Tirei o atraso com a enfermeira safada

Olá tudo bem, Me apresentando, sou baiano, 1,82m de altura, branco, olhos verdes, 98kg, dote de 22cm.

Pois bem, esse relato ocorreu a poucos dias, tudo começou quando me acidentei durante os festejos de minha cidade, sofri algumas queimaduras na parte superior durante uma apresentação cultural de guerra de espadas, socorrido pelo SAMU, internado e depois transferido para um centro de referência para queimados, e 35 dias internado.

Desde que dei entrada no hospital já fiquei sem roupa alguma, essa foi tirada no atendimento.

Membro a mostra hora outra via o olhar de técnicas de enfermagem…

Chegando ao centro de referência, por meu porte físico, todos os shorts que vinham ficavam colados destacando bem o Malaquias.

Em certo momento da internação já doido pra fuder, me surge uma enfermeira para avaliar meu quadro, ruiva, com seus 56kg, 27 anos, corpo de academia e seios grandes e firmes (mesmo com aquela roupa horrível de trabalho era notável suas curvas e atributos). Estava dormindo quando sou chamado por ela, descobrindo meu lençol e vendo meu membro a todo pano, apenas riu e comentou “tá animado ou é a medicação, rs” respondo de pronto, estava sonhando mas a visão ao acordar está sendo mais excitante que o sonho, ela franze o rosto e não fala mais nada, naquele momento achei ter perdido qualquer chance de conversa.

Mais tarde ela volta para trocar o soro fisiológico que havia acabado, apenas olhou para mim e deu um sorriso com uma certa malícia, e saiu do quarto.

Não mencionado antes, mas para minha sorte estava sozinho no quarto, o leito do lado estava vago…

Perto das 19h ela vem aferir minha pressão, e comenta que está normal, nada perto da pressão que havia visto mais cedo dentro de meu short…

HaHa falei que apenas aquele belo sorriso dela já aumentava a pressão lá a ponto de pulsar, conversamos um pouco e descubro que por uma colega da noite ter faltado, ela teria que ficar durante a noite também, pensei comigo “que ótima notícia”.

Lá por volta das 23h todos os pacientes da ala já dormiam, eu aproveito e chamo ela através da campainha do leito, minutos depois ela aparece

“- Está sentindo algo?”

– Sim, estou com umas pontadas logo abaixo do abdômen, poderia conferir?

“-Claro, deixe-me ver”

Óbvio que aquilo era um pretexto, eu já havia tirado meu short antes, deixando meu amigo amostra, ela finge não ter notado e começa a apalpar a região do abdômen e diz estar normal, mas que abaixo não saberia o que podia fazer, apenas falei faça o que tenha vontade, depois dessa frase sinto sua mão abraçando meu membro e logo depois sua boca tocando a cabeça, iniciando um boquete maravilhoso, ela alternava entre passar a língua e engolir tudo com gosto, chupando as bolas, punhetando…

Retirei sua cabeça dali e puxei sua boca para um beijo, e que beijo meus amigos, beijo cheio de desejo e recíproco, sussurrei ao seu ouvido “minha vez”, ela me diz não aqui, pode passar alguém no corredor, vá para o banheiro vou na enfermaria verificar e volto em 1 minuto, levanto quase que pulando da cama e vou para o banheiro esperar os cuidados de minha enfermeira.

2 minutos depois ela entra no banheiro já sem roupa, havia tirado no quarto, peço para ela se sentar na base da pia e caio de boca naquela buceta apertada, dou um belo trato enquanto escuto seus gemidos e tendo meu cabelo sendo bagunçado por seus dedos, percebendo sua força ao puxar minha cabeça contra seu ventre percebo estar levando minha enfermeira ao gozo e intensifico meu trato naquela buceta que logo derrama seu líquido em minha boca, sendo puxado pela cabeça para cima e ouvindo a doce frase “me fode”, prontamente atendo enfiando tudo de uma só vez, arrancando dela um forte gemido e suas unhas sendo cravadas em minhas costas, passo a meter com mais intensidade já fazendo-a gemer bastante, pego ela no colo e passo a meter ali em pé até ouvir ela dizer “vai safado gostoso mete esse pau em mim que eu estou gozando”…

Peço então que ela se apoie a louça e empine para mim, o que ela faz de pronto, passo a meter nela naquela posição fazendo já muito barulho, aproveito a posição e começo a enfiar um dedo em seu cuzinho, não percebendo nenhum tipo de resistência e sim de prazer, passo a enfiar outro dedo lubrificando com minha saliva nesse ponto ela se vira para mim e diz “não vai perdoar nem aí?!” respondo que uma mulher gostosa assim tem de ser tratada por completo, ela afasta seu corpo fazendo meu pau sair de sua buceta, vem chupar ele e logo em seguida diz “então que seja bem lubrificado não é”, vira para mim de novo e oferece aquele cuzinho, vou colocando aos poucos, deixando ela se acostumar, quando estou todo dentro dela e sinto ela morder, esse é o sinal verde, passo a socar com força até encher aquele buraco de leite, sendo limpo depois por sua boca…

Brinco com ela perguntando qual seria seu próximo plantão, ela diz que talvez nem fosse preciso esperar até lá, que ia voltar logo para conferir como estava seu paciente

Ao abrimos a porta do banheiro, uma técnica de enfermagem esperando na cama que aos nos ver fala “pelos gemidos estava muito bom lá dentro” apenas respondo, que tal sentir a experiência real…

Mas essa fica para outro conto…

Hoje já de alta, marcando de visitar minha enfermeira que só depois descobri que era noiva, mas que estava doida para rever seu paciente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *