O Irmão do Meu Amigo

Tenho um amigo casado que já conheço há anos. Ele sabe que sou gay, mas não esta nem aí pra isso, aliás sou o tipo de cara que me respeito e não saio dando em cima se não sinto que há reciprocidade. Pois, esse meu amigo tem um irmão um pouco mais novo que ele, deve ter uns 32 anos, também casado. Saímos pra beber e nunca rola papo de sexo homo, já que também não é a praia deles; por vezes eles comentam das aventuras extras conjugais comigo, acho que por causa da proximidade e também porque não me interessa estar contando aos outros essas narrativas.

Aumento Peniano

Uma vez eles me chamaram pra beber na casa do meu amigo e eu aceitei mas sem grandes expectativas pois os caras são héteros e são meus amigos. Nesse dia não rolou nada, aliás, meu amigo ficou bêbado e foi dormir. Ficamos só eu e o irmão dele. Como não tinha muito assunto, passei a conduzir a conversa por áreas que eu pensei que o cara pudesse dissertar e ele percebeu isso e foi ficando mais à vontade,

O irmão do meu amigo é branco, cerca de 1,75, meio parrudo, pernas grossas e peludas; quando fala tenta impressionar, mas é um pouco tímido e até reservado. O que me encantou nele foi o sorriso.

Ficou tarde e eu acabei dormindo na casa desse meu amigo enquanto o irmão foi embora pra casa dele, que é no mesmo bairro. Cedo, meu amigo me despertou, pois eu dormi em outro quarto, e me indicou o que tomar como café da manhã e como fechar a casa quando eu saísse. Voltei a dormir. Quase uma hora depois meu relógio despertou e segui pra tomar banho. Quando eu estava no banheiro, ouvi a voz do irmão de meu amigo e ele percebeu que eu estava no banheiro; do lado de fora ele me perguntou se queria um suco e eu respondi que sim. Troquei de roupa e saí do banheiro, quando cheguei na sala, o cara havia preparado tudo e tomamos o café juntos. Conversamos amenidades e ele me perguntou alguma coisa de computador, já que era minha área. Ele me disse que a máquina dele estava muito lenta e me perguntou se eu poderia dar uma olhada. Eu respondi que sim, mas em outra hora pq estava atrasado. Trocamos telefone e eu fui embora pro trabalho.

Algum tempo depois meu amigo me ligou e falou que o irmão queria falar comigo a respeito do computador mas estava com vergonha; eu o tranquilizei e recomendei que o cara me ligasse pra gente combinar, o que o irmão dele fez no mesmo dia. Combinamos pro dia seguinte à noite, ele inclusive me disse que o irmão estaria junto pra gente tomar umas cervejas, já que a esposa estava num treinamento fora da cidade.

Não sei porquê, mas desconfiei e até pensei que era uma armação de meu amigo, já que ele sabe que sou gay, mas combinei assim mesmo.

Cheguei no horário combinado, mas ele estava sozinho em casa. Perguntei pelo meu amigo e ele respondeu que não viria. Então ele logo me trouxe uma cerveja e me mostrou o computador. Não era nenhum defeito que exigisse maestria para resolver, então fiz os procedimentos e a máquina passou a desenvolver com mais rapidez. Pedi para que ele testasse os sites que costumava navegar e ficou evidente que estava tudo resolvido.

Só faltava uma cerveja e eu já me preparava pra ir embora, não era muito tarde, então dava pra pegar um ônibus. Quando falei pra gente tomar a saideira, ele exclamou – Saideira? Peraí, vou pegar mais algumas pq queria que você me ensinasse um lance. Saiu sem nem me deixar chance de negativa, mas confesso que me animei com a ideia. Estávamos só nós dois e a cachaça aguça a libido. Ele voltou com mais cinco cervejas!

Aí tem, pensei.

Ele veio me pedir pra ensinar como baixar vídeos do xvideos. Com toda calma do mundo, pois o cara era praticamente leigo no assunto, ensinei e mandava ele repetir até que se tornou craque no assunto.

Enquanto ele baixava os vídeos, ficava comentado a respeito das mulheres, aquele papo de macho e eu concordava, de forma desinteressada, ao mesmo tempo ria da situação pois sentia que ele queria ‘algo mais’, mas não sabia como se chegar, então eu tive que partir pro ataque.

Até então ele estava de bermuda e camisa; eu perguntei se eu poderia tirar a camisa, ele consentiu e também tirou a dele, foi aí que me deu mais tesão no macho quando vi o peito cabeludo!

Ele sentado junto ao computador e eu no sofá próximo, dava pra ver que ele tava excitado, mas eu não queria avançar o sinal até perceber que estaria pisando num terreno favorável. Ele ficava apertando o pau na bermuda e sabia que estava doido pra punhetar.

– Você tá de cueca? perguntei.

