Encoxei minha prima no onibus

Eu sempre tive muito tesão nessa prima. Eu ja havia transado com outra prima minha, porém essa era a prima q eu mais tinha tesão.

Sempre q ela estava em casa, eu ficava olhando ela tomar banho, e gozava muito só de poder ver ela pelada.

Bom depois dessa época q ela sempre frequentava minha casa, ela se casou. E eu me conformei q não conseguiria mais realizar o sonho de fuder ela.

No dia em q tudo aconteceu, como ela é dentista eu havia marcado um horário pra ela me atender. Nesse dia eu estava sem carro e tive q ir de ônibus.

Chegando la fui pro consultório e começamos a conversar, botar o papo em dia. Ela tava usando um macacão desses de tecido fino por baixo do jaleco, com um decote mostrando bem os peitos. Eu ja não conseguia olha pra outro lugar.

Ela começou a me atender, chegou com os peitos bem perto do meu rosto, minha vontade era botar pra fora e chupar aqueles peitos durinhos.
Bom foi inevitável, comecei a ficar de pau duro. Eu tentava cruzar as pernas pra disfarçar, mas como eu tava deitado só marcava mais ainda a rola.

Não demorou muito e eu vi o olho dela virando e vendo meu pau duro. Ela logo deu aquela olhada desconfiada pra minha cara e fingiu q nada tava acontecendo. Mas ela não parava de olhar.

Ela terminou de me atender, e disse q ja iria embora e se eu podia ajudá-la a fechar o consultório. Fechamos o consultório e saímos. O marido dela tinha saído com o carro dela então ela estava sem carro. Fomos até o ponto de ônibus juntos.

Chegando la, o ponto estava lotado, Não demorou muito e chegou nosso ônibus. Formou uma fila na porta pra entrar, ela ficou na minha frente, e no empurra empurra eu dava umas encostadas sem querer na bunda dela.

Ela nem olhava pra trás e nem desviava. Conseguimos entrar e fomos pro fundo do ônibus onde fica o espaço pra cadeira de rodas. As pessoas foram entrando e fomos ficando cada vez mais espremidos la no fundo.

Ela estava de lado pra mim na minha frente. O macacão dela tava socadinho no rabo e dava pra ver q ela tava usando uma calcinha bem pequena.

Eu não tinha como não olhar ela com aquele tesão q tinha desde pequeno. O ônibus foi enchendo mais e ela foi chegando mais perto, até q eu toquei a primeira vez o pau duro naquele rabo quente. O tecido do macacão era bem fino e dava pra sentir a pele dela.

Ela deu uma olhada pra baixo viu meu pau duro com a cabeça marcando na calça, olhou pra mim e disfarçou. Logo depois ela chegou um pouco mais pro lado e encostou de vez. Mas como ela tava de lado só tava pegando na lateral da bunda dela.

Eu entendi o sinal e comecei a dar umas forçadas. Ela já não conversava mais, só olhava em volta o tempo todo pra ver se alguém estava olhando. Meu tesão era tão grande q isso nem me preocupava.

O ônibus ia balançando e meu pau esfregava nela e tava muito bom. Tomei coragem e fui mais além, coloquei a mão na cintura dela puxando de leve ela pro lado pra eu poder encaixar no meio do rabo dela. Ela se virou na hora, bem obediente.
Enfim botei meu pau bem no meio daquele rabo quente.

A safada dava umas empinadas e mexia a bunda de um lado pro outro discretamente. Meu tesão só aumentava, botei a mão na cintura dela e senti a calcinha dela por baixo da roupa, dei uma puxada pra cima, e socou mais ainda.

Ela olhou pra mim e riu. Eu fui descendo a mão sentindo o fiozinho, e chegando mais perto do cuzinho dela, enquanto ia descendo sentia o calor do rabo dela aumentando enquanto meus dedos iam entrando no meio da bunda dela, e então cheguei no cuzinho. Nessa hora olhei pra ela e vi q sua nuca e seus braços estavam todos arrepiados. Comecei a passar o dedo envolta daquele cuzinho quentinho.

A safada tava adorando, ela deu uma empinadinha, eu consegui botar o dedo pelo lado do fiozinho da calcinha dela, e empurrei o dedo com um pouco de força entrou um pouco com macacão e tudo. Ela deu um leve suspiro. Eu nem acreditava q tava socando o dedo no cu dela. Realizando um sonho e uma fantasia de encoxada ao mesmo tempo.

Eu fui enfiando o dedo e rodando, enquanto ela dava umas reboladinhas . Mas eu ainda precisava tocar na bucetinha dela. Falei no ouvido dela pra ela ficar de frente pra mim, ela ficou. Como estavamos no fundo, não tinha ninguém pra trás só a janela. Eu aproveitei pra pegar com vontade. Botei a mão direto ela chegou até a se tremer. Fui massageando e senti q o grelinho dela ja estava durinho. Só de lembrar ja me da água na boca. Sempre sonhei em chupar ela toda, aquele cuzinho quentinho.

Desci mais a mão e senti q o macacão dela ja tava molhado. Comecei a mexer no grelo dela por cima da roupa, ela foi ficando ofegante, e tirou minha mão. Chegou perto do meu ouvido e disse q não podia gozar, pq ia encharcar a roupa de tanto tesão. Eu chamei ela de gostosa e continuei, ela tentava sair, mas ela mesma não conseguia tirar. O tesão ja tinha tomado conta dela.

Então segurou meu braço com força, e juntou as pernas, a safada gozou, e muito. Coloquei a mão e tava encharcada a roupa dela. O grelo dela tava muito duro, e quando eu tocava ela tirava de tão sensível. Ela foi no meu ouvido e me chamou de desgraçado gostoso eu ri e falei. Agora e minha vez.

Coloquei a mão dela no meu pau, q a essa altura ja tava latejando a ponto de gozar. Ela foi esfregando, eu não resisti e botei pra fora, ela pegou nele e começou a punhetar bem discretamente. Algumas pessoas começaram a descer e deu pra ficar em uma posição mais discreta. Coloquei a mochila na frente.

Ela deu uma cuspida na mão e começou a bater mais rapido. Ela ia até a cabeça q tava enorme e latejando e voltava até a base. Eu não aguentei muito e gozei. Vários jatos de porra grossa, branca e bem quente. Alguns jatos pegaram na roupa dela e o resto escorreu pela mão dela. Ela tirou um lenço da bolsa e limpou a mão.

Rimos um pouco. Pq depois do tesão começamos a dar conta do q tinha acontecido kkk. Mas eu não pude resistir e tive q aproveitar q o pau tava pra fora e coloquei bem no meio do rabo dela. Soquei com pano e tudo pra dentro o pau ainda duro e com porra escorrendo.

Bom ela se limpou como pôde. Emprestei um casado q tinha na mochila e ela amarrou na cintura pra disfarçar a roupa molhada. Na hora de descer não resisti e dei um beijo nela. Ela riu e falou pra não mandar mensagem pra ela por causa do marido, q quando desse ela iria falar comigo.

Conseguimos nos encontrar e fudemos finalmente. Mas isso fica pra outro dia.

Espero q tenham gostado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.