Os Primos comeram meu cuzinho

Olá meus docinhos!!! Hoje eu vim contar a vocês uma experiencia maravilhosa que gostaria de compartilhar. Trata-se do dia em que deu meu cuzinho pela primeira vez (não havia contado antes mas acho que é uma ótima oportunidade agora).

Era sábado. Acordei cedo naquele dia, pois estava animada para ir para casa dos meus primos (por parte de pai; Victor e Vinicius eram por parte de mãe) que estavam organizando uma festa surpresa na piscina para comemorar o aniversário de minha tia, e que haviam pedido minha ajuda pra organizar tudo. Já havia combinado com meus pais que eu iria mais cedo pra ajudar. Meu tio já havia saído cedo com a aniversariante para um dia a sós com ela, e para que a gente pudesse arrumar tudo para quando eles voltassem a noite. Chegando na casa dos meus primos fui recebida por eles. Aqui vou criar nomes fictícios para eles pra não expor ninguém. Meus primos são o Ramon, de 26 anos e o Lucas, de 21 (idade real que tinham na época).

Ao chegar eles já me esperavam na área da piscina onde preparavam o local e sorriram ao me ver. Eles estavam usando apenas shorts, sem camisa, e de cara, a primeira que me perguntaram logo após de dar bom dia, foi se havia trazido meu biquini. Respondi que sim. Então o Lucas me disse pra ir me trocar logo porque eles estavam precisando de mim pra ajudar com a decoração. Perguntei se eles não queriam já começar a arrumar logo as coisas, mas eles insistiram que eu me trocasse antes pra ficamos mais à vontade na piscina enquanto preparávamos tudo. Fui até o quarto do Ramon pra me trocar, e voltei pra ajudar.

Enquanto organizávamos as coisas íamos conversando. Tínhamos bastante intimidade, pois crescemos juntos apesar de eles serem mais velhos que eu. Quando mais novinha já havia trocado uns beijos com o Lucas. Nada sério, só beijinhos mesmo, mas naquele momento meu primo mais velho, Ramon, me parecia mais interessante. Íamos conversando e não demorou muito para o assunto sexo aparecer na conversa. Falávamos de namorados, ficantes, e sexo em geral. Conversávamos tranquilamente sobre sexo, sem nenhum segredo. Eu tinha confiança suficiente neles pra contar tudo e eles também me contavam suas experiencias em meio a abraços e carinhos entre primos a todo instante.

Conversávamos abertamente quando eu subi em uma escada pra pendurar alguns balões e de imediato vieram os dois correndo pra “segurar a escada” pra mim. Enquanto me olhavam de baixo não poupavam elogios ao meu corpo e em especial, começaram a elogiar bastante meu bumbum. Eu ria das conversinhas fiadas, e eles não se paravam de render elogios a minha bunda. Diziam que era grande, lisinha, redondinha. Ramon disse que queria ver se era durinha e levou a mão perto dela pra sentir minha reação, mas não me tocou. Nessa hora eu mesma dei uma tapinha na minha bunda dizendo que era claro que era durinha. Que ele podia tocar pra ver se quisesse. Imediatamente os dois levaram as mãos a minha bunda e começaram a apalpa-la. Deixei que me tocassem por alguns poucos segundos e depois tirei as mãos deles dando tapinha e dizendo que já chega.

Ramon perguntou sem nenhuma cerimônia se eu já havia dado meu cu. Respondi que não. Que ele era zerinho ainda. Rimos. Eles ainda tentavam me tocar novamente, mas eu já não deixava. Eles ficavam dizendo que meu cuzinho devia ser lindo, todo apertadinho, e eu provocava dizendo que era lindo mesmo. Rosinha e apertadinho. Enquanto eu tentava amarrar os balões com as mãos ocupadas pro alto, Lucas pegou na minha bunda com a duas mãos e a abriu, revelando o fiozinho do biquini que escondia o objeto de desejo deles. Eu o mandava parar de fazer aquilo, mas sem baixar as mãos pra impedi-lo. Enfim, ele afastou o fio do biquini revelando meu cu rosadinho. Lucas abriu mais ainda minha bunda, e os dois elogiavam minhas preguinhas chamado de delicia e outras coisas. Foi então que Ramon deu um “chega pra lá” no Lucas e foi sua vez de abrir minha bunda, e com ela exatamente na altura de seu rosto, lambeu gulosamente meu cuzinho. Eu não resisti, e no instante em que senti sua língua no meu cu, soltei baixinho uma única frase, curta e direta.

– QUE GOSTOSO

E foi nesse exato momento que ele não se conteve mais. Me segurou pela cintura, me tirou do alto da escada e colocou nos seus ombros me carregando pra dentro de casa, direto para o seu quarto, onde me atirou em cima da cama e arrancou em um menos de um segundo meu biquini todo, me deixando totalmente nua. Logo atrás de nós, veio o Lucas também, e eu sabia que naquele momento teria que dar para os dois. Ramon me colocou de quatro com as pernas bem abertas e começou a chupar com muita voracidade meu cu e minha buceta. Olhei na direção do Lucas e fiz sinal com a mão chamando-o pra perto de nós. Ajudei-o a baixar os shorts e comecei um boquete nele, enquanto Ramon me chupava.

Senti seu dedo médio entrar na minha buceta enquanto ele chupava meu cu. Ele fazia movimentos me masturbando com o dedo e logo comecei a ficar molhada. Em seguida veio o segundo dedo dele, me deixando com mais tesão ainda e me molhando ainda mais. Foi nesse momento que ele se levantou e meteu o pau na minha bucetinha. Eu rebolava enquanto ele metia. Era muito bom sentir aquilo ao mesmo tempo em que eu chupava o Lucas. Foram só algumas estocadas na minha buceta até que ficássemos bem lubrificados, e então ele tirou o pau e posicionou a cabeça na entrada do meu cuzinho. Confesso que tremi na hora. Pensei em pedir pra não comer meu cu, mas eu estava com muito tesão, então decidi deixa-lo ir a diante.

Lucas tirou o pau da minha boca e foi pra trás de mim também. Acho que ele também queria ver meu cu sendo descabaçado. Lucas se sentou ao meu lado e com as mãos abriu minha bunda pra ajudar o Ramon a entrar naquele buraquinho apertado. Eles cuspiam no meu cuzinho pra lubrificar e o Ramon ia tentando empurrar a cabeça pra dentro. Senti dor e tentei detê-lo colocando a mão pra trás, mas Lucas tirou minha mão me pedindo pra relaxar. Percebi que apesar de estar doendo, era melhor deixa-lo ir à diante, afinal, já havíamos começado e eu também queria muito aquilo.

Quando finalmente relaxei, pude sentir a cabeça do pau dele entrando e meu cuzinho se fechando novamente logo atrás dela. Pedi pra ele parar um pouco naquela posição, pois estava doendo. Ele parou e esperou que meu cu se acostumasse com a cabeça do pau dentro dele. Ficamos naquela posição por uns 10 ou 15 segundos, enquanto ele acariciava minha bunda de forma carinhosa, sem pressa. A dor começou a passar e eu comecei a rebolar com a cabeça do pau dele dentro, e sentindo meu ímpeto, Ramon voltou a empurrar seu pau pra dentro de mim. Lentamente foi entrando até que ele parou novamente. Olhei pra trás e pude perceber que havia entrado todo. Senti seu quadril tocando minha bunda a as bolas dele tocando minha buceta. Em movimentos controlados pra não me machucar, ele tirava metade do pau e metia novamente. Ficou assim por algum tempo até que enfim, começou a se movimentar mais rápido, e aos poucos ia colocado mais força no movimento. A dor ia, aos poucos, dando lugar ao tesão, e logo chamei Lucas pra cima da cama e novamente comecei a chupa-lo enquanto Ramon comia meu cu com força e velocidade.

Ramon disse que ia gozar, então, eu sai rapidamente da posição. Pedi ao Lucas pra se deitar no chão, sentei em cima dele alocando seu pau na minha bucetinha e com o Ramon em pé, ofereci minha boca a ele, pedindo seu leite dentro dela. Eu cavalgava no Lucas enquanto Ramon encheu minha boca com seu sêmen, e eu fiz questão de engolir cada gotinha. Nesse momento Lucas disse que também queria comer meu cu. Foi então que me ocorreu a ideia de tentar algo novo. Pedi ao Ramon pra se deitar e sentei no pau dele, e com seu pau na minha buceta, deitei meu corpo em cima do dele e revelei meu cu, pedindo para Lucas tentar colocar naquela posição. Eu queria tentar uma dupla penetração, e aquele momento me pareceu perfeito pra isso.

Com meu cuzinho já alargado pelo Ramon, o Lucas não teve muita dificuldade pra colocar pra dentro, e apesar de doer, eu sentia um tesão como nunca havia sentido antes. Não levou muito tempo naquela posição pra que eu finalmente gozasse, e deixasse meu corpo amolecido cair em êxtase, e então, senti Lucas gozando dentro do meu cu. Foi incrível. Eu havia descoberto uma nova forma de amor que era incrivelmente erótica e apesar de doer, era muito prazerosa.

Saímos do quarto e fomos os três para o banheiro, aonde chupei novamente os dois, até gozarem. Tomamos banho, nos vestimos e voltamos pra fora pra continuarmos a organizar a festa. Durante toda a noite, na festa, evitávamos nos olhar os olhos, pois nossos sorrisos certamente iriam entregar tudo, ou no mínimo gerar a desconfiança dos convidados. A noite acabou, fui pra casa com meus pais e dormi como um anjo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.