Mulher carente realizando fantasias

Olá gente, sou a Cris, sou casada há alguns anos , e adoro sexo . Sou de pele clara , tenho cabelos cumpridos e ligeiramente ondulados . Estou hoje com 28 anos , Tenho 1,68 m de altura e o meu peso fica em torno de 56 kg . Tenho uma bundinha , redondinha e firme , pena que meu marido não percebe . Moro em uma cidade do interior. Casei-me cedo , não por meu marido , mas porque eu forcei a barra . Ele não é muito ligado ao sexo , por isto eu sempre tomei a iniciativa . Gosto de bastantes

variações . Mas em casa é só o básico , com a maior de todas as simplicidades . Desde adolescente a minha fantasia era casar e fazer sexo de todas as formas com meu marido. Nos primeiros meses de casada já tive a decepção. Eu é que tinha que procurar em vez de ser procurada . Mulher que procura homem, mesmo o marido, é vadia . Meu chifrudo me procurava um vezinha por semana, quando não esquecia . Depois de alguns anos de casada , me dei um dos maiores presentes da minha vida . Resolvi realizar um dos meus sonhos, que era chupar um cacete até ficar com a boca dolorida e perder a virgindade anal. Peguei o jornal da capital e procurei um garoto

de programa, do jeito que eu sonhava: Tinha que ser mais velho que eu, queria que fosse moreno, mais alto um pouco e com um porte um pouco atlético; tipo do meu marido, mas com a cabeça boa. Meu marido é muito bonito, mas é só um homem, para decorar a cama. Encontrei um do tipo que eu queria. Depois de muito conversar, cheguei à conclusão de que era aquele que eu queria. Marcamos a data, a hora e o local. Falei com o meu futuro chifrudo, que na próxima semana iria para a capital , renovar meu estoque, o que era norma no meu caso. Ele nunca me acompanhava por causa do seu trabalho. No dia e hora marcados, com o garotão, lá estava eu. Quando o garoto apareceu, eu quase fui ao chão. Era muito mais que eu

imaginara. Um moreno alto de tirar qualquer mulher do sério, uma educação finíssima. Ele chegou, pediu licença, se apresentou, sou o Fred capixaba, lembra-se de mim? E foi logo perguntando, se por acaso: você é a Walquíria? Pois foi assim o combinado, para nossa senha de reconhecimento. Eu demorei a dizer sim, pois minha cabeça foi a mil. O gatão pediu licença novamente e se assentou. Perguntei se ele me faria companhia naquele chope. E ele disse : Vou pedir dois , pois pelo que me parece o seu já está quente, e estava mesmo, pois não tenho o hábito de beber. Tomamos o chope e saímos de mãos dadas para o hotel . No princípio fiquei receada

de sairmos de mãos dadas, mas acabei me liberando. Chegamos ao hotel em que eu estava em cinco minutinhos, pois o mesmo ficava há um quarteirão, de onde estávamos. O Fred tirou minha roupa, paça por peça, com toda calma do mundo. Beijo-me na boca, como nunca fui beijada na vida. Beijou cada pedacinho do meu corpo. Quando chegou à buceta, deu uma lambidela de leve, e voltou a me beijar na boca.Virou-me de costas e começo a me beija pela nuca, foi descendo, sem pressa, até a bunda. Fred se afastou de min um pouquinho olhando meu corpo e soltou um elogio. D’aquele , que levanta o ego de qualquer mulher. Walquíria você é simplesmente bela. Pegou minha mão com delicadeza e me virou 360 graus; Você é

um avião. Deitou-me com delicadeza na cama e repetiu todo ritual do começo. Quando lambeu minha buceta por traz, quase desfaleci. Que maestria , tinha aquele garoto. Talvez uns dez minutos depois ele tirou sua roupa , era lindo . Tinha realmente um belo corpo e com um belo cacete, acredito que uns 18 cm , pois era bem maior que o do meu marido que tinha 15 cm. Não perdi tempo. Cai de boca naquela linda ferramenta , matando aquela vontade, desde menina. Fred me comeu de todas as posições, as que eu tinha idéia e outras que nem idéia tinha. Me

posicionou novamente de costas , lambeu meu cuzinho, iniciou a abertura com os dedos primeiro um dois e três. Pronto ora de matar a vontade, desde a adolescência. Fred posicionou a cabeça do cacete na abertura do meu cuzinho e forçou. Eu gritei, sem querer, pois realmente doeu muito, ele não disse nada. Era realmente perito na coisa. Iniciou novamente a seção de carinhos e elogios sobre minha bunda, me deixando em brasa, pedindo ou melhor implorando para ser enrabada. E fui . A cabeçorra passou, com um pouco de ardência , mas rapidamente, senti o saco bater

na minha bunda. Metemos de várias posições , mas a que deixou saudade, foi a cavalgada, que dei naquele cacete. Eu pulava e gritava como uma louca naquela pica . Trepamos a noite quase toda. Acordamos já quase duas da tarde. Tomamos um gostoso café e recomeçamos. Aquela putaria , durou mais dois dias , o tempo que costumo gastar nas minhas comprar. Fiz uns poucos pedidos por telefone e voltei feliz para casa. Já se passaram dois anos, mas foi tão maravilhoso , que ainda hoje, me lembro de cada detalhe . Estou com a idéia de comemorar meu aniversário de casada. Acho que vou trepar com dois homens ao mesmo tempo e quando isto acontecer, contarei como foi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.