Sendo Arrombada na minha primaira dp anal

Como sempre faço questão de frisar, apesar da minha pouca idade considero-me bastante experiente e uma putinha das mais safadas e rampeiras quando estou com meu parceiro ou parceiros entre quatro paredes. Ao longo da minha vida desde que perdi minhas virgindades (ou cabaços como queiram) da bucetinha e do cusinho com o marido da minha melhor amiga, já experimentei de quase tudo em termos de sexo e sinto muito mais prazer quando tenho meu cusinho invadido por uma bela

pica bombando dentro dele e depois jorrando jatos e mais jatos de leitinho, que adoro expelir contraindo meu buraquinho quando o pau do meu comedor e retirado. Já dei muito e adoro dar meu buraquinho que já recebeu cacetes de diversos tamanhos e grossuras, mas nunca esqueci a vez que um amigo de faculdade depois de me foder bastante na bucetinha, resolveu enfiar seu cacetão de mais de vinte centímetros no meu cu e me fez ver estrelas de tanto que doeu conforme ia entrando. Sofri um bocado com aquele imenso caralho entrando e saindo do meu cu e só não foi pior porque era grande, mas não era grosso, contudo fez um belo estrago

a ponto de deixar-me sem poder sentar direito por uns três dias. Depois deste pirocão tive muitos outros de vários tamanhos e espessuras e achei que já tivesse experimentado de tudo, até que numa das noites de carnaval no ano passado (2014) quando eu e meu namorido paramos num barzinho para bebermos umas cervejinhas e comermos algo, ele encontrou com um amigo das antigas chamado Xavier (nome verdadeiro) que não via há um bom tempo. Logo se cumprimentaram e ele apresentou-me à ele, que deu uma encarada daquelas olho no olho que fez-me ficar muda e sem saber como agir, principalmente quando beijou-me no rosto. Daí em diante, conversa vai, conversa vem, ele juntou-se a nós no bar e passamos a beber juntos e a conversar. Virava e mexia eu o surpreendia me olhando nos olhos e me fitando no corpo inteiro, afinal eu estava realmente uma gata, bronzeadinha com a marquinha do biquíni acima dos seios e da linha da minha cintura, vestida com um boostier e um minúsculo shortinho jeans na cor branca, que deixava minhas pernas

e o volume da minha buceta bem a mostra. Confesso que embora eu seja uma mulher bem liberal, eu estava me sentindo um tanto incomodada com o assédio do Xavier, que virava e mexia me perguntava alguma coisa, as vezes até picantes, como que ignorando por completo o fato de eu ser a mulher do amigo dele que estava ali, do meu lado e a nos observar sem se manifestar, falando pouco e certamente rindo por dentro pelo meu incômodo, coisa que não é normal em mim. Em determinado momento, Xavier pediu-nos licença e disse que ia ao banheiro urinar e ao levantar eu pude notar que ele estava de pau duro e pulsando dentro da bermuda. No que ele saiu eu comentei sobre o que estava acontecendo e falei pro Maurício sobre o quanto eu estava incomodada e ao mesmo tempo ficando com muito tesão, que aumentou ainda mais quando vi o volume do pau dele na hora que levantou-se. Meu gatão como sempre muito liberal, perguntou se eu gostaria de prova-lo e eu sem hesitar disse que poderia ser muito bom pra todos nós que poderíamos brincar e nos satisfazer num delicioso ménage. Quando íamos terminar nossa conversa, eis que

Xavier retorna do banheiro vindo juntar-se a nós novamente e aí foi a minha vez de pedir licença e ir jogar um pouco de cerveja fora e secar minha buceta antes que começasse a molhar minha calcinha, já que estava completamente encharcada pelo tesão que eu estava sentindo. Quando eu estava retornando à mesa, percebi de longe que Maurício e Xavier conversavam e sorriam. Ao me aproximar ainda ouvi quando mencionaram o meu nome e ao sentar-me do lado do meu gatão, perguntei do que se tratava e o motivo pra tanto riso e meu namorido com a maior cara de pau e sem fazer rodei disse que tinha contado pro Xavier que eu notara o tamanho do pau dele e o quanto estava duro e fiquei cheia de tesão querendo experimentá-lo na minha bucetinha. Eu não sabia onde enfiar minha cara e antes que eu dissesse alguma coisa Xavier disse que beberíamos mais umas cervejinhas e depois eu poderia fazer o que quisesse com o cacete dele. Senti meu melzinho escorrer na hora

da minha rachinha que eu havia deixado sequinha no banheiro e molhar minha calcinha. Nisso, segurei e apertei a mão do Maurício que disse baixinho no meu ouvido que quando chegássemos a casa ele iria realizar um desejo antigo meu. Perguntei de que se tratava já que eu o confidenciara muitos desejos e ele disse que era surpresa e na hora eu saberia e certamente iria gostar. Vivendo à expectativa, meu tesão só fez aumentar ainda mais. Xavier continuava me fitando e tecendo elogios ao meu corpo e tudo com o consentimento e na frente do meu namorido que ignorava e bebia tranquilamente sua cerveja. Permanecemos no bar por mais de uma hora até que resolvemos fechar a conta e irmos para casa brincar, nisso Xavier levantou-se dizendo que iria novamente ao banheiro e voltou logo em seguida antes mesmo do garçom trazer o total da nossa conta, dizendo que já estava tudo certo,