– Sim, por quê? ele respondeu meio sem entender meu questionamento.

– Porque a gente ficar de pau duro dentro da cueca, pode começar a machucar a glande na costura. Eu respondi meio que sem saber o que iria acontecer.

Pra minha surpresa, ele nem pensou, baixou logo tudo, bermuda e cueca, deixando saltar uma pica não muito grande, cerca de 16cm, mas muito grossa.

– Você não vai bater uma, não? me perguntou.

– Deixo pro dono da casa, respondi dando um sorriso malicioso.

Ele começou a se masturbar e nem se quer se importou com a minha presença. Peguei a cerveja na geladeira, coloquei no meu copo, coloquei no dele e na saída coloquei a garrafa gelada nos ovos dele que me olhou meio sem entender a atitude.

– Pra baixar um pouco esse seu fogo, comentei.

– Dá uma ajuda aqui, ele me pediu num tom meio ingênuo até.

Eu deixei a garrafa na mesa, fui em direção a ele e peguei no seu mastro que pulsava de tesão. O cara foi logo se livrando do resto da roupa ficando completamente nu, o que adorei. Ajoelhei e fui mamando bem devagar, ao mesmo tempo alisava seu peito cabeludo e por vezes seu saco. Dava pra ouvi-lo ofegante e seu gemido baixinho. Fiz com que ele ficasse em pé para que eu pudesse chupar melhor seus ovos, no que ele delirou. Em determinado momento ele me pediu pra parar porque iria gozar, achei até que fosse isso que ele queria, mas o cara tinha outros planos.

– Você gosta de pica, é? Me perguntou, no que imediatamente eu respondi que ‘sim’.

Ele foi até o quarto e me chamou. Chegando lá percebi que ele procurava alguma coisa, eram camisinhas. Colocou uma no pau, chegou até mim e sussurrou

– Deixa eu botar no seu cu?

Tirei a roupa e pedi pra ele deitar, fui sentando até que a pica sumiu no meu rabo. Confesso que foi meio dolorido porque a pica do cara é grossa e tive certa dificuldade pra me acostumar, mas estava tudo envolto num tesão enorme. Fui cavalgando e ele me pediu pra ficar de frango assado, posição que adoro. Ele começou a bombar e eu sentia que não demoraria em explodir no gozo. Eu queria dar prazer para aquele homem e comecei a me masturbar para gozar com o pau dele dentro de mim.

Em menos de cinco minutos eu estava quase prestes a gozar quando ele arfou e anunciou que tava gozando, eu acelerei e cheguei ao meu orgasmo quase junto com ele. A pica dele amoleceu e ele logo foi pro banheiro. Deixei-o um tempo lá, até porque não sabia qual seria a reação dele. Alguns minutos depois ele voltou com uma tolha e e me deu. Segui pro banheiro e enquanto eu tomava banho, ele entrou trazendo cerveja.

– Porra, cara, show, viu?

– Que bom, pensei até que você tivesse ficado chateado. Respondi com um sorriso malicioso.

– Chateado? Por quê?

– Seu irmão não te falou com sou gay?

– Não, ele respondeu e senti verdade nele.

– Eu confesso que desconfiei quando cheguei aqui e até do seu chamado, achei que seu irmão estaria também. Pensei até que fosse uma armação dele. Eu comentei.

Fomos terminar as cervejas e conversamos várias coisas, inclusive a respeito do casamento dele. O cara se queixou da vida sexual e porque gostava de se masturbar vendo putaria na internet. Me disse que a esposa nunca o ‘procurava’ e sempre a iniciativa tinha que partir dele; ela era mecânica, ele sentia que não havia desejo da parte dela, embora ela não demonstrasse interesse em acabar o casamento. Confessou que sempre se imaginou fazendo anal com ela, mas era uma coisa que a própria já havia deixado claro que não rolaria (acho que por causa da grossura do pau dele, sei lá!). Confessou também que nunca tinha tido nada com homem, que era a primeira vez dele, ao mesmo tempo entregou o irmão ao me afirmar que ele ‘curtia um cuzinho de viado’.

Para que ele deixasse os vídeos arrumados no computador, fiz uma pasta e fui ensina-lo a colocar o conteúdo do xvideos nela e olha que o cara ficou excitado de novo! Dessa vez tive que dar uma mamada até ele gozar em minha boca, algo que também nunca tinha acontecido com ele, nem com mulher, segundo ele.

Acabei indo embora tarde, ele quis colaborar com o táxi mas eu achei melhor que ele me pagasse com outros serviços, o que aconteceu diversas vezes, uma delas, pra minha surpresa, fomos a um hotel. De vez em quando ainda rola, o irmão dele inclusive já sabe o que rola entre a gente pois ele mesmo contou.

Foder com macho casado é muito bom e eu gosto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *