O primeiro chifre a gente nunca esquece

Oi me chamo Ricardo tenho 35 anos e minha esposa se chama Adriana e tem 36 anos, a história que vou contar aconteceu em nosso aniversario de casamento em outubro desse ano, vamos as características, Adriana tem 1,58 de altura e 50 quilos bem distribuídos, branca, loira no estilo com luzes, bunda redondinha seios médios e bicudos alem de aparentar ter uns 20 anos, é uma ninfeta de 36 anos.
Obs. muitas impressões que tive podem parecer exageradas tipo tamanho do pênis do elemento em questão mas na hora foi a impressão que tive sem conseguir fazer uma analise precisa até pq não tinha nem como rsss.

Mais vamos lá, estamos casados a 11 anos, e como sempre no inicio do relacionamento é aquele fogo absurdo, nós transávamos onde tivesse vontade, carro, escritório, dentro do mar, nas escadas do prédio, garagem do condomínio, traduzindo em diversos lugares, bastava só dar vontade, foram se passando os anos, nasceram nossos filhos, e a quantidade de vezes foi diminuindo como em qualquer casal, a mulher se divide entre os filhos e o marido, e é logico que perdemos de lavada, nossos filhos em primeiro lugar sempre, mais mesmo assim quando

transamos e coisa de louco, acho minha esposa muito gostosa, o melhor sexo oral que já recebi na vida, bucetinha raspadinha linda e deliciosa, adoro passar horas com ela nas preliminares fazendo a gozar chupando ela e masturbando, inclusive temos muitos brinquedos eróticos, as vezes fantasiamos fazendo dupla penetração e ela vai a loucura, goza muito gostoso, de uns anos para cá o sexo que era de duas vezes ao dia se tornou uma vez a cada um, dois, já chegou até a quatro meses sem nada por diversos motivos, comecei achar que ela me traia, fiscalizei o celular, as

redes sociais, ela não sai sozinha, trabalhamos juntos temos uma empresa em sociedade, vamos para o trabalho juntos e voltamos juntos, até a segui nos dias que vai ao salão mais nada suspeito, então resolvi perguntar a ela se ela não me amava mais, se tinha que podia fazer para mudar isso, o que resultou em mais uma transa maravilhosa simulando dupla penetração vibrador na bucetinha e meu pau no rabinho dela. passou o tempo e o paradeiro voltou novamente.

traduzindo depois de velho tenho que viver igual a adolescente se masturbando todos os dias kkkkkk, até que chegou o dia fatídico, em nosso aniversario de casamento fomos a uma pousada no sul da Bahia a beira do mar, minhas esposa que adora prais ficou muito feliz, colocou seus biquínis onde a parte de baixo é minuscula mostrando a sua bunda gostosa praticamente toda. Eu não curto muito praia, mas para fazer ela feliz a levei até ela.

Chegando lá ela colocou a canga no chão e deitou para se bronzear ela até brincou que estava tão branca que iria voltar com a marquinha para nossa cidade, quando do nada apareceu um cara alto bem moreno oferecendo os serviços de tatuagem de rena, eu falei que não, e quando olho para minha esposa ela estava de olho fixo na sunga do cara, meu pênis tem uns 19 a 20 centímetros , mais o do cara devia ter uns 36 praticamente irmão do kid bengala, eu fiquei constrangido e percebi que minha

esposa ficou hipnotizada, dispensei o cara e falei que não curtia tatuagem e que não faríamos, ele insistiu perguntou se eramos da cidade, falei que estávamos em um final de semana de descanso, ele tentou ser simpático falando das atrações da cidade e minha esposa parecendo muito interessada não parava de olhar o pênis do cara, então nos pediu desculpa por qualquer incomodo e se foi, a manha se passou dei a ideia para minha esposa ir na sauna relaxar e enquanto isso eu todo romantico corri

para o quarto para pedir um bom vinho pedir o kit de lua de mel e o almoço no quarto, um detalhe a sauna da pousada não ficava próximo da área de piscina, era aos fundos da pousada como uma casa tipo um quiosque teto de piaçava como uma cabana, cheguei lá querendo dar um susto nela, e quem tomou um susto fui eu quando eu abro a porta ela estava de quatro e o moreno tatuador socando com força uma vara de cavalo na buceta dela, enquanto ela colocava a mão na boca para não gritar, eu congelei não sabia o que fazer, ele puxava pelo cabelo dela e socava com tanta força que fazia muito barulho, estavam em estase que nem me notaram, só conseguir ter forças para correr de láe voltar para o quarto, pensei em mil coisas me divorciar, ir lá novamente e acabar com a putaria, ai pensei em meus filhos, realmente na hora não sabia o que fazer, passou um tempo e ela voltou com a cara