pois não seria justo deixar-nos pagar em vista da sobremesa (no caso eu) que ele ia experimentar. Levantamos e fomos direto pra casa do meu gatão onde passo a maioria das noites com ele. Logo que chegamos e entramos em casa, Maurício ligou o som, foi na cozinha e voltou com três latinhas de cervejas que começamos a beber e a conversar sentados na poltrona da sala. Terminei a minha e antes que começássemos nossa brincadeira disse-lhes que iria tomar um banho e ficar bem cheirosinha pra eles e sugeri que quando eu terminasse, eles fizessem o mesmo. Fui no quarto, peguei algumas toalhas, dei a deles e fui tomar meu banho tranquilamente, deixando-os bebendo e conversando na sala. Terminei meu banho e saí enrolada na toalha na direção do quarto onde terminei de me secar, passei uma colônia hidratante bem cheirosinha, vesti uma minúscula tanguinha que mal cobria minha rachinha e ficava enterrada na minha bunda e uma blusinha transparente que

deixava meus seios praticamente a mostra e como já tinha passado tempo suficiente pra que tomassem banho também, fui ao encontro deles na sala encontrando os dois sentados com a toalha enrolada na cintura e o cacete de fora duros feitos pedras, sendo tocados lentamente por eles. Olhei a cena, parei, deixei-os me observarem e pensei ‘a noite promete’. Não resisti, livrei-me rapidamente das roupas ficando nuazinha também e fui juntar-me a eles sentando-me no meio e já tirando as mãos deles e colocando as minhas, passando a punhetá-los enquanto eles me tocavam na buceta e chupavam cada qual um dos meus peitinhos ao mesmo tempo, me fazendo gemer e quase me levando a primeira gozada daquela noite que prometia muitas trepadas, sensações e gozadas, o que não demorou pra acontecer já que eu estava com muito tesão e completamente entregue à aqueles dois garanhões com sua belas picas e com o Xavier tocando minha rachinha enquanto eu já chupava o Maurício que ficara de pé na minha frente, gozei pela primeira vez encharcando o dedo do Xavier que em seguida levou-o à boca e provou o gostinho do meu melzinho que

e foi a vez de Xavier me oferecer o cacete dele pra ser chupado o que eu não hesitei em fazer, segurando-o e metendo de uma só vez na minha boca tentando engoli-lo por completo, mas não foi possível. Neste instante Maurício já se deliciava chupando minha buceta e sugando meu melzinho direto da fonte. Eu delirava de prazer e gemia bastante com aquele cacetão na minha boca e a boquinha quente e ávida do meu gatão na minha rachinha sugando-a e penetrando-a com um dos dedos dele. Eu me contorcia e já não conseguia me conter, passando a ter espasmos em cima de espasmos, até que gozei na boca do Maurício que aproveitou para se posicionar entre as minhas pernas e enfiar o cacete dele na minha buceta de uma só vez, acelerando os movimentos e me levando a gozadas sucessivas para o delírio dele e do Xavier que continuava fudendo a minha boca como se tivesse metendo na minha buceta. Aos poucos fomos invertendo de posições e experimentando outras, com ambos me fudendo gostoso à buceta e a boca até que não conseguiram se segurar mais e acabaram gozando fartamente e ao mesmo tempo dentro da minha

boca, enchendo-a com suas porras, que fiz questão de mostrar pra eles antes de engoli-las para voltar a sugar alternadamente seus cacetes até que não restasse uma gotinha sequer de leitinho pra contar história. Foram momentos de loucuras e muitos prazerosos que deixou-nos extasiados e sem bateria. Demos uns tempos ali mesmo sentados e recostados um no outro para repor nossas energias ou pela parte delas para que pudéssemos recomeçar tudo de novo, o que só aconteceu cerca de uma hora depois, quando resolvemos tomar banho juntos e começamos a nos dar uns amassos comigo servindo de sanduíche. Logo pude sentir os cacetes deles novamente eretos pressionando minha xota e minha bunda e sem perder tempo, agachei-me e passei a chupá-los alternadamente, deixando-os no ponto pra nova batalha, que acabou por acontecer no quarto em cima da cama, quando novamente depois de me foderem gostoso na buceta, passaram a me foder no cu também. O primeiro a enfiar o cacete no meu buraquinho foi o Maurício, já que tinha o cacete

mais grosso e eu já estava acostumada, pois em todas as nossas transas ele me fodia gostoso o buraquinho me levando a deliciosas gozadas com aquele cacete enterrado no meu cusinho. Ele fodeu meu cu, me tocando na xota por uns quinze minutos sem parar, ao mesmo tempo em que eu chupava o Xavier quase o fazendo gozar novamente na minha boca. Depois inverteram e foi a vez do Xavier que tinha a pica um pouco maior, no entanto mais fina, enterrar aquele belo cacete no meu buraquinho que já tinha sido alargado e recebeu muito bem a pica dele, que permaneceu ali fodendo-me por uns quinze minutos também, enquanto o meu gatão me fodia gostoso a boca. Mais uma vez passamos a inventar e inverter posições com os dois metendo gostoso nos meus buraquinhos e me fazendo gemer e gozar muito. Passamos bem mais que uma hora metendo direto e com os cacetes deles deixando minha bucetinha e meu cusinho somente quando trocavam de posição. Eu já não estava aguentando mais de tanto gozar e quando pensei em pedir um tempo pra dar uma relaxada principalmente no meu cusinho que ardia pacas de

tanta rola que entrava e saia dele até então, ei que Maurício diz ter chegado a hora da surpresa que havia pensado pra mim e sem falar do que se tratava, aproveitando que eu estava sobre o corpo do Xavier com o pau dele enterrado na minha buceta, se posicionou por detrás de mim e passou a penetrar o cacete dele no meu cu, fodendo-me numa dupla penetração que estava por demais gostosa e me fazendo gozar sentindo aquelas duas belas picas se encontrando no meu interior, com a do Xavier me socando na xota enquanto a do Maurício socava no meu cu. Era incrível a sensação que eu sentia e acabei me desmanchando numa gozada sensacional e quando pensei que eles fossem terminar também, Maurício retirou o pau dele do

meu cusinho e pediu pra que o Xavier enfiasse o dele então passando a fuder meu buraquinho. Eu delirava e continuava muito excitada curtindo cada segundo daquela deliciosa trepada e achei que fosse ficar naquilo mesmo, mas Maurício surpreendeu-me e também passou a tentar enfiar o seu cacete no meu cu para realizar um desejo antigo que eu havia confidenciá-lo no passado de que um dia ia querer experimentar uma dp anal, já que a vaginal ele já havia me proporcionado quando saímos e transamos com um casal de amigos. Ao o sentir tentando empurrar aquela pica grossa dele no meu cusinho junto com a do amigo que já se encontrava dentro, tremi na base e achei que não fosse suportar a dor, que me fez xingá-lo muito, gritar e chorar, mas ao mesmo tempo, pedi-lo que não parasse, que continuasse empurrando, pois queria ter meu cu rasgado naquele momento por eles, que acelerando os movimentos de vai e vem, mesmo com um pouco de dificuldade, acabaram gozando simultaneamente (ao mesmo tempo) dentro do meu buraquinho que recebeu jatos e mais jatos da porra quentinha deles que ao mesmo tempo que

batiam no meu interior, tinham partes expelidas pelo meu cu e pelas picas deles quando saia pra entrar novamente. Eu gritava de dor, mas mesmo assim consegui dar uma gozada das mais fantásticas até então que quase me levou a desfalecer. Satisfeitos, eles pararam de movimentar e permaneceram dentro de mim até que seus cacetes amolecessem e abandonassem por conta própria o meu orifício que ficou completamente arrombado, pois eu pude ver o estrago pelo espelho. Deitamos lado a lado e acabamos apagando ali mesmo sem nos lavar de tanto exaustos que ficamos só despertando pela manhã, quando antes de bebermos café, fomos tomar banho juntos e eu acabei deixando-os de paus duros querendo-me foder novamente, mas preferi evitar e disse que só iria chupá-los até gozarem na minha boca, pois eu queria tomar leitinho direto da fonte antes do café. Eles então não hesitaram e se tocando de pé na minha frente deram-me jatos e jatos de leitinhos diretos da fonte, que enchi a boca e engoli tudo. Depois nos vestimos, tomamos café e fomos dar uma volta pelo centro, onde o Xavier teria de passar na casa do amigo que o hospedara para pegar a mochila com suas coisas, já que teria de retornar pra cidade em que mora naquela mesma tarde, pois trabalharia no dia seguinte. Ao nos despedirmos ele agradeceu pelos momentos que passamos juntos dizendo-nos que jamais esqueceria, pois foi o melhor carnaval que ele passara até então e que só foi uma pena não termos nos encontrado desde o primeiro dia e após pedir consentimento ao Maurício, olhou para os lados e como não havia ninguém mais além de nós, segurou-me de encontro a ele e deu-me um delicioso e demorado beijo na boca que retribui, mas sem a emoção de quando beijo meu namorido que presenciara tudo. Antes de ele ir embora, combinamos de nos reencontrar noutra oportunidade, mas ainda não aconteceu embora ele mantenha constantes contatos, mas só com meu namorido já que não dei o meu e nem peguei o telefone dele. Quando eu e Maurício retornamos pra casa conversamos sobre o ocorrido e logo estávamos transando e gozando gostoso, mas desta vez embora eu goste muito, não o deixei meter no meu cusinho que além de continuar arregaçado, ainda doía bastante, então me gato teve de se contentar em foder-me somente a buceta mesmo e terminar gozando na minha boca. Vamos lá pessoal, se gostaram não deixem de comentar pra me dar incentivo em escrever outros relatos, que lembro-lhes, são todos verídicos e as fotos ilustrativas. Não se esqueçam de votar também, Bjinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *