Amiga Coroa da minha mae me iniciou

Esse conto retrata o inicio da minha sexual e meu apetite por bunda e mulheres mais velhas.
Minha mãe tinha amiga, que era nossa vizinha, vou chama-la de Cleonice. Nessa época, eu tinha 12 anos e Cleonice tinha 39 anos, e já era viuva, e tinha um filho pequeno. Ela se mudou para a casa ao nosso lado, logo depois que o marido faleceu num acidente de carro, e logo minha mãe e ela ficaram amigas.

Eu sempre gostei de ouvir conversas de adulto, então, sempre que chegava visita, eu ficava na sala ou na cozinha ouvindo os adultos conversar. As vezes eu ate falava alguma coisa.
Vi Cleonice várias vezes chorando pelo luto do marido e contando para minha mãe, mas eu via que ela sempre dava uma pausa quando falava “da saudades dele, de ter alguem em casa, na cama….” ela olhava para mim e não continuava a falar. Um dia, eu resolvi ficar escondido, enquanto ela conversava com minha mãe, e logo ela

começou a falar que sentia falta dele na cama, sexo, pegada, pois eles eram muito de criar fantasias, tinha uma vida sexual animada e criativa.
O tempo foi passando e ela ja tinha conversas mais normais com minha mãe. Ate entao, eu nao tinha nenhum desejo nela. Ela era do meu tamanho, 1.60cm, deveria pesar uns 60kg, tinha seios pequenos, e uma bunda grande, muito grande, não era bonita de rosto no primeiro momento, mas depois, com a convivência, virou um detalhe.

Certo dia, ela chegou para conversar com minha mãe, e eu ja estava la sentado, e ele comentou que eu era um jovem bonito, que deveria arrasar na escola, mas que eu era muito curioso, tava sempre prestando atenção nos papos dela com minha mãe e que eu deveria era estar na rua jogando futebol ou azarando as meninas, e ai que tudo mudou, ela emendou: “Essa sua bocona bonita, deve ser muito boa de beijar”. Na

mesma hora minha mae se virou e repreendeu ela, e ela disse rindo que jamais teve nenhuma intenção maldosa. No mesmo dia a noite eu comecei a pensar beijando aquela mulher. Comecei a me masturbar todos os dias pensando nela.
Eu estudava a tarde, e os filhos dela estudavam de manhã. Eu nunca tinha ido na casa dela ate o dia que minha mãe mandou eu ir lá dar uma olhada na TV dela, pois ela tinha ido lá em casa pedir a ajuda do meu pai para ver o cabeamento se estava

conectado correto. Eu fui. Chegando lá, chamei, e ela nao respondeu. Toquei a campanhia, e ela demorou, apareceu com a cabeça na janela do quarto e disse pra eu abrir o portão, pois era só meter a mão por dentro e puxar o trinco. Eu abri, e fiquei esperando ela me chamar pra entrar, mas ela demorou, e depois apareceu e falou que estava na sala me esperando pensando que eu ja tinha entrado. Ela estava só de toalha. Meu coração gelou, mas meu pau endureçeu. Eu entrei e fui atrás dela, filmando aquela bunda maravilhosa, pensando que só havia aquele pedaço de pano entre o paraiso e eu.

Ela me mostrou que a TV nao tava funcionando, e me perguntou se eu sabia conectar os cabos, pois ela tinha comprado um rack novo, e teve que desligar tudo e achava que tinha ligado errado. Eu disse que sabia e comecei a mexer, porem, o espaço entre o rack e a parede estavam pequenos, e perguntei se tinha como afastar um pouco. Ela disse que sim, e começou a puxar, mas o rack era pesado, e nao tava conseguindo. Ela chamou para eu ajudar, e eu comecei a ajudar ela puxar.

Nesse empurra e puxa, a toalha dela caiu, e ela na mesma olhou para minha cara, e meti o olho, mas ela tava de calcinha. Pude ver os seios levemente caidos e pequenos dela, e uma calcinha bege normal. Ela começou a rir, e perguntou se eu nao ia parar de olhar. Ela olhou e viu meu pau duro e disse que ja sabia que eu nao ia

parar, que ela ia ter que colocar a toalha de novo. Eu fiquei com vergonha, tentei ajustar o meu pau, mas nao conseguia e comecei a sair. Ela perguntou para onde eu estava indo, e eu nao respondia e continuei andando, ate que ela passou e ficou na minha frente sem toalha e mandou eu dizer o que fez meu pau ficar duro. Eu nao respondi. Abaixei a cabeça e fiquei olhando pros pés dela.
Entao, eu vi a calcinha dela cair nos pés e ela pegou com a mão, e mandou eu olhar

