De shorts e sem calcinha no Metrô lotado

Todos sabem como é difícil pegar o metro em horário de pico, uma verdadeira muvuca, corre-corre, empurra-empurra e quando conseguimos embarcar é uma verdadeira lata de sardinha, muito apertado e aquele esfrega-esfrega. Cada estação mais gente entra e menos sai, resultado metro sempre lotado. Se é difícil entrar imagine achar um lugar pra sentar, consequentemente agente viaja em pé o tempo todo. E naquele aperto todo, é impossível se livrar das tradicionais encoxadas

muitas mulheres reclamam, acham um absurdo, mas pra mulheres como eu, que tem um lado puta essas encoxadas não incomodam, pelo contrario nos excitam e muito, e quando um macho encosta em meu traseiro com seu membro duro e fica cutucando minha bunda procuro ficar o mais passiva possível, e até dou uma forçadinha pra traz, contra o membro dele pra deixar claro o quanto estou adorando. Já cheguei em casa varias vezes com minha calça jeans esporrada na bunda, sinal de que algum macho sentiu tesão por mim e deixou sua homenagem marcada nela. Depois de tantas encoxadas resolvi fazer uma experiência, dar pra um desconhecido em plena viagem no metro lotado, saí de casa pra embarcar no horário de pico, usando camisa tipo social com as abas amarradas na cintura, shortinho curto de pernas largas e sandálias. Depois de embarcar fiquei de pé próximo a porta, e naquele aperto todo logo senti uma mão roçar levemente na minha bunda, e depois ficar alisando ela, vagarosamente foi subindo para minha cintura e depois pousou sobre minha barriga abaixo do umbigo, me deixando toda arrepiada. Senti ele encostar na minha bunda e o seu membro duro pressionando meu traseiro, dei uma forçadinha pra traz e logo seu pau já estava pulsando no meu rego mesmo por cima do shorts. Consegui levar a mão pra trás e pegar naquele pinto, era grosso, duro, quente, e pulsando, passei o dedo na cabeça e ja senti ela molhada, sua mão já deslizava da minha barriga adentrando em meu shorts procurando minha bucetinha, só aí ele percebeu que eu estava sem calcinha, logo deu dedo já percorreu meinha racha que já estava molhada e depois ficou dedilhando meu grelo. Seu pinto cutucava o rego da minha bunda, afundando-se nele com certa força, meu desconhecido forçava até me levantando um pouco procurando um buraco qualquer que lhe abrigasse. Eu estava indo a loucura com aquela mão na minha buça, levei a mão a frente e apertei a mão dele com força na minha buceta fechei as pernas e tremi num gozo gostoso, fiquei ofegante suada e minha pressão parece ter ido nas alturas. Ele estava super excitado querendo me comer, e eu mais ainda sentindo minha buceta babar com aquele dedo no meu grelo e aquele pau no meu traseiro, eu queria gozar de novo, aproveitando da superlotação do metro deixei ele se aproveitar ao máximo, ele era mesmo ousado, como ninguém tinha sido antes, mesmo sem querer saber quem ele era levantei meu olhar em direção ao vidro da janela para ver quem era o homem que tinha acabado de me fazer gozar, e pelo reflexo pude ver que era jovem, moreno da minha altura, e como aquilo tudo estava me agradando decidi dar um presentinho a ele.
Fiquei imaginando qual seria o tamanho daquele pau que estava me cutucando, grosso eu já tinha percebido ao pega-lo, agora queria senti-lo dentro de mim, e a sensação de ter ele me fodendo em público, dentro de um metro lotado fazia a adrenalina subir, meu coração disparar e meu tesão se tornar quase incontrolável, eu estava adorando aquela situação.
Fiquei na ponta dos pés, afastando um pouco minhas pernas, ergui meu corpo, peguei aquele pau já melado e duro e direcionei para a minha xota, por entre as pernas largas do shorts e baixei meu corpo fazendo seu pau enterrar na minha buceta
Eu sentia o membro quente e duro se esfregando no meu canal, eu já estava muito molhada, quando senti as mãos dele segurando-me pela cintura e me puxando ao encontro dele. Louca por mais um gozo, e pra sentir seu leite inundar minhas entranhas, fiz questão de cooperar e empinei o minha bunda enquanto ele me fodia quase que discretamente, e o balanço do metro ajudava nessa ação, e sua mão continuava na minha xota me masturbando. Ele cochichou no meu ouvido dizendo: Não sei seu nome sua putinha, mas você é muito gostosa, ta gostando da minha pica sua vadia? Rebola, rebola na minha pica que quero gozar na sua buceta, vou encher ela de porra!!! Vendo minha aliança no dedo disse: Você é casada né cadela?, leva minha porra pro seu corninho, senti seu pau inchar e ele estremecer, e seu caldo quente jorrar dentro de mim que no mesmo instante gozei na pica dele. Minhas pernas tremiam, ficaram moles coma intensidade daquele gozo e ele continuava com seu membro dentro de mim, até amolecer e ser expulso pela minha xota. Continuamos grudadinhos como dois namorados até aproxima estação quando me desgrudei dele e disse que era amina parada, dei um selinho nele e desembarquei ali, eu andava tentando segurar sua porra dentro de mim, mas por mais que eu tentasse tava vasando pelas minhas pernas, tomei um taxi e voltei pra casa satisfeita, saciada até entrar em outro metro no horário de pico, e encontrar outro macho atrevido pra me encoxar e me foder gostoso dentro do metro lotado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *