A primeira vez que dormi na casa de meu ex-aluno

Comecei a acompanhar os relatos dele a partir de sua terceira postagem, ele me mostrou, confesso que de início não gostei que ele estava revelando nossas intimidades, tivemos uma pequena briga, mas assim que li como ele se sentia em relação a mim, fiquei completamente emocionada, e por consequência, agora ele ganhou uma professora de Língua Portuguesa para corrigir seus textos antes de serem postados, rsrs.

Como o Gabriel já relatou, sabem que fui agredida tanto fisicamente quanto psicologicamente por meu marido, mas fiquei com ele graças ao amor que tenho por meu filho Hugo, não quero que ele cresça sem pai, mesmo que eu tenha que me sacrificar para ver o sorriso dele, vale a pena.

Agora vou parar de enrolação, espero que aproveitem, assim como aproveitei aquele dia, rsrs.

Desde o dia em que o Gabriel conheceu meu marido Rodrigo por acidente, e viu pessoalmente como era minha vivência, comecei a receber muito mais carinho dele, não que antes não recebesse, mas agora ele se superava mais e mais.

Sempre queria estar em seus braços, me sentir amada, coisa que não tinha em casa.

E como ele relatou anteriormente, comecei a me soltar rsrs, já não tinha mais aquele medo de antes. Quando encontrássemos um tempo, estaríamos juntos.

Numa sexta-feira, eu e meu filho fomos visitar minha mãe, meu filho adora sua avó, mas eu queria ver o Gabriel, havia alguns dias que não nos víamos. Mandei mensagens para ele perguntando se seria possível, e logo obtive a resposta, que eu era bem-vinda a qualquer momento em seu apartamento.

Perguntei a minha mãe se ela poderia cuidar de Hugo naquela noite para que pudesse ficar um tempo a sós com meu marido, e para meu marido liguei avisando que iria dormir na casa de minha mãe, só que obtive uma reclamação por não tê-lo avisado antes, já que eu não faria a janta dele, falou que nem para cuidar da casa prestava.

Aquilo foi um tremendo gatilho, agora iria me fartar da companha de meu ex-aluno, quem realmente me amava, ama (assim espero rsrs).

Quando cheguei ao apartamento de Gabriel, fui recebida por um cheiro maravilhoso, ele havia preparado um jantar para nós, fiquei maravilhada, pois em casa apenas eu cozinho e nunca recebo um elogio sequer.

Entrei, fui recebida com um caloroso beijo, e ele falou para esperar um pouquinho, que em poucos minutos tudo estaria pronto, era algo inimaginável para mim.

Meu ex-aluno, em um relacionamento de 3 meses comigo, já havia me proporcionado mais amor que em meus 9 anos de casamento. Era uma experiência completamente nova e impensável.

Após aquele maravilhoso jantar, me senti na obrigação de agradá-lo de todas as maneiras possíveis. Assistimos um filme aleatório abraçados na sala.

Assim que acabou, fomos para o quarto, iria fazer o que ele me pedisse, mas assim que entramos, ele me pegou no colo e carregou até a cama, colocando-me com o maior carinho do mundo.

Deitou-se sobre mim, e foi me beijando, minha boca, pescoço, suas mãos em meus seios, era uma sensação indescritível, já havíamos tido relações sexuais, mas aquele momento, nada mais me importava, eu era dele e ele era meu.

Já não estava aguentando mais, o empurrei e tirei meu vestido sedutoramente, ele não tirou os olhos de mim, o que me fazia sentir-se ainda mais quente, como podia se interessar tanto assim por mim, podendo ter qualquer garota mais nova, me sinto nas nuvens até hoje quando estou com ele.

Assim que meu vestido caiu ao chão, fui puxada para seu colo, nos beijamos apaixonadamente, e com isso ele aproveitou e tirou meu sutiã, fazendo meus seios saltarem.

Mas não ficaram desamparados, foram abocanhados rapidamente, ele mordia meus mamilos, enquanto dava atenção a um, apertava o outro, torcendo meus mamilos, o que me fazia arfar por ar, o Gabriel descobriu cedo meu ponto fraco, meus seios são muito sensíveis, qualquer estimulo já me excita demais, e ele se aproveita disso.

Eu, prestes a gozar, fui surpreendida, ele parou, levantou-se, colocou-me em sua cama, se ajoelhou, puxou minha calcinha que a essa altura já estava inundada de meus fluídos corporais, e mergulhou sua língua em mim, não deu outra, gozei no exato momento que encostou em meu clitóris, tamanha era a excitação em que me encontrava.

Ainda tendo espasmos de meu orgasmo, senti seus dedos sendo sugados, sua língua fazendo movimentos circulares, me chupou com uma seriedade incrível. Não estava aguentando, a sensibilidade me fez acabar tendo um segundo orgasmo.

Era eu quem o queria agradar por aquela noite maravilhosa, mas no fim, fui eu quem teve de pedir para parar um pouco, estava mole, mal sentia as pernas, precisava respirar.

Mas não queria deixá-lo naquele estado, seu pênis estava incrivelmente duro, pedi para que se aproximasse, comecei a masturbá-lo, recuperadas um pouco de minhas forças, coloquei em minha boca, e comecei a chupá-lo, lambê-lo, sugá-lo, o levando ao limite. Quando senti suas mãos segurando minha cabeça, ele gozou tanto que vazou entre o canto de meus lábios.

Deitamos juntos, me aconcheguei nele, o acariciava, e logo seu pênis estava pronto para a ação novamente.

Sentei-me em cima dele, seu pênis foi engolido por minha vagina, comecei a rebolar, e quando percebi já estava rebolando igual uma louca, como sempre digo a ele, ele me corrompeu.

Com o pênis profundamente dentro de mim, abaixei-me procurando sua boca, enquanto nos beijávamos, ele acelerou suas penetrações, o que me fez delirar de prazer.

Paramos, e ele me colocou de quatro, posição a qual ele diz que fico perfeita.

Sem nenhum aviso, deslizou para dentro e meteu bem fundo, começou a me comer como nunca, a me penetrar num ritmo rápido, enrolou meus cabelos em suas mãos, fazendo-me arcar para trás, em poucos minutos minhas pernas ficaram moles e acabei afundando meu rosto no travesseiro para amenizar meus gritos e gemidos, que poderiam ser ouvidos por qualquer um de seus vizinhos naquele momento.

Não sei se por calor do momento, mas o Gabriel soltou a seguinte frase.

– Vou te engravidar professora.

Quando ouvi aquilo, tive um orgasmo que tirou todas minhas forças restantes, e acabei com minha vagina vertendo com seu esperma.

Ele caiu sobre mim, ficamos assim por um tempo. Ficamos lá, ofegantes, nos recuperando.

– Então, hum, devo pegar minhas roupas e sair?

– Sair? Você não vai a lugar nenhum, vai passar a noite aqui.

– Rsrs, estava testando você, queria ver se ainda me quer depois do sexo

– Claro que sim.

– Isso é bom, nós dois na mesma cama, nos preparando para dormir. É uma sensação boa, parece tão natural, tão quente e aconchegante, adoro isso querido.

Após essa breve troca de palavras, dormimos profundamente. Só fui acordar na manhã seguinte, com a sensação de sua boca em meus seios.

Enfim, está foi nossa primeira noite juntos. Desculpem se ficou longo, mas até hoje, para mim, foi a melhor noite de todas, não que as outras não tenham sido, que as futuras não serão, mas foi a primeira vez a qual me senti realmente completa, amada de todas as formas possíveis.

Ah, e sei que o Gabriel deixou vocês mal acostumados rsrs. Vou falar para ele enviar algumas fotos nossas, escolhidas pessoalmente por mim.

Deixem os e-mails nos comentários, e essa semana estarei no apartamento dele, então, se tiverem algumas perguntinhas, estarei à disposição para responder, logicamente, se forem cabíveis.

1 Reply to “A primeira vez que dormi na casa de meu ex-aluno”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.