para ela. Eu olhei e vi um tufo de pelos. Ela mandou eu olhar pro rosto dela e nao para suas intimidades. Eu obedeci, e ela perguntou se eu estava assim por ela ou se era apenas por ver uma mulher nua. Eu respondi que era por ver ela nua. Ela disse que eu estava mentindo, e que tinha percebido que eu já tava começando a secar ela, desde que ela falou da minha boca. E perguntou de novo, entao eu confirmei que era por causa dela. Na hora, ela disse que precisava saber se estava certa, e beijou minha boca. Eu so tinha beijado uma vez antes. Ela começou a chupar meus labios, a

lamber a parte de baixo, e meter a lingua e eu comecei a tentar fazer as mesmas coisas que ela. Foi um beijo molhado, gostoso, quente, de quem sabia o que estava fazendo. Ela me puxou e me abraçou, e eu abracei ela timidamente, ela colocou uma mao minha na sua bunda e a outra na nuca dela e se afastou e disse para eu guiar a cabeça dela com a mao que estava na nuca dela, eu nao sabia fazer, mas segui, e mandou eu acariciar a bunda dela. Nao demorou nem 2 minutos assim e eu gozei na roupa. Sem ela nem tocar no meu pau.

Ela se afastou e perguntou se eu havia gozado, e eu disse que sim. Ela mandou eu mostrar. Eu nao queria, mas ela me forçou. Estava com o pau melado e ainda duro. Ela riu e disse que eu sabia apreciar as boas coisas da vida e perguntou como eu iria limpar aquilo, e perguntei se podia ir no banheiro dela limpar, e ela disse que não. Ela entao se abaixou, chegou perto, olhou meu penis, e abocanhou. E começou a sugar e lamber todo meu esperma.

Eu fiquei extasiado, e ela limpou tudo e disse que agora sim tava limpo, porem, ela olhou pra mim, e ainda segurava meu pau e fazia movimentos de masturbação em mim, e quando ela perguntou se eu tinha gostado, eu na mesma hora gozei de novo, e foi direto no rosto dela, que rapidamente, colocou meu pau na boca e chupava com mais intensidade enquanto meu esperma saia.

Ela terminou, se levantou. Veio me beijar, mas eu me afastei, pq disse que tinha nojo do meu semen. Ela riu, abriu as pernas, meteu a mao por baixo do tufo de pelos da sua buceta, e pegou o liquido dela, e me mostrou e perguntou se eu tinha nojo de liquido de buceta, e eu mal ia abrindo a boca pra responder e ela meteu a mao melada nos meus labios e esfregou e eu pude sentir o gosto de uma buceta na boca. Entao ela me beixou e lambeu minha boca e perguntou se agora eu estava com nojo, e eu disse que queria mais.

Nessa hora ela se virou de costas e encostou na parede, abriu as pernas, e mandou eu colocar minha boca na buceta dela. Eu abaixei e comecei a passar a boca e lamber a buceta dela, na entrada, entao ela me mostrou com o dedo onde eu deveria lamber, que era o grelo dela, e de vez em quando eu descesse com a lingua na abertura para saborear o liquido dela e so entao eu voltava pro grelo. E eu fiz isso, então, o cheio me consumiu. Meu nariz foi parar no cu dela, e eu respirei e senti o cheiro

maravilhoso de um cu, fiquei apaixonado na hora, so que eu continuei fazendo como ela mandou, e uma hora eu subi da buceta ate o cu, e ela deu um gemido mais intenso. Fiz mais duas vezes assim, e na terceira eu parei e comecei a lamber e surgar o cu dela. Ela meteu a mao por baixo e começou a alisar o grelo dela e eu lambendo e sugando o cu dela. Ela so gemia, ate que ela se contorceu nao fez mais barulhos de gemidos, fechou as pernas, afastou a bunda dela do meu rosto e disse que tinha gozado. Eu fiquei feliz e ela olhou pra mim e mandou eu levantar e beijar ela na boca, pq ela queria sentir o gosto do rabo dela na minha boca. Nesse beijo eu gozei de novo.

Entao ela olhou pro relogio e viu que ja era 11:40 e ja era para estar na escola dos filhos dela. Mandou eu ir lavar o rosto, e tentar mexer nos cabos, e ficasse la na casa dela, se eu conseguisse ou nao, era so sair e bater o portao. Eu fui no banheiro dela, me limpei, e la eu tive a ideia de não mexer em nada, e deixar como estava para ter oportunidade de voltar lá.
E eu voltei lá….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.