Me Descobrindo o mundo liberal

Oie, sou a Fernanda Exibida do Sexlog.

Sou Gaúcha, natural e residente de Porto Alegre, viajo muito no meu trabalho, por isso prometo relatar tudo o que aprontar no caminho. Sou noiva de João Henrique, e estamos testando nosso relacionamento e deixando aflorar nossos antigos desejos extraconjugais. Sou muito ativa sexualmente, sou loira, tenho 1m70cm, 55 Kg, seios médios e bem duros, coxas definidas e abdômen seco, malho 5x na semana. Sou muito gostosa, segundo minhas fontes hehe, para me ver é só procurar meu perfil no Sexlog.

Pois bem, como acabei de entrar no site, vamos começar contando o início de tudo né, não faz sentido começar contando relatos de hoje em dia sem vocês entenderem como eu entrei neste meio liberal. Em verdade foi meio que em uma traição minha, acabei chupando um dos melhores amigos de João, o Adriano.

Mas vamos com calma, eu comecei a namorar com João aos 18 anos de idade, ou seja, muito nova, eu era até pouco rodada, então podem perceber que eu não aproveitei muito minha sexualidade com vários homens, mas apenas com o João. Digamos que eu tive a sorte e o azar de achar o meu homem cedo, assim, não consegui degustar da variedade masculina. E opções não me faltaram hehe.

Mas vamos ao relato, eu e João sempre tivemos fantasias normais de transar em 3 pessoas, sempre fantasiávamos que tinha mais um homem me comendo enquanto eu chupava João e tal, falávamos no meio de sexo sobre infidelidade, sobre coisas do tipo:

– Ai amor, imagina eu cavalgando assim em outro pau!!! imagina sua namoradinha dando assim pra outro!!!

– Ai amor, posso chupar assim outro pau, igual estou abocanhando o seu???

E João também entrava nas minhas fantasias, quando ele me comia de 4 sempre falava para eu imaginar que era outro homem, e que meu noivo já iria chegar em casa e pegar nós 2 na traição, fantasias assim. Aos poucos fomos evoluindo, João começou a comprar artigos de sexshop, como vibradores, paus de borracha, até aqueles que grudam nas paredes e tal.

Assim, nossa fantasia do sexo extraconjugal ficou mais real, pois durante nossas transas havia 2 ou até mesmos 3 paus me fodendo gostoso, a gente grudava um pau na parede do quarto, o maior deles, daí eu ficava de 4 e chupava o pau grudado na parede, enquanto isso João metia seu pau na minha boceta e o outro pau (menor) de borracha no meu cuzinho fechadinho. Assim tínhamos a fantasia completa de eu ser explorada por vários machos comedores. Muitas vezes eu dava de 4 pro pau na parede enquanto chupava João. Brincamos muito com tudo isso por meses. Sempre conversando e fantasiando comigo transando com algum amigo de João, algum chefe gostoso, instrutor de academia e tal.

Ocorre que, alguns anos atrás compramos nosso AP em Porto Alegre, e ficamos meio sem dinheiro para viajar pra fora do Brasil ou pro nordeste no fim do ano, por isso decidimos ir pra Enseada, São Francisco – SC no verão, pois lá o Adriano tinha uma casa, bem simples, mas na prainha, point movimentado de lá. Adriano é um cara alemão, jeito meio xucro do interior, cara bem simples, que gosta de uma bebida, mas bem legal e solteiro, não era tão bonito, mas o jeito dele me instigava algo, pois sou bem patricinha, cheia de regalias, e aquele contraste xucro/patricinha me dava tesão. Adriano é amigo de João de longa data, então sempre estávamos juntos, e nas nossas saídas, noitadas e churrascos sempre rolava algum clima mais excitante, descontraído e sexual.

Falávamos bastante sobre sexo, mas nunca sobre nossas fantasias de cuckold e tal. Adriano era solteiro, então falávamos sobre as trepadas dele.

Teve um dia até que estávamos no sítio de Adriano, só nós três, sentados na mesa na parte de fora da casa, fazendo churrasco e bebendo. Nós três estávamos bem bebinhos e alegres, quando Adriano reclamou que estava na seca há mais de meses e tal, nisso começamos a provocar ele, eu mesma falei que ele deveria sossegar, arrumar alguma rapariga porque dai o sexo era garantido. Naquela noite eu estava sentada ao lado de João e de frente para Adriano, sendo que ele estava do outro lado da mesa.

