Provocando o entregador

Somos um casal de mente aberta e que adora algumas aventuras. Moramos no Rio de Janeiro e, sempre que possível, vamos à praia do Abricó, no Grumari, como também a outras praias naturistas pelo país.

O conto que vamos relatar aconteceu faz alguns anos na Praia do Pinho, em Santa Catarina. Na época, era permitido apenas pessoas nuas na faixa de areia. Digo isso, pois, agora, parece que as coisas mudaram um pouco por lá, de modo que pessoas vestidas ficam entre os naturistas, o que acaba com o propósito do lugar.

Seja como for, o que importa é que estávamos aproveitando as férias em Florianópolis, mas resolvemos ir a Balneário Camboriú para ficar hospedados no camping da praia do Pinho, umas vez que a praia da Galheta, a nosso ver, não é tão boa.

Feita essa introdução, vamos direto a um episódio específico, embora pudéssemos relatar outras coisas gostosas que rolou por lá, mas, pouco a pouco, caso a gente pegue o gosto em relatar nossas aventuras, vamos escrevendo mais coisas por aqui.

O fato é que chegamos ao camping da praia do Pinho e ficamos hospedados num chalé que era um pouco distante da recepção. Era tudo muito simples, mas o suficiente para curtir alguns dias de naturismo.

No primeiro dia, além de ficarmos nus no camping e na areia da praia, o que é muito gostoso e excitante, transamos de pé na porta (aberta) do quarto e tiramos fotos ousadas em frente ao chalé. Torcíamos para que outros casais nos visse, mas acho que isso não aconteceu, pois o camping estava com pouco movimento nesse dia. Inclusive, não havia ninguém hospedado no quarto do nosso lado, o que foi uma pena!

Ao anoitecer, resolvemos pedir uma pizza, pois não estávamos a fim de pegar o carro e sair da praia para comer. Sendo assim, fomos até a recepção para pedir informação de pizzarias, e o rapaz que estava trabalhando nos indicou uma que entregava no camping. Ligamos dali mesmo, efetuamos o pedido e, por fim, solicitamos ao recepcionista para ele deixar o entregador entrar, pois não queríamos voltar até à recepção.

No quarto, nos bateu uma excitação e, como estávamos sem roupa, começamos a nos esfregar com a porta e a janela abertas. Porém, comentamos que o entregador poderia chegar a qualquer momento, o que nos causou uma mistura de receio com tesão. Nesse instante, minha companheira perguntou:

– Será que fico sem roupa?
– Você fica como achar melhor, obviamente! Porém, vou ficar com bastante tesão se você ficar peladinha na frente do entregador – eu falei, sorrindo.
– Hum… seu safado! Mas vou ficar só de calcinha – ela respondeu.
– Está ótimo, meu bem! Você fica ainda mais provocante só de calcinha! – exclamei contente.

A partir disso, nós tentávamos esperar a pizza com “naturalidade”, mas estávamos à flor da pele. Em poucos minutos, chegou o entregador. Eu fui recebê-lo, mas minha companheira disse:

– Deixa que eu pago desta vez
– Está bem! Você vai passar cartão? – perguntei.
– Isso! Vou passar cartão – ela me respondeu.

Então, só de calcinha, ela veio e ficou toda maravilhosa na frente do entregador. Em seguida, eu perguntei ao rapaz:

– Você faz muitas entregas aqui na praia? Já deve estar acostumado com o pessoal pelado, não?
– Faço sim! E até estou acostumado, mas sempre é bom ver pessoas bonitas sem roupas – disse o rapaz de forma descontraída.
– E nós somos bonitos? – perguntei, sorrindo.
– Vocês são os mais lindos que já vi aqui! – ele falou.

Nesse instante, comecei acariciar minha companheira e disse:

– Ele nos achou um casal lindo. O que você acha de deixá-lo te ver um pouco melhor? Quem sabe sem calcinha?
– Hum! Acho que sim! – ela respondeu, fazendo charme.

Então, enquanto eu começava a descer lentamente a sua calcinha, ela foi se virando de costas para o entregador. Logo, eu disse ao rapaz que ele poderia passar a mão no corpo dela, pois sabia que ela estava esperando por isso. E quando ele já estava com uma das mãos nas pernas dela, subindo e descendo até o quadril, eu perguntei se ela era gostosa.

– Acho que nunca vi uma mulher tão gostosa! – ele exclamou – Estou muito excitado!
– Ah é? Então deixa a gente ver se é verdade essa excitação – eu disse.

O rapaz entendeu e foi abrindo a sua calça. Minha companheira, que adora provocar e estava gostando da situação, começou a ajudá-lo com a calça e logo começou a masturbá-lo. Nesse momento, como eu estava sem roupa, comecei a penetrá-la.

Nós ficamos assim por poucos minutos, mas, sem avisar, o rapaz gozou na mão dela, pois era esse mesmo o objetivo dela. Assim sendo, pagamos a pizza e nos despedimos.

Enfim, foi gostoso provocá-lo, o que nos deixou com ainda mais de tesão naquela noite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.