de que nada tinha acontecido, xhwgou toda carinhosa e fogosa, pegou meu pau me chupava feito louca, meu deu o rabinho sentando com tanta força logo ela que sempre sentia dor, transou comigo como nos velhos tempos como um deusa da luxuria, sendo assim resolvi ficar quieto,e ver onde ia dar, pensei foi a primeira aventura dela eu já tive as minhas, não vou acabar meu casamento por isso, bebemos nosso vinho, comemos namoramos mais um pouco tudo ótimo. A tarde saímos para conhecer a cidade tudo normal, já a noite jantamos no restaurante da pousada, fomos para o quarto e ela tava afobada doida querendo transar novamente, pensei é pelo menos o irmão do kid bengala, reacendeu nossa vida sexual, mais achei estranho que ela tava muito afoita doida para me nocautear querendo que eu gozasse logo, resultado bebemos mais vinho e fomos dormir agarrado, deu um

tempo e ela disse que iria tomar um banho por causa do calor, e eu falei que beleza que estava morto de sono que era capaz dela voltar e eu já estar apagado, e foi o que eu fingi fazer, ela tomou banho, se vestiu com roupa que não era de dormir ficou umas meia hora, conferiu se eu estava dormindo e saiu silenciosamente, olhei o celular e ja eram umas duas da manhã, a pousada em silencio dei um tempo e fui atras dela, fui a seguindo ela toda desconfiada olhando para os lados aparentava medo, seguiu na direção da praia, com tudo escuro quase não dava para ver, ela foi na direção de uma cabana onde tinha uma luz fiquei de longe vendo. quando ela chegou em frente a cabana, o fdp do tatuador saiu, e já foi logo agarrando ela, começou a beijar ela a tirar a roupa dela chupar os seios dela, parecia um presidiário a anos sem ver mulher, a atacava com uma fome que eu nunca vi ela chupava os

mamilos dele enquanto o masturbava segurando aquela vara montra que quase não cabia em suas mãos, colocou ela de joelhos e ela abocanhou a vara dele numa cede que pensei que ele iria gozar, eu ficava observando com raiva e tesão ao mesmo tempo, depois de um tempo sai um outro cara, negro aparentava ter uns 1.80 de altura meio barrigudo, na hora que ela viu ela se assustou e começou a gritar, você tá doido eu sou casada e se meu marido ficar sabendo, foi pegando as roupas, o tatuador agarrou ela pela cintura não deixou ela sair ela se debateu ele falou algo o

negão já chegou perto dela com o pau para fora, e se abaixou e começou a chupar os dois, o negão parecia que estava no ciu gemia alto a cada chupada, colocaram ela de quatro o negão falou algo com o tatuador e socou a vara nela enquanto ela chupava o tatuador, ele metia nela urrando parecia que nunca tinha comido uma buceta, ficaram se revesando nela entre a boca e a buceta, ela gemia igual uma cadela eu não aguente e me masturbava feito louco, o tatuado cuspiu no cuzinho dela de 4 e socou o pau de cavalo dele no cuzinho dela, ela deu um grito, e falou soca goza no meu cu, gemia chorava, o negão falou algo e ela sentou com a buceta nele e o tatuador meteu no cu dela, uma dp maravilhosa como fantasiávamos em nossas transas, o tatuador gozou dentro do rabinho dela urrando e o negão nos seios dela, eles gozaram e ela deve ter se acabado de gozar, depois se dirigiram para o mar devem

ter transado mais, porem de onde estava não conseguia mais velos e só ouvi-los. nem sei que horas eram ela se vestiu e veio em direção a pousada, a segui de volta dei a volta na pousada e a encontrei do outro lado fingindo a procurar, ela na maior cara de pau falou que foi caminhar na praia pq estava sem sono, eu falei para ela ter me chamado que era perigoso ela sozinha, falei para ela colocar um biquíni que queria tomar um banho de piscina de madrugada com ela, ela sobio se trocou e fomos para piscina onde comi o rabinho dela na piscina mesmo, percebi a facilidade que meu pau entrava e gozei dentro dela.

terminou o fim de semana, arrumamos o carro, e na estrada falei para ela que tinha presenciado tudo as duas vezes em que ela me traiu, e ela falou que não sabia o que tinha acontecido com ela que foi o vinho e etc, falei para ela que eu a amava do mesmo jeito, que fiquei com raiva por um momento mais que gozei varias vezes me masturbando vendo a cena. hoje transamos como loucos quase todos os dias. e prontos para aprontar mais uma porem com meu consentimento. se gostarem do meu relato, conto mais as outras experiências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.