Nisso, por debaixo da mesa, comecei a abrir a calça de João, tirei seu pau pra fora e comecei a masturbar o meu homem e falei para o Adriano:

– Adriano, olha aqui, João tem uma namorada fixa, nunca passa fome, nunca passa vontade, estamos aqui comendo, bebendo, falando merdas e eu aqui masturbando o meu homem.

Nisso os olhos de Ariano arregalaram e pelo movimento do meu ombro e braço ele percebeu que eu masturbava João ali na frente dele. E pra matar ele de tesão eu disse:

– Como sou uma namorada boa, até chupo João enquanto vocês conversam, por isso você precisa de uma mulher fixa pra ti Adriano, pois só o tempo faz ela se sentir assim, bem a vontade, como eu agora.

Nisso me abaixei e comecei a chupar com vontade João, fazendo muito barulho com a boca e deixando João todo babado, Adriano só via a parte de cima de minha cabeça subindo e descendo e ouvia eu engasgando e chupando João com as paradas pra puxar o ar, fiquei chupando João por uns 5 min e depois voltamos a curtir a noite, claro, Adriano teve que ir “mijar” logo em seguida hehe.

Então esse era o clima das nossas saídas e noites com o Adriano, mas nunca houve nada entre eu e ele, jamais. No máximo algumas batidas na bunda em baladas e eu dançando de forma mais provocante com João e Adriano, mas nada de sexo, sempre fui muito fechada com ele quanto a isso, mostrando que tudo tinha limite e que meu alvo sempre foi o meu João.

Então fomos pra Enseada, ficar na casa do Adriano. O clima do verão sempre me excitou MUITO, e eu sempre valorizei meu corpo com biquínis que não cobriam muito. A rotina na praia era quase sempre a mesma. Acordávamos cedo, corríamos pela orla, eu e João, voltávamos pra casa, ficávamos bebendo, comendo, música alta, eu de biquíni rebolando na cara dos homens, depois das três da tarde íamos pra praia, voltávamos pelas seis e meia e como na casa só tinha uma ducha fria fora e uma ducha quente dentro, cada um tomava seu banho por vez e separado. Depois de tirar o excesso de areia na ducha de fora. A noite a gente ia beber “capeta” ficar no calçadão na prainha, curtindo os corpinhos que la passavam hehe (Ps: Sou bissexual hehe).

No 3º dia, eu cheia de tesão e dando muito pro João, toda noite, comecei a provocar Adriano, durante as duchas na parte de fora da casa, no pós praia, comecei a me mostrar pro Adriano, João era sempre o primeiro a entrar e Adriano ficava me esperando tirar a areia na ducha de fora pra ele tbm tirar. Era nessas horas que eu me mostrava, deixando o biquinho do peito sair do biquíni, deixando minha calcinha atolada no rego e agachando de costas pro Adriano, até deixei minha bocetinha a mostra certa vez. Fingindo que eu nem via e notava que deixava os pequenos nudes ali pra ele ver, mas sempre notei o pau dele explodindo ao me ver tirar a areia do corpo.

Mas Foi no 5º dia que veio a traição, na praia tomamos muitas caipirinhas e eu estava MUITO alegre, explodindo de tesão, muito solta, eu não era de ninguém, pois estava naquele estado de embriaguez que a gente não liga pra quase nada. Quando chegamos em casa, João tirou a areia e foi pro banho na ducha de dentro, daí eu fui tirar a areia bem bebinha e acabei mostrando TUDO pro Adriano, eu até abaixei a calcinha do biquíni pra tirar a areia, fiquei toda nua na frente do amigo do meu namorado. Depois disso fui para dentro da casa e sentei no sofá de pernas bem abertas esperar João sair do banho, foi quando Adriano entrou com a sunga mostrando o pau dele explodindo e sentou ao meu lado. Nós 2 estávamos mexendo no celular ali, mas notei na hora o pau pulsante do Adriano. Foi quando falei:

– Nossa Adriano, ficou alegre lá fora? o que foi essa barraca armada aí?

– Culpa tua Nanda, fica mostrando as coisas pra mim, e se um dia o João ver? e se um dia eu não aguentar e te pegar?

