozava em sua boca enquanto ela me mamava, depois nos beijávamos muito e ficávamos namorando abraçadinho durante muito tempo…

Mas, chegou o dia em que eu seria dominado por ela, eu não sabia o que me esperava, pois sempre fui o dominante da relação…

Quando cheguei ela já havia preparado tudo, a ante sala com uma luz fraca, um perfume gostoso pairava no ar, sobre a mesa um bilhete que me dizia “tome um banho, depile a região genital e vá totalmente nu para o quarto me aguardar, ao chegar no quarto existem algumas algemas (de sex shop), coloque uma em cada perna e prenda-a na guarda da cama, a outra prenda seus punhos passando-a por detrás da guarda da cama…

Depois de ter feito o que ela me ordenou, fiquei esperando por ela, o silencio parecia ensurdecedor, os poucos segundos a sua espera pareciam horas…

Quando ela chegou estava linda, luvas negras, meia calça preta, eu pedi um beijo e ela me deu um tapa na cara e me disse que aquele dia eu seria seu, e que eu não abrisse a boca, se não seria pior, fiquei com os olhos arregalados (ela me disse depois rsrsrs), começou passando um óleo de amêndoas pelo meu corpo todo, beijando e lambendo o meu corpo todo.

Eu já estava de pica dura, ela subiu sobre a cama e sentou gostoso em minha pica, sua boceta quente subia e descia da minha pica, ela olhou em meus olhos e disse hoje você vai ser minha putinha, nisso recebo mais um tapa na cara, ela começou a apertar os bicos do meu peito enquanto me cavalgava, com uma das mãos me dava pequenos tapas me chamando de vagabunda, puta, safada e com a outra mão passava óleo em meu saco indo até o meu anus, de repente sinto um dedo aprofundando em meu anus, tentei resistir, quando levo um outro tapa na cara e ela me diz, não feche esse cuzinho não se não vai ser pior. Tentei relaxar, e quando percebi já estava com um dedo dentro do meu cuzinho, apesar de ser desconfortável (pois era a primeira vez), eu estava acostumando com aquilo… Não resisti muito tempo e gozei muito em sua boceta, ela ficou enfurecida, tirou o dedo do meu cu, me deu dois tapas e me falou que eu iria ver o que era bom, pois ela ainda não havia me mandado gozar…

Saiu de cima de mim, sentou-se sobre o meu rosto e mandou eu chupar sua boceta até ela gozar (eu pensei que isso a satisfaria, mas estava enganado), gozou e muito, foi uma mistura da minha porra com os seus sucos vaginais…

Ela soutou-me os pés, virou-me de bruço, tornou a me prende as pernas, não sem antes colocar um travesseiro debaixo da minha barriga, fazendo com que a minha bunda ficasse mais alto. Passou óleo por minha costa deitou-se sobre mim e falou ao meu ouvido, hoje você vai sentir o que uma mulher sente ao dar o cú pela primeira vez, e vai depender de você se vai ser fácil com pouca dor ou a força e com muita dor, novamente meus olhos se arregalaram, meu cuzinho se fechou, eu tentei falar alguma coisa mais senti o estalo da sua mão em minha bunda me mandando-me calar a boca…

Ela saiu de sobre mim, fiquei imaginando o que ela estaria pretendendo, passou mil coisas na minha cabeça, de repente sinto ela ao meu lado e quando viro a cabeça me eto, ela estava com uma sinta, uma pica de borracha do tamanho da minha, porém o dobro da grossura da minha, ela se aproximou, bateu com aquele objeto de borracha em minha cara e falou “abre a boca putinha, e deixa ela bem molhada de sua saliva, para não doer muito quando eu tirar o seu cabacinho”, levei novamente um tapa na cara que me fez despertar e abrir a boca, para ela empurrar aquele objeto na minha boca até eu engasgar, ela riu e falou, não é bom quando você enfia a pica na minha boca até eu engasgar, então hoje é o seu dia de ser puta…

Ela chupou o meu cuzinho, passou bastante lubrificante, e quando vi já estava com dois dedinhos em meu cuzinho, ela colocou mais lubrificante, direcionou aquele caralhão de borracha para o meu cú e empurrou, quando a cabeça passou eu dei um berro, ela tirou a pica, levantou-se e pegou uma calcinha sua e enfiou-me na boca e falou “a putinha tá muito escandalosa, se não todo mundo vai ouvir que estou comendo minha cachorra, vagabunda”, eu com lágrimas nos olhos, ela subiu novamente sobre mim, e direcionou aquele monstro no meu cuzinho e de uma só vez foi empurrando, eu tentava sair, gritar, mas ela com seu peso sobre mim empurrou tudo até ela encostar em minha bunda…

Assim ficamos durante alguns segundos até eu me acostumar com aquilo em meu rabo. Então ela começou a me fuder e eu comecei a sentir algo diferente, um calor em minha bunda, minha pica começou a ficar dura, quando ela viu que eu já estava gostando, ela enfiou a mão e percebeu minha pica dura, tirou a calcinha da minha boca, e enquanto eu gemia ela me fudia e falava que ela era o meu macho, que a partir daquele dia eu iria sempre dar o meu cuzinho para ela, ela me punhetava enquanto me fudia eu tive um orgasmo que quase desfaleci, todo suado, com ela ainda sobre mim e com aquela pica em meu cu, ela me beijava o rosto e me dizia que eu havia realizado a fantasia mais oculta da vida dela, dominar um macho, como ela sempre foi dominada, ela me disse ainda que havia gozado enquanto me comia…

Me desamarrou e continuamos abraçadinhos namorando…

Se gostou sou da região dos Lagos RJ,, quem sabe eu possa realizar sua fantasia… Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.