A trama com o motorista de aplicativo

A gente já se apresentou aqui no site. Somos um casal de maduro, ele branco, magro, pelos pelo corpo, ela, loira, baixinha, depiladinha, seios e bunda proporcionais, muito atraente. Gostamos muito de aventuras dentre elas curtimos bastante o cuckold, o que é bem evidente nos contos que publicamos. Temos um amigo que é motorista de aplicativo, ele sempre nos leva para o motel onde realizamos algumas fantasias, e as vezes o convidamos para participar. Ele gosta de fazer corrida pra nós, porque no trajeto ele fica assistindo pelo retrovisor nossas

brincadeirinhas no banco de trás, até colocou insulfilme bem escuro que é para facilitar o nosso lado, afinal, embora excitante não queremos ser reconhecidos no trajeto. Geralmente ele passa no meu trabalho, e depois pegamos ela em casa, ou no trabalho dela. Nesse dia, por questão de proximidade era mais prático ele passar primeiro no local onde ela estava, e depois no meu trabalho porque é caminho para o motel que costumamos ir. Nesse dia ela estava esperando num local diferente do de costume, e o nosso amigo (motorista) estava com dificuldade de encontrá-la,

finalmente depois de alguns desencontros, ele mandou mensagem que já tinha visto ela, pouco depois ela me ligou, dizendo que já estava no carro, e sacanamente me disse: “Advinha onde está minha mão?”, respondei que não fazia ideia, e ela falou estou segurando o câmbio. Em seguida caiu uma mensagem dele, com um vídeo em que ela passava a mão no seu volume sob a calça. Na hora fiquei louco de tesão, e com respiração ofegante mandei uma mensagem pra ele: “SAFADO”. Logo depois caiu mais uma mensagem dele, dessa vez, ele com a braguilha aberta e ela com a mão enfiada fazendo massagem. Minha cabeça estava a mil, imaginando o que aconteceria nesse trajeto! Demorou um pouco, caiu mais mensagens, eram três

vídeos dela mamando o cacetão do amigo, e o texto, já estamos chegando, em um dos vídeos ele dizia: “Olha corno como sua mulher mama gostoso!”. Minutos depois, ele mandou mensagem avisando que já estava aguardando, e uma foto dela, já no banco de trás me esperando. Entrei, nos beijamos loucamente, ela perguntou: “Gostou da provocação meu amor?”, respondi que adorei, e perguntei se ela convidou ele pra entrar com a gente, ela disse que não, que queria só fazer uma provocação pro corninho. Questionei se não seria o caso de convidar, porque afinal

de contas já estávamos no clima, ela insistiu que não, concordei. Chegando no motel (ele sempre nos deixa dentro da garagem), entrou, descemos e no quarto continuamos os amassos e beijos, quando lembrei de fechar o portão, foi quando notei que ele ainda estava lá, percebi que ela tinha armado tudo. Ele entrou, e ela sem perda de tempo, ajoelhou e caiu de boca no seu cacete enorme, fiquei assistindo de perto, e ela me convidou dizendo: “Vem corno, me ajuda a dar um trato no seu amigo”, e dividimos o cacete dele entre beijos, revezávamos entre o cacete e as bolas. Em seguida ele se deitou na cama com os pés apoiados no chão, ela se ajeitou

e começou a cavalgar de frente pra ele, fiquei observando bem de pertinho aquela rola entrando e saindo da xana dela, passava a língua no rego, cuzinho e bolas dele, as vezes escapava e eu abocanhava gostoso. Então ela parou e falou para o amigo, vamos dar um trato nesse corno. Mandou-me deitar na posição de frango, uma almofada por baixo, ela de pé agachada mamava meu cacete e bolas, enquanto era penetrada pelo amigo, que socava com gosto, ouvia-se o barulho de longe. Depois ela lambuzou bem meu cuzinho com gel, e mandou ele, vem mete nesse corno, sem perda de tempo ele puxou-me pelas pernas na beira da cama, e ajudado por ela encaixou a cabeçona, arrancando um AIIII! Comecei a choramingar e reclamar, e ela disse cala boca corno, falei pra você que um dia ia castigar, e olhando pra ele disse: “Vai enterra tudo nesse corno sem dó”. Não resisti acabei gozando, ele deu mais

umas bombadas e parou de meter, foi no banheiro tomar uma ducha. Convidei ela pra irmos também, ela disse que não, que estava esperando o amigo para meter com ele. Resolvi tomar uma ducha, e quando voltei ele estava socando nela sem dó na posição frango, ela gritava dizendo: “Vai mete nessa buceta”, até que ele não se aguentando mais, deu uma acelerada e gozou aos berros. Encheu a buceta dela de porra, saiu de lado e ela me chamou, vem corno limpa o estrago. Sem perda de

tempo comecei a limpar as beiradas, parte interna da coxa, aí ela sentou na minha cara, e falou: “Vai corno termina o serviço, que ainda tem porra”, deixei ela limpinha, então ela sentou no meu cacete e começou a cavalgar, gozando intensamente na minha rola, e eu gozei mais uma vez naquela xana deliciosa. Ela desfalecida em cima de mim, ficamos abraçadinhos, enquanto o amigo esperava no carro. Nos recompomos, e saímos, na expectativa da próxima aventura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.