– Ah Adriano, eu sei que você me respeita muito, por isso eu faço essas coisas. E você também não tem toda essa pegada que eu sei.

Foi a hora em que ele me lascou um beijão repentino e tentou agarrar meus seios. Eu, que já esperava por isso reclamei:

– Que isso idiota? o que você tá fazendo??? E se o João vê??? Me respeita tá???

Poucos segundos depois eu caí na gargalhada, com a cara de assustado dele, até vi o pau do Adriano murchar hehehe. Mas depois da minha gargalhada ele voltou a sorrir também a se sentar no sofá, bem do meu lado, e eu já bem bêbeda comecei a “trabalhar” nele.

– Beijar Adriano a gente beija o pai, o namorado, com o comedores a gente é mais direta, mas prometa que isso jamais aconteceu!!!!!

– Prometo Nanda.

Então eu me virei pro lado dele, inclinei meu tronco por cima das coxas de Adriano, segurei sua sunga e puxei aquele pau alemão e cabeçudo pra fora. Fui olhando no olhos de Adriano até colocar a cabeça do seu pau na ponta da minha língua, fui passando minha língua em toda a extensão do seu pau até chegar em suas bolas, quando cheguei nas bolas dele eu chupei as 2 , uma de cada vez, enquanto eu masturbava seu pau mole do susto que dei nele.

Quando notei que ele atingiu seu máximo tamanho, parei de masturbar e engoli todo o seu pau de uma vez só, estava tudo bem salgadinho da praia, comecei a chupar o Adriano ali no sofá da casa. Como a porta estava aberta, quem passava na rua poderia ver, mas no estado que eu estava nem notei ou lembrei disso. Eu só lembro que eu chupava muito forte e rápido o melhor amigo de João, sem usar as mãos, só com a boquinha. Após alguns minutos no boquete, notei o chuveiro desligar.

Então, parei de chupar o Adriano, me levantei do sofá, fui até em frente do Adriano, me ajoelhei no meio de suas pernas e falei:

– Goza rápido Adriano, João logo vem.

Então segurei o pau do Adriano com minha mão direita e comecei a chupar a cabeça dele muito rápido e a punhetar ele mais rápido ainda, poucos segundos depois senti Adriano segurar muito forte minha cabeça e força-la cada vez mais pra baixo, enquanto ele empurrava seu pau até na minha goela, me fazendo engasgar, ele literalmente FODIA muito minha boca, como se tivesse metendo em uma boceta larga.

Pouco depois comecei a notar que seu gemido aumentava cada vez mais, até que ele parou de meter, mas enfiou todo seu pau em minha boca e me segurou naquela posição, com o pau atoladão, nisso ele goza, como o pau tava todo enfiado em mim, e como ele me segurava pela cabeça, não consegui fazer nada, engoli MUITA PORRA do Adriano, e ainda escorreu muita coisa pelo canto da minha boca, escorrendo pelo queixo e pingando em meus peitos. Fiquei toda cheio de leite do Alemão.

Assim que ele terminou de jorrar em minha boca, escuto a porta do banheiro mexer, me levantei muito rápido e passei os dedos nos meus peitos sujos de porra e coloquei tudo na boca, era o que dava pra fazer kkkkk e Adriano guardou seu instrumento, nisso João passou da porta do banheiro direto pro quarto em frente, sem olhar pra sala. Foi quando falei:

– Isso nunca aconteceu Adriano, NUNCA. Agora to mal, vou lá dar pro João.

Fui em direção ao quarto de João, enquanto Adriano ficou com cara de quem jogou uma hora de futebol e marcou 5 gols hehehehe.

João nunca ficou sabendo que essa foi a primeira vez que eu tive uma experiência extraconjugal. Pra mim esse foi o dia em que eu soube que minha vida sexual jamais seria a 2, e que eu era um putinha safada hahahaha.

Após isso tudo, ficamos mais 2 dias na praia com Adriano, mesma rotina, inclusive comigo me mostrando pro Adriano na ducha 😉

Após o fim de semana eu volto e conto qual foi a nossa primeira vez no mundo liberal, a primeira vez oficial, pq essa do Adriano NUNCA aconteceu, entenderam ???????? hahahahahahhahahaha

Estou lá no Sexlog caso queiram me ver e falar sobre tudo isso.

Beijos da Fernanda Gaúcha Exibida e Liberal 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *