Meu Dentista Favorito…

Meu nome é Laura, o que irei contar aqui aconteceu há muito tempo em minha vida, nesta época eu tinha meus 21 anos, foi há tanto tempo que parece que foi em outra vida ou em um sonho distante, daqueles bons que ficam na lembrança para sempre.
Eu tinha acabado de mudar de emprego e fui trabalhar em uma rua próxima da Avenida Paulista, eu ia em uma dentista perto da minha casa, que era bem prático, porque eu trabalhava perto de casa, com a mudança de emprego, comecei a pegar dicas de algum dentista que ficasse nas imediações do meu novo trabalho, assim ganharia tempo.

Aumento Peniano


Depois de longo tempo perguntando para todo mundo sobre indicação de dentista eu desisti, tinha tantas referências e indicações que eu já não sabia quem era quem, então resolvi brincar de jogar para o destino o novo dentista, fui procurar por nome de depois de longo tempo com esse método nada eficaz, achei o doutor Fábio, ficava ali pertinho e eu achava que nem tinha tanta coisa para fazer mesmo nos meus dentes, então liguei e marquei uma consulta com o tal de doutor Fábio.

Chegando lá, gostei logo de cara do consultório, era todo descolado, fotos de paias, de pranchas de surf, paisagem de viagem, coisa bonita, um belo lugar.
Estou eu lá, super intranquila, já que não morro de amores por consultas, seja ela qual for, quando me chama: – Laura, logo pensei, lá vamos nós….
Quando entro na sala, dou de cara com um dentista tão descolado quanto seu consultório, ele era alto, deveria ter seus 40 e poucos anos, bronzeado, sorrisão lindo, como um bom dentista deve ter, apertou minha mão, eu fiquei admirada com o meu novo dentista e por alguns segundos cheguei a desejar que o tratamento fosse de um canal daqueles que levam anos para consertar, mas enfim, ele era um homão, daqueles com H maiúsculo, bonito, simpático, voz potente e cheiroso, pensei, agora eu tô perdida, eu juro, quando ele me perguntou o que eu tinha, me segurei para não falar TESAO doutor Fábio. O homem usava um perfume maravilhoso daqueles que você quer abraçar a pessoa e inalar todo o cheiro e não largar nunca mais.
Com todo esse conjunto de dentista, eu fiquei parecendo que tinha algum tipo de problema e não era apenas nos dentes, fiquei nervosa, não lembrei nem onde eu trabalhava quando ele me colocou na cadeira, e começou com as perguntas para relaxar o paciente, o que obviamente não estava me ajudando muito.
Comecei meu tratamento, a cada semana meus martírios, arrumar meus dentes, me concentrar para não cair em tentação e ao mesmo tempo pensava como fazer para pegar aquele homem, apenas uma vez, gente, nem era pedir muito.
Um belo dia, estava naquelas semanas em que tudo me dava calafrios e tremores nas pernas, tesão mesmo, muito tesão, as vezes tenho umas fases assim que se eu pudesse não faria nada, apenas transava de manhã até a noite.

Então marquei minha consulta para a semana, falei se poderia se a última da parte da tarde, e para minha felicidade era as 19h, e felicidade ainda maior estava por vir, quando a recepcionista dele perguntou se tinha problema em ficar sozinha, porque ela saia as 18h30, eu falei: – nada, fica tranquila, mas por dentro gritei: YESSSSSSSSS.
Neste dia, decidi que ia mais ousada ao dentista, já acordei com segundas e terceiras intenções, coloquei uma calça jeans, tão apertada que nem sabia como ia sair dela depois, um belo conjunto de lingerie de renda branco e uma blusinha também branca que tinha um zíper na frente. E pensei: É HOJE.

