Metendo forte na minha mãe safada

Esse conto erótico é totalmente real, foi fluindo tudo naturalmente e começou a acontecer há um ano atrás aproximadamente.

Moro na cidade de Belo Horizonte com a minha mãe Solange, meu pai deixou a gente sem nem explicar direito o porquê, mas quando fui investigar melhor sua vida, descobri que estava morando com outra mulher.

Hoje minha mãe com 5 anos de término está super bem e nem liga mais para ele, ela tem 49 anos, alta, branca, com peitos grandes e barriga cheinha, mas não gorda, sua bunda sim é gorda e grande, com coxas grossas, já eu tenho 23 anos, moreno, alto também, não muito atlético, mas tenho meu tanquinho em dia, e me chamo Kléber.

Se eu falasse que nunca havia notado a minha mãe com outros olhos é mentira, porque com um corpão desse eu ficava doidinho e me matava na punheta quando ela usava shortinho cavado ou quando vestia um biquíni pra nadar, o que ela ama de paixão; mesmo depois que eu noivei, poderia ter transado que se eu visse ela desse jeito, meu pau já dava sinal de vida e eu não aguentava; porém nunca tentei nada porque pra mim era um erro já desejar, ainda mais tentar algo.

Mas isso mudou depois de umas conversas nossas, tínhamos bebido por causa do jogo do Brasil na casa de uns amigos e quando voltamos pra casa, peguei uma latinha pra mim e uma longneck de beats que ela amava, ela viu e já disse.

Mãe: Sabe o que isso aqui faz?

Eu: Dá grau? Kkk

Mãe: Dá é um fogo

Eu: Ai ai kkkk depois vai ficar conversando com os contatinhos

Eu sabia que ela não estava se relacionando com ninguém no momento por isso brinquei

Mãe: Quem dera, mas não tenho, depois do seu pai só dei uns beijinhos para nunca mais querer de novo

Eu: Ué, e você consegue aguentar ficar sem?

Mãe: A gente tenta né? Já aproveitei muito a minha juventude, depois casei e agora depois de velha, não gosto de sair pra ficar de papinho com esses caras não, tudo bando de solteirão chato kkkkk, fora que não tenho paciência de começar essas conversas clichês de namoradinho não, então acabo deixando quieto.

Eu: Mas se a senhora não conversar, não vai ter ninguém, e tem muita vida ainda pela frente, eu logo já vou sair de casa pra casar e não posso deixar a senhora sozinha em casa.

Mãe: Que mal tem? Só não aguento ficar sem a minha cervejinha, agora o resto eu dou um jeito.

Eu: Mas você não tem vontade de fazer nada não?

Mãe: Beijar e transar? Quem não tem vontade? Mas pra mim já deu

Aquele papo com a cerveja batendo me deixou de pau duro, mas consegui esconder bem a ereção, continuamos bebendo na sala e assistindo um filme, ela trocou e colocou um vestido fininho e eu ainda com a mesma roupa, uma calça jeans e uma blusa, puxamos o sofá cama e deitamos de lado, em determinado momento ela já estava mais pra lá do que pra cá e acabei abraçando ela de conchinha, aos poucos vi que ela não respondia muito, fui tentando levantar seu vestido, mas como ela tava deitada consegui deixar apenas uma parte da bunda desnuda, vi aquilo e fui a loucura, ver o bundão de perto, sentir aqueles pelinhos fininhos nela, meu grau tava grande também porque quando dei por mim tava passando a mão descaradamente em toda a extensão da sua bunda, pequei na sua calcinha e fui puxando de lado e levantei um pouco um lado da sua bunda e vi seu cuzinho, meu pau tava trincando quando eu vi aquilo, só pensava em fuder ela até esfolar meu pau.

Mas infelizmente fazia muito movimento e ela acordou, puxou seu vestido e fazendo cara feia disse.

Mãe: Tá maluco menino? abusando de mim assim? Você não tem intimidade pra isso não

Eu: Desculpa mãe, mas só queria tirar o meu e o seu atraso

Minha noiva tinha ido pra Alagoas visitar sua família na época e eu fiquei sozinho e tava sem meter há uns 15 dias

Mãe: Endoidou de vez é? Que tirar atraso o que? Não sou assim não, igual essas putas.

Ela falava isso, mas estava muito bêbada, tava juntando forças pra falar

Eu: Calma, se você não quiser, tudo bem, não vou forçar, mas a gente bebendo dessa maneira, nós dois com vontade de transar e só temos um ao outro, natural eu fazer isso, ainda mais como você é

Mãe: Como eu sou?

Eu: Te acho uma mulher super gostosa, com uma bunda dessa de deixar qualquer um maluco.

Nessa hora segurei meu pau por cima da calça e falei a verdade mesmo.

Eu: Meu pau tá muito duro, iria te fazer gozar de prazer muito hoje, deixa vai?

Tava quase tirando meu pau pra fora quando ela saiu me xingando

Mãe: Você tá maluco, perdeu o respeito, não acredito

Tentei chamar ela e até fui correndo no quarto, mas ela trancou e foi dormir realmente

No dia seguinte, tava com uma ressaca moral de lembrar tudo o que eu havia dito pra ela, fiquei no quarto até quase meio dia e quando percebi que ela entrou no banheiro, eu sai e fui dar uma volta, porque não queria encontrar com ela.

Sai pelas ruas andando e minha cabeça dava voltas, até que no fim do dia, eu voltei e ela estava preparando o jantar, conversamos o básico e depois fomos dormir sem falar mais nada.

Na manhã do outro dia quando estava saindo, ela me chamou para conversar e foi firme dizendo que achava um horror eu pedir e passar a mão nela daquele jeito, além dela ser minha mãe, perguntou se eu não gostava da minha noiva, me deu uma bronca, então decidi ser sincero também e falei.

Eu: Eu amo a minha esposa

Mãe: Tô vendo que ama, dando em cima de mim?

Eu: Já ouvi a senhora me dar a bronca, agora quero que me escute também, vou te explicar o porquê disso…

Eu: Primeiro de tudo eu amo a Yasmin, minha noiva sim, porém o que eu sinto pela senhora faz muitos anos, eu sempre achei que era errado e por isso nunca te falei nada; você era casada, eu sei, mas terminou e está sozinha, a senhora tem um corpão que me deixa com o maior tesão, eu tento despistar, mas tá sendo muito difícil isso.

Continuei dizendo…

Eu: Aquele dia estávamos falando sobre sexo, e eu não aguentei ver você com aquele vestido, quando vi essa sua bunda, fiquei maluco, confesso; mas acredita em mim não é tão errado, não quero trair minha namorada com outra mulher assim, é só com senhora , e com isso mato a sua vontade de transar, a senhora não vai precisar conhecer ninguém já que não tem paciência, é só deixar fluir, é algo só nosso, escondido, e acaba que quando algo é escondido e errado é muito mais gostoso.

Fui falando isso e ela me ouvindo, sem falar nada, seu olhar tava meio triste, mas me ouvia como se ela fosse uma menina nova.

Eu: Se a senhora não quiser, tudo bem, eu respeito, mas acho uma bobeira a senhora pensar dessa maneira, e eu te amo, a senhora sabe bem disso.

Eu mesmo não estava acreditando que tava tendo aquela conversa, mas era tarde demais, já havia começado, agora iria até o fim, eu sabia que ela era muito tarada quando era casada por isso tentei apelar tanto, terminei e fiquei olhando pra ela, ela quieta, abaixou a cabeça.

Eu: Não vai falar nada?

Mãe: Falar o que? Estou horrorizada com tudo isso, eu não sou de acordo com isso, me desculpa; a sua noiva coitada, é melhor você fazer essas intimidades com ela, ela é da sua idade e eu já tenho bastante idade aí… deixa eu terminar minhas coisas, mas algo eu repito, não sou de acordo com nada disso.

Sai de casa e fiquei putasso, tinha me aberto pra ela e ela mandou um “não”, apesar que já estava esperando por isso, resolvi deixar quieto e assim foi passando os dias, tentávamos voltar como erámos antes, mas estava muito difícil, porque já tínhamos quebrado uma barreira.

Meses se passaram e na semana do carnaval, umas amigas da minha mãe chamaram a gente pra acampar perto de umas cachoeiras, no sul de minas.

A minha noiva acabou não indo, porque foi visitar sua família novamente.

De dia ficamos na cachoeira, nisso depois de meses pude ver minha mãe de biquíni novamente, e em meio aos mergulhos fui olhando seu corpo sem que ninguém percebesse, cheguei trocar uns olhares com ela, mas ela não demonstrava nenhuma intenção, só me olhava envergonhada acho, deixei quieto e fiz o máximo para esquecer tudo aquilo.

No fim da tarde quando fomos montar as barracas, quatro mulheres haviam comprado uma barraca de 4 lugares, mas ao montar, só cabiam no máximo duas, ou as quatro apertadas, começamos a tentar achar uma maneira, até que elas me pediram a barraca e eu deitava junto na barraca da minha mãe, a princípio não achei legal porque o clima ficaria muito tenso, mas não tinha opção, tinha que ser isso ou dormir fora da barraca, olhei pra minha mãe e ela disse tudo bem.

Durante o dia já bebíamos muito e a noite apareceram com vodka e catuaba, todos já estavam no grau e eu também, minha mãe tava até mais alegrinha nessa hora, se soltando, dançando com as meninas e bebendo catuaba, acabei indo deitar e um pouco depois minha mãe foi também.

Minha mãe estava muito tagarela e falava de tudo que elas estavam fazendo lá fora, que dançou mesmo, precisava disso porque não está saindo mais.

Mãe: Pena da sua noiva não ter vindo

Eu: Pena mesmo, mas ela de seis em seis meses acaba indo lá visitar sua família, então fico sozinho

Mãe: Sozinho nada, tá comigo aqui fazendo de companhia

Como tava muito calor minha mãe estava de biquíni ainda, mas com uma toalha na cintura, ela tirou a toalha e deitou de costas pra mim com aquela bunda, na hora meu pau já deu sinal de vida, fiquei deitado de costas, não fiz nada mas deixei com que ela visse o volume, eu estava de cueca e short leve, sem camisa, ela olhou pra trás e falou.

Mãe: Abaixa isso aí menino

Eu: Como? Vendo essa bunda aí

Mãe: Começou, ainda não esqueceu isso não?

Eu: Como vou esquecer, você tá virada com ela pro meu lado

Nessa hora abracei ela e rocei nela,

Mãe: Você é muito tarado, fazendo isso com a própria mãe

Ela se sentou e disse que iria sair da barraca, segurei seu braço e pedi pra ficar

Mãe: Não tem condições, eu mesmo estando no grau, não vou te dar, sinto muito, deveria ter vergonha, em tentar trair sua noiva

Eu: Já falei que eu amo a Yasmin, mas ela não tem o corpo que a senhora tem

Mãe: A barriga? Gorda? Ela não tem mesmo não, é magrinha e linda.

Eu: Isso não é considerado traição, quando é com a mãe, a gente poderia ser amante.

Mãe: Eu ser amante do meu próprio filho, só faltava isso

Ela começou a rir, não sei se era porque ela também queria ou pelo efeito do álcool

Eu: Ah mãe, deixa eu te comer? Sou doido nesse seu corpo, prometo te fazer gozar muito

Mãe: Nessa barraca? No meio no povo? Sei não

Eu: O som tá alto, ninguém vai escutar e é melhor do que eu te comer no mato, porque aí sim vai ser suspeito

Mãe: As coisas que você tá falando, eu não vou te dar Kléber, e fica quieto, por favor.

Nessa hora eu tirei meu short e cueca e meu pau batendo pra cima do umbigo, ela olhou e se envergonhou toda, ficou muito vermelha kkk esse momento o tesão tava a mil

Eu: Olha mãe, ele tá trincando de tanto tesão que eu tô por você

Mãe: Guarda isso moleque, olha o tamanho dessa coisa

Eu: Uma bunda grande, com essa buceta gordinha, exige um pau grande também

E então meu coração acelerou quando ela deitou de costas pra mim de novo e não falou nada, senti que isso era uma deixa, puxei a parte debaixo do biquíni até seu joelho, dei uma estimulada nela com os dedos, sua respiração ficou forte e nem dava pra ir pras preliminares, a vontade de meter era maior.

Coloquei o pau na entradinha e senti que tava toda molhada, a cabeça ia deslizando pra dentro, ela empinou a bunda pra trás, e falei no ouvido dela

Eu: Não acredito que eu vou comer esse seu bucetão depois de tantos anos

Mãe: Bucetão? Me respeita…

Eu: Toma esse respeito então

E fui colocando-o pra dentro, 19 cm e então bati minha virilha na sua bunda, como estava quente dentro da xota dela, tirei umas 4 vezes e coloquei devagar pra ela se acostumar e eu poder sentir ela todinha por dentro, não aguentando mais iniciei os movimentos um pouco mais rápido.

Minha mãe não falava nada e eu também não só sentíamos um ao outro, ficamos uns 10 minutos até que ela gozou, não aguentei e gozei junto, mas fiquei com o pau atolado na buceta dela, pra porra não sair e a gente ir se recuperando.

Tirei e peguei papel higiênico pra nos limpar, ela não falava nada, mas virou de frente pra mim, com uma cara mais alegre e perguntou

Mãe: Tá feliz assim? Matou a sua vontade?

Eu: Não sabe o quanto eu tô feliz, vontade eu sempre tô kkkkk, mas foi a melhor coisa do mundo comer essa sua buceta

Mãe: Você me deixa com vergonha assim, moleque; as coisas que você faz eu fazer, não fala desse jeito comigo.

Meu pau tava meia bomba, mexia nele falava com ela

Eu: A senhora não gosta que eu falo, mas gostou de fuder meu pau? Você gostou?

Ela olhando pra ele

Mãe: Gostei né, eu vou mentir?

Eu: Olha o que saiu de dentro de você, tá crescendo denovo, mãe.

Mãe: Tá bom já, não acha!?

Eu: Só me faz gozar denovo, senta nele, vai mãe, já te comi de ladinho mesmo, larga a vergonha e senta na minha pica

Ela se levantou com cuidado, pegou meu pau pela base e foi sentando, que imagem era aquela, ver a minha mãe que sempre foi meio nervosa com tudo, me dava bronca por pouca coisa, sendo submissa e ajeitando o pau pra entrar na sua buceta, senti todo o seu peso em cima de mim, e vi aquelas pernas abertas mostrando a buceta pra mim, pela primeira vez tava vendo aquela buceta peludinha em cima.

Ela começou a sentar e levantar

Mãe: Que loucura, fazendo isso com você nessa barraca perto de todo mundo, se alguém ver isso…

Ela continuava a meter e tava aumentando a força, e eu a chamando de “gostosa”, “minha puta”, me olhava com uma cara feia, porque não gostava que eu a xingava daquela forma, ela sentou e ameaçou parar

Mãe: Tá bom, você tá sendo muito engraçadinho, me tratando feito uma puta

Eu deitei ela de pernas abertas e agora eu fui por cima, coloquei suas pernas no meu ombro e fui metendo cada vez mais rápido

Eu: Calma mãe, tá muito nervosa pro meu gosto, eu vou te deixar bem calminha agora.

Não parava e comecei a ir bem rápido, a barraca mexia e ela virando os olhos e gemendo, tampando a boca.

O som parou lá fora, parece que já estavam indo dormir, só conversavam e a minha mãe gemendo baixinho

Mãe sussurrando: *Alguém vai acabar vendo*

Eu: Desculpa mãe, mas mesmo se abrissem essa barraca eu não iria parar de meter, tô quase gozando de novo, tampa a boca aí

Mãe: Filho da puta, sem vergonha…

Eu: E você é uma bucetuda gostosa do caralho.

Continuei metendo por uns minutos, até que senti que ela gozou denovo, tava toda vermelha, dei mais umas socadas e lambrequei toda a buceta dela, caímos pro lado sem energia alguma, a goza escorreu, acabei limpando tudo joguei na sacola de lixo, e fomos dormir, mas antes ela falou com um sorriso no rosto.

Mãe: O que aconteceu aqui que até agora não tô conseguindo entender?

Eu: Nem sei, só sei que a senhora realizou meu sonho.

Mãe: Safado.

Eu: Gostosa.

1 Reply to “Metendo forte na minha mãe safada”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *