Minha esposa com o velho na Pousada

O que eu passo a narrar aqui é verídico. Minha esposa se chama Renata, branquinha, 37 anos, seios lindos e um corpo muito bonito. Não temos filhos por opção. Fui o segundo homem na vida dela, pois o cabacinho foi um primo dela que tirou. Pois bem, vamos aos fatos, ela sempre foi muito calada e tímida, principalmente referente a sexo. Passado alguns anos de casados passei a ter fantasias de ver ela em outra rola, mas não tinha coragem de falar a ela sobre esse me desejo. Passei então a fazer sugestas durante nossas transas e até mesmo assistindo um filme e ela ficava

muitas vezes calada ou dizendo que jamais faria. Passado um bom tempo eu falei a ela que eu tinha esse desejo, ela ouviu e ficou muito chateada comigo, passei um bom tempo sem tocar mais no assunto até um dia começar de novo e ela me chamar pra uma conversa séria. Perguntou-me se era isso que eu queria mesmo e porque, então eu falei e disse que ela podia escolher quem ela quisesse, mas que minha tara é que fosse com alguém fora dos padrões de beleza, teria que ser com um homem bem mais velho e gordo, ela sorriu e disse que nunca iria fazer isso. Passou muito

tempo e eu havia reservado 3 diárias em um Resort na Bahia e viajamos de carro. Ela ficou muito alegre com a viagem e eu pedir a ela pra analisar com carinho a possibilidade de realizar minha fantasia lá, pois teria muita gente e certamente pessoas interessantes. Ela apenas disse “lá vem ele com suas loucuras” e que não prometia nada porque não se via trepando com um velho, já por ser gordo não se importava. Viajei eufórico porque sabia que era uma grande chance. A viagem de carro era longa, teríamos que pernoitar em algum hotel ou pousada. Viajamos o dia inteiro e à tardinha eu parei em uma pousada perto de Salvador/BA. Eu queria

dormir pra chegar ao Resort somente no dia seguinte conforme as reservas. A Pousada era muito aconchegante, com piscina e um barzinho dentro dela. O dono era um senhor italiano muito simpático e conversador, ele nos recebeu logo na porta e disse que estava quase tudo ocupado pelos turistas de uma excursão, mas que tinha um ótimo quarto vago pra gente. O nome dele era Giovani, ele se apresentou e disse que após a gente banhar e descansar um pouco fazia questão que jantássemos mais ele para não ser preciso sairmos para procurar janta, uma vez que não era

servido na sua pousada. Quando entramos no quarto eu falei a Renata que eu achava que o velho tinha gostado dela, ela riu e disse que eu estava louco, eu falei que era pra ela dar corda pra ele, ela disse que jamais daria pra ele. Após o banho saímos para a cozinha que fica diretamente ligada ao barzinho na beira da piscina e sentamos numa mesa dessas de plástico, o Sr. Giovani veio logo em seguida sorridente se sentar mais a gente dizendo que estava preparando um jantar especial, ele começou se apresentando dizendo que veio embora da Itália no início do ano 2000 e que não se arrependia, que já tinha 52 anos e que era separado porque a

esposa não quis vir da Itália e que sentia falta de uma mulher bonita como Renata com todo o respeito e olhou pra ela e sorriu, ela ficou vermelha de vergonha. Renata estava com uma saia branca e uma blusinha com um decote normal, ele colocou a cadeira do lado dela e falava sempre pegando no joelho dela e falou que a pousada estava sem ninguém porque todos saíram pra jantar. Falei a Renata que eu iria ao banheiro e que ela ficasse mais o Sr. Giovani e ela olhou pra mim com a cara ruim e eu falei no ouvido dela “vou demorar, faça tudo que ele quiser e você também” e sair rapidamente pra ela não protestar e dei a volta e fiquei atrás de uma coluna logo atrás deles e em um lugar bem escuro. O Sr. Giovani não perdeu tempo e partiu pra cima dela, ele falou que não estava vendo a hora de ficar sozinho com ela e que disse

que ela é muito bonita, ela riu envergonhada e ele encostou ainda mais e a chamou para ir até a cozinha mais ele, ela falou que não e ele disse que iria apagar o fogo das panelas e de lá ele a chamou pra ajudar e ela foi, quando ela entrou ele partiu pra cima dela agarrando e ela dizendo que ele a soltasse, “está pensando que eu não sei que seu marido deixou você sozinha comigo foi pra eu comer essa sua buceta gostosa” e já foi metendo a mão por baixo da saia dela e pegando na bucetinha, de longe no escuro eu olhava ela tentando se soltar dele, mas ele tascou um beijo na boca e ela foi parando de tentar se livrar e ele foi empurrando ela através do

corredor em direção ao quarto dele e deixou a porta encostada, de onde eu pude ver toda a cena. Eu fui até a entrada do quarto e fiquei olhando, ela falando que iria voltar pra o quarto e ele falou “confesse que ele quer você trepando comigo ou você não sai desse quarto”, ela falou que sim, mas que ela não queria, “você vai levar minha rola sim, melhor você ser boazinha comigo e rápida porque o pessoal da excursão pode chegar e me pegar aqui assim” e tirou o pau pra fora e a calça também ficando apenas com um short pijama, ela falou pra ele não fazer isso e ele empurrou ela pra cima da cama e já caiu de boca beijando o corpo dela e arrancou logo a blusa

e começou a chupar os seios enquanto passava os dedos na buceta dela depois de afastar a calcinha preta, e ficou assim por um bom tempo, “vou chupar sua buceta e enfiar o meu pau em sua boca piranha, trate de chupar com vontade puta” e fez um 69 com minha esposa que obedeceu, depois de um bom tempo ele se virou e deu outra chupada na buceta dela de frente e de repente só fez encostar o pau e meter tudo de uma vez só, Renata implorou pra ele usar camisinha, “vou gozar fora sua puta” e meteu com vontade, o pau dele não era grande mas estava bem duro, e meteu muito nela, depois ele tirou e falou “ abre a boquinha vagabunda, vou gozar

nela e nesses seus peitos sua puta” e assim fez. Depois ele se levantou “volte pra seu quarto e diga ao seu marido que o velho aqui deu um trato bem dado em você ou não diga nada, não me importo”, tudo isso eu registrei as fotos no meu celular com o flash desligado, ela se vestiu calada e eu corri pra o quarto. Quando ela chegou, brigou bastante porque eu a deixei com aquele velho tarado, e eu perguntei se aconteceu algo e ela disse que não, mas que não aguentou a conversa dele e veio pra o quarto e que de manhã só iria sair do quarto direto pra o carro, nem café queria,

então foi para o banheiro e demorou se lavando, eu tentei comer ela depois e ela disse que não porque estava com raiva de mim e dormiu sem falar comigo. De manhã ela esperou no quarto eu tomar café e pagar a pousada ao Sr. Giovani e foi direto para o carro como falou que faria. O Sr. Giovani ficou apenas olhando desconfiado. Ainda hoje ela me fala que não aconteceu nada e eu finjo que acredito, mas fiquei satisfeito por realizar meu fetiche de vê-la na vara de um velho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.