Chegando lá pontualmente as 19h, nem preciso falar que não consegui trabalhar direito o dia todo, meu coração disparava a todo momento quando eu imaginava o que poderia acontecer e pior, eu nunca havia feito uma coisa assim, tentar ser ousada, pensar que poderia seduzir alguém, mas eu estava pronta, só não sabia como passar a mensagem para ele que eu estava a fim.
Quando toquei a campainha ele mesmo veio abrir, e eu estava parada, maquiada, perfuma e nervosa, muiiito nervosa. Ele como sempre estava fazendo, me cumprimentou com um beijo no rosto com aquele maldito sorriso que me fazia derreter toda. Me levou para o consultório, começamos a conversa de sempre que levada do nada para lugar nenhum, mas eu não conseguia me concentrar e balançava a cabeça e concordava nem sei com o que. Ele foi separando o equipamento, me colocou deitada na cadeira, pediu para abrir a boca e neste dia estranhamente, sem luva, ficou um tempo demorando olhando, mudo e começou a olhar dentro dos meus olhos, nesta hora eu pensei que ia ter um troço no coração e me arrependi amargamente de ter colocado calça jeans, isso é para vocês terem ideia de quão inexperiente eu era na arte de tentar convencer alguém a me comer bem gostoso, eu deveria ter colocado um vestido curto, seria tudo mais fácil, era só abrir as pernas, meio sem querer querendo e ele já iria entender do que se travada uma consulta as 19h sozinha com um dentista tão gostoso como ele.
Eu acho que ele estava na mesma situação, pois ficou longo tempo ali me encarando e olhando meus dentes, até que eu senti o braço dele enquanto ele examinava minha boca, roçando beeem de leve meus peintinhos, que já deveriam estar armados a espera, ele passou uma vez rápido e provavelmente como eu não me movi, ele fez novamente, mas desta vez mais lentamente e olhando dentro dos meus olhos e assim, ele começou.
Ainda me olhando, depois de uns segundos, ele disse que ia subir um pouco a cadeira, colocou a mão em minha barriga que estava amostra, e subiu a cadeira, que parecia uma eternidade, me deixou meio sentada, meio deitada, continuou olhando nos meus olhos e abriu o zíper da minha blusa devagarinho, me olhando e abrindo toda, olhou para meus peitinhos ainda cobertos com meu sutiã e depois apertou com vontade, sem tirar os olhos de mim. Depois me inclinou um pouco, eu ainda na cadeira, tirou o que sobrou de minha blusa, abriu e tirou meu sutiã e eu fiquei ali, somente de calça jeans, com os peitinhos a mostra o qual não demorou e ele caiu de boca, mamando gostoso, chupava um e apertava o outro e eu ia lutando naquele lugar apertado e sem jeito tentando tirar a camisa dele desesperada para sentir o seu cheiro e sua pele passando no meu corpo, mas ele não conseguiu parar de chupar meus peitinhos, passava a língua nos biquinhos, depois enfiava todo na boca e apertava, dava chupadas que eu ia ao delírio, depois de muito sofrimento, consegui arrancar a camisa dele, ele me levantou me pegou pela mão, sentou em um banquinho que tinha na sala, e eu em pé de frente para ele, que puxou minha calça com uma facilidade incrível que nem eu acreditei e depois me deixou só de calcinha e ficou beijando minha barriga e apertando minha bunda com uma mão enquanto apertava meus peitinhos com a outra e eu ali delirando fechava os olhos e não acreditava, ele lentamente, sem falar nada ainda, começou a tirar minha calcinha, sem presa, e me olhava com uma cara louca de tesão que me deixava mais louca ainda, quando fiquei peladinha ele começou a beijar minha bucetinha, lamber e eu em pé, sem conseguir me mover, e ele beijava, lambia, subia e mordia minha barriga, voltava e recomeçava, até que foi descendo abriu minhas pernas, saiu do banco, se ajoelhou e começou a brincar com a língua em meu clito, eu dei um grito, quando eu senti a língua dele, molhada passando em mim, ele lambia, sugava, passava a língua para cima e para baixo, aquilo era uma delírio de tesão, eu não aguentava mais, puxei ele para cima e falei: – quero seu pau, quero gozar no seu pau, não aguento mais essa tortura, ele deu aquele sorriso delicioso, se levantou, tirou a calça, deixou a mostra um pau duro e pingando, pronto para acabar com a minha secura e desejo pelo lindo pau dele.
Ele sentou novamente no banco, passou a mão mais uma mais uma vez em meu clito e me puxou para sentar de frente para ele, disse para eu ir descendo bem devagar, e eu fui seguindo suas ordens, ele segurou o pau e eu fui descendo bem devagar, toda molhadinha, senti a cabeça do pau dele quando entrou lentamente e eu já quase gozava de tanto tesão, fui sentindo cada centímetro que ia deslizando para dentro de mim, e eu louca me segurando para não descer até o fim logo, mas aquela tortura ia me deixando mais louca de tesão e ele apertava meus peitinhos e quando sentei tudo, comecei a subir e descer e ele apertava minha bunda me segurando forte enquanto mamava em meus peitinhos, chupava e falava como eu era gostosa que ele ficou louco para me comer desde do dia que me conheceu, e me puxava com força para eu sentar até sentir suas bolas batendo em minha bunda.
Eu não aguentei muito, gozei rápido, mas continuava doida de tesão, continuei em cima dele, e ele me fodia com força e me apertava, me envolvia em seus braços, ele um homão grandão gostoso e eu magrelinha sumia, e ele me puxava forte para eu sentir todo seu pau, eu gozei novamente e quando ele avisou estava gozando e eu gozei mais uma vez junto com ele e depois teve repeteco, repeteco e repeteco e eu cheguei em casa as 23h com minha mãe querendo me matar porque eu simplesmente sumi, mas eu caminhava pelas nuvens, não ouvia nada do que me falavam, para falar a verdade, até hoje não lembro como cheguei em casa, acabada, cansada, judiada, mas feliz e saciada, pelo menos até a próxima